Óleo de Prímula

O óleo de prímula, cujas atribuições incluem o alívio à TPM e o controle da hiperatividade infantil, é o óleo extraído das sementes da Oenothera biennis (Onagraceae), planta popularmente chamada de prímula da tarde, ou apenas prímula. A prímula, cujas origens se deram na América do Norte, é utilizada na medicina indígena há muito tempo, já que possui propriedades terapêuticas.

Os benefícios do óleo de prímula são garantidos graças ao fato da planta ser fonte de ácidos graxos poli-insaturados, chamados também de gorduras boas, que garantem diversos benefícios à saúde. Dentre as qualidades do óleo de prímula, podemos destacar pontos positivos como a contribuição para o controle dos níveis de colesterol, bem como o alívio dos sintomas da menopausa e TPM que ele proporciona. Quer mais? Ele ainda hidrata a pele e reduz a pressão arterial.

Óleo de Prímula e seus Nutrientes

Uma farta quantidade de ácidos graxos essenciais é garantida com o óleo de prímula, o que faz dele um aliado para a nossa saúde, uma vez que o ser humano não é capaz de produzi-los, em especial o ácido gama linolênico (GLA).

O GLA pertence à família Ômega 6, e é um ácido graxo tri-insaturado que ajuda a combater a inflamação crônica, sendo também um verdadeiro aliado no que diz respeito ao tratamento das doenças reumáticas. O GLA também contribui para a saúde cardiovascular, além de diminuir os níveis de colesterol e auxiliar na prevenção e tratamento do diabetes, bem como da hipertensão, do eczema atópico, da síndrome pré-menstrual e até mesmo do alcoolismo.

Cápsulas de óleo de prímula


O ácido esteárico, bem como o ácido linolênico, o ácido oleico e o ácido palmítico também compõe o óleo de prímula, um fator muito positivo, já que eles garantem uma ação anti-inflamatória. Esses ácidos graxos também regulam os níveis do colesterol no nosso sangue, contribuindo para a saúde cardiovascular, além de exercerem controle na pressão arterial.

Óleo de Prímula e seus Benefícios

Alivia a menopausa e a TPM – O óleo de prímula confere diversos benefícios à nossa saúde, dentre os quais destacam-se, por exemplo, os alívios aos sintomas recorrentes durante a tensão pré-menstrual e da menopausa. Evidências apontam que mulheres que consomem óleo de prímula durante a fase da menopausa sofrem menos efeitos dos fogachos noturnos. O óleo de prímula também aumenta a absorção de cálcio por parte do nosso intestino, reduzindo a excreção feita através da urina e, consequentemente, aumentando a deposição nos ossos. Porém, são poucas evidências que realmente comprovam que o óleo de prímula desempenha ações realmente eficazes no tratamento dos sintomas da menopausa e da TPM.

Contribui para a saúde da pele – A suplementação feita com óleo de prímula, com uma porção de 1,2g, duas vezes ao dia, no período de 12 semanas, contribui para que a nossa pele se mantenha hidratada, conferindo à ela mais firmeza, elasticidade e resistência à fadiga e à rugosidade. Isto se deve ao fato do óleo de prímula conter o ácido graxo GLA, que é essencial para a saúde da pele e que contribui de maneira satisfatória para sua função, bem como para a sua estrutura.

Benefícios do óleo de prímula

Ajuda a reduzir os sintomas da dermatite – Segundo alguns estudos realizados, o óleo de prímula também é capaz de reduzir os sintomas provenientes da dermatite. Um estudo realizado com pessoas portadoras de dermatite apontou que o consumo diário de 2 g de óleo de prímula pode ajudar no quadro da doença. Através de diversos estudos, foram identificadas melhoras no quadro geral daqueles que sofrem de dermatite e consomem de 2 a 6 gramas de óleo de prímula diariamente, por um período de 12 semanas. Uma melhora clínica foi correlacionada com o aumento dos níveis plasmáticos do ácido araquidônico.

Pode ajudar no controle da hiperatividade infantil – A hiperatividade infantil pode ser controlada com o consumo do óleo de prímula, uma vez que as crianças que apresentam tal condição apresentam sintomas típicos da deficiência por parte dos ácidos graxos essenciais. Deste modo, o óleo de prímula contribui para um maior controle da hiperatividade infantil, já que ele é fonte de ácido linolênico, um ácido graxo essencial que contribui para que o comportamento das crianças hiperativas melhore.

Reduz e controla a pressão arterial – Segundo estudos realizados ao longo dos anos, o óleo de prímula desempenha uma atividade que impede que as plaquetas se aglomerem nos vasos sanguíneos, ou seja, uma ação antiagreganteplaquetária. O óleo de prímula também seria capaz de desempenhar ação anticoagulante e contribuir para um melhor fluxo sanguíneo, diminuindo a resposta entre os hormônios que são os responsáveis pela angiotensina, renina e aumento da pressão arterial.

Ajuda no controle dos níveis do colesterol – Por ser fonte de GLA, o óleo de prímula também é capaz de ajudar na diminuição dos níveis de colesterol no sangue. Diversos estudos têm apontado efeitos benéficos do óleo de prímula provenientes do ácido graxo essencial GLA.

Benéfico contra o câncer de mama – Positivos resultados têm sido observados nos pacientes que sofrem de câncer de mama e consomem óleo de prímula, pois supostamente ele é capaz de contribuir para a amenização de distúrbios hormonais e até mesmo dores nos seios.

Beneficia a saúde óssea – O óleo de prímula, segundo alguns estudos realizados, também é benéfico para os nossos ossos. Este benéfico efeito seria obtido tanto com a suplementação do óleo de prímula como do óleo de peixe, óleos estes capazes de combater as desordens ósseas. A suplementação por um período de 16 semanas garante a obtenção de ácidos graxos essenciais, amplamente encontrados nos dois óleos. O pro-colágeno, assim como a osteocalcina, supostamente podem aumentar com o consumo do óleo de prímula, que ainda é capaz de estimular as atividades dos osteoblastos, que são as células que estão relacionadas com a formação do tecido ósseo em mulheres que sofrem de osteoporose.

Prímula

Recomendação do Óleo de Prímula

Apesar de não existir uma recomendação diária de consumo do óleo de prímula, é indicado que um médico ou nutricionista seja consultado para orientar o paciente da maneira correta.

Óleo de Prímula: Efeitos, Cuidados e Consumo

A ingestão das cápsulas de óleo de prímula deve ser feita com água ou suco, de preferência após as principais refeições, como o almoço e o jantar, já que elas necessitam de fontes de gorduras para que sejam melhores absorvidas e utilizadas por nosso organismo. Alguns cuidados com o consumo do óleo de prímula devem ser seguidos. Pessoas que sofrem de psoríase, paradermatite, neuropatias diabéticas, artrite reumatoide, esclerose múltipla, hiperglicemia, eczema, menopausa e tensão pré-menstrual podem fazer uso da suplementação de Ômega 6 e endometriose. Já o consumo do óleo de prímula não deve ser feito por pessoas epilépticas que são tratadas com fenotiazínicos, já que isto pode causar ao lóbulo temporal um quadro de epilepsia.

Apesar de normalmente o óleo de prímula não causar nenhum efeito colateral, há certos casos em que as pessoas apresentaram sintomas como indigestão, náuseas e dor de cabeça. Quando consumido de maneira excessiva e a longo prazo, o óleo de prímula parece estar associado a um aumento de risco nos casos de inflamações, trombose e imunossupressão, uma vez que o GLA pode ser convertido pelo nosso organismo em ácido araquidônico.

A maneira mais saudável de se obter os benefícios do óleo de prímula é associar o seu uso à prática regular de atividades físicas, bem como uma dieta equilibrada e saudável. O consumo associado do óleo de prímula com o óleo de peixe é ainda mais benéfico para a função renal e pressão arterial.

É possível ainda que o óleo de prímula interaja com drogas fenotiazínicas, como o ácido acetilsalicílico, antiepiléticos, dipiridamol, ticlopidina e AINES. O óleo de prímula, pelo que se tem sido observado, também pode interagir com a anestesia durante as cirurgias.

Óleo de Prímula e seus Benefícios
5 (100%) 3 votos

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

Comente