Epilepsia

A epilepsia é um nome relativamente comum. Muitos de nós já devemos ter ouvido sobre essa doença ao menos uma vez na vida. Talvez até saibamos uma coisa ou outra sobre seus sintomas básicos, mas será que nós sabemos tudo aquilo de que precisamos saber?

A epilepsia é um transtorno crônico que causa crises indiscriminadas e recorrentes. A epilepsia é uma súbita onda de atividade elétrica no cérebro.

Existem dois principais tipos de convulsões. As convulsões generalizadas afetam todo o cérebro. As crises focais ou parciais, afetam apenas uma parte do cérebro.


Uma convulsão suave pode ser difícil de reconhecer. Pode durar alguns segundos durante os quais você não tem consciência.

Convulsões mais fortes podem causar espasmos e contrações musculares incontroláveis ​​e podem durar alguns segundos até vários minutos. Durante uma apreensão mais forte, algumas pessoas ficam confusas ou perdem a consciência. Depois, você pode não ter memória disso acontecendo.

Há várias razões pelas quais você pode ter uma convulsão. Esses incluem:

Febre alta
Trauma na cabeça
Muito baixo teor de açúcar no sangue
Abstinência alcoólica

A epilepsia é um transtorno neurológico bastante comum que afeta 65 milhões de pessoas ao redor do mundo. Qualquer um pode desenvolver epilepsia, mas é mais comum em crianças pequenas e adultos mais velhos. Isso ocorre um pouco mais nos machos do que nas fêmeas.

Não há cura para a epilepsia, mas a desordem pode ser gerenciada com medicamentos e outras estratégias.

Quais são os Sintomas da Epilepsia?

As convulsões são o principal sintoma da epilepsia. Os sintomas diferem de pessoa para pessoa e de acordo com o tipo de convulsão.

Convulções focais (parciais)

Uma simples apreensão parcial não envolve perda de consciência. Os sintomas incluem:

Alterações ao sentido do gosto, cheiro, visão, audição ou toque
Tontura
Formigamento e espasmos de membros

Convulsões parciais complexas envolvem perda de consciência ou consciência. Outros sintomas incluem:

    • Olhar fixo
    • Falta de resposta
  • Realização de movimentos repetitivos


Convulsões generalizadas

Convulsões generalizadas envolvem todo o cérebro. Existem seis tipos:

As convulsões de ausência, que costumavam ser chamadas de “convulsões de pequeno mal”, causam um olhar em branco. Este tipo de apreensão também pode causar movimentos repetitivos, como batimento de lábios ou piscar. Também há geralmente uma pequena perda de consciência.
As convulsões tónicas causam rigidez muscular.
As convulsões atômicas levam a perda de controle muscular e podem fazer você cair de repente.
As convulsões clônicas são caracterizadas por movimentos musculares repetidos e espasmódicos do rosto, pescoço e braços.
As convulsões mioclônicas provocam espasmos rápidos de espasmos nos braços e pernas.

As convulsões tônico-clônicas costumavam ser chamadas de “convulsões grand mal”. Os sintomas incluem:

  • Endurecimento do corpo
  • Tremedeira
  • Perda de controle da bexiga ou do intestino
  • Morder a língua
  • Perda de consciência

Após uma apreensão, talvez você não se lembre de ter um, ou você pode se sentir um pouco doente por algumas horas.

Quais são as Causas da Epilepsia?

Para 6 de cada 10 pessoas com epilepsia, a causa não pode ser determinada. Uma variedade de coisas pode levar a convulsões.

Possíveis causas incluem:

    • Traumatismo craniano
    • Cicatrizes no cérebro após uma lesão cerebral (epilepsia pós-traumática)
    • Doença grave ou febre muito alta
    • epilepsia em pessoas com mais de 35 anos
    • Outras doenças vasculares
    • Falta de oxigênio para o cérebro
    • Tumor cerebral ou cisto
    • Uso materno de drogas, lesão pré-natal, malformação cerebral ou falta
    • de oxigênio no nascimento
  • Distúrbios genéticos ou de desenvolvimento ou doenças neurológicas

A hereditariedade desempenha um papel em alguns tipos de epilepsia. Na população em geral, há uma chance de 1 por cento de desenvolver epilepsia antes dos 20 anos de idade. Se você tem um pai cujas epilepsias estão ligadas à genética, isso aumenta seu risco para 2 a 5 por cento.

A genética também pode tornar algumas pessoas mais suscetíveis a convulsões de desencadeantes ambientais.

A epilepsia pode se desenvolver a qualquer idade. O diagnóstico geralmente ocorre na primeira infância ou após os 60 anos de idade.

A Epilepsia é Hereditária?

Pode haver até 500 genes relacionados à epilepsia. A genética também pode fornecer um “limiar de convulsão” natural. Se você herda um limite de apreensão baixo, você é mais vulnerável a desencadeadores de crises. Um limite mais alto significa que você tem menos probabilidade de ter convulsões.

A epilepsia às vezes funciona em famílias. Ainda assim, o risco de herdar a condição é bastante baixo. A maioria dos pais com epilepsia não tem filhos com epilepsia.

Em geral, o risco de desenvolver epilepsia aos 20 anos é de cerca de 1 por cento, ou 1 em cada 100 pessoas. Se você tem um pai com epilepsia devido a uma causa genética, seu risco aumenta para entre 2 a 5 por cento.

Se o seu pai tiver epilepsia devido a outra causa, como acidente vascular cerebral ou lesão cerebral, não afeta suas chances de desenvolver epilepsia.

Certas condições raras, como esclerose tuberosa e neurofibromatose, podem causar convulsões. Estas são condições que podem ser executadas em famílias.

A epilepsia não afeta sua capacidade de ter filhos. Mas alguns medicamentos para epilepsia podem afetar seu feto. Não pare de tomar os seus medicamentos, mas fale com o seu médico antes de engravidar ou, logo que aprenda, está grávida.

Se você tem epilepsia e está preocupado com o início de uma família, considere organizar uma consulta com um conselheiro genético.

Como é Feito o Tratamento da Epilepsia?

A maioria das pessoas pode gerenciar a epilepsia. O seu plano de tratamento basear-se-á na gravidade dos sintomas, da sua saúde e de quão bem você responde à terapia.

Algumas opções de tratamento incluem:

Medicamentos anti-epilépticos (anticonvulsivantes e anti-crise): estes medicamentos podem reduzir o número de convulsões que você tem. Em algumas pessoas, eles eliminam convulsões. Para ser eficaz, a medicação deve ser tomada exatamente como prescrito.
Estimulador do nervo Vagus: este dispositivo é colocado cirurgicamente sob a pele no tórax e estimula eletricamente o nervo que atravessa seu pescoço. Isso pode ajudar a prevenir convulsões.
Dieta cetogênica: mais da metade das pessoas que não respondem à medicação se beneficiam dessa dieta rica em gordura e baixa em carboidratos.
Cirurgia do cérebro: a área do cérebro que causa a atividade convulsiva pode ser removida ou alterada.

A pesquisa sobre novos tratamentos está em andamento. Um tratamento que pode estar disponível no futuro é a estimulação cerebral profunda. É um procedimento no qual os eletrodos são implantados no seu cérebro. Em seguida, um gerador é implantado no seu baú. O gerador envia impulsos elétricos para o cérebro para ajudar a diminuir as convulsões.

Outra avenida de pesquisa envolve um dispositivo parecido ao marcapasso. Ele verificaria o padrão de atividade cerebral e enviaria uma carga elétrica ou medicamento para parar uma convulsão.

Cirurgias minimamente invasivas e radiocirurgia também estão sendo investigadas.

Vivendo com Epilepsia: o que Esperar

A epilepsia é transtorno crônico que pode afetar muitas partes de sua vida.

As leis variam de estado para estado, mas se suas apreensões não estiverem bem controladas, você não poderá dirigir.

Porque você nunca sabe quando uma convulsão ocorrerá, muitas atividades diárias como atravessar uma rua movimentada podem se tornar perigosas. Esses problemas podem levar à perda de independência.

Algumas outras complicações da epilepsia podem incluir:

Risco de dano permanente ou morte por convulsões severas que duram mais de cinco minutos (estado epiléptico)
Risco de convulsões recorrentes sem recuperar a consciência entre (status epilepticus)
Morte súbita e inexplicável na epilepsia, que afeta apenas cerca de 1 por cento das pessoas com epilepsia

Além das visitas regulares ao médico e seguindo seu plano de tratamento, aqui estão algumas coisas que você pode fazer para lidar:

Mantenha um diário de apreensão para ajudar a identificar possíveis desencadeantes para que você possa evitá-los.
Use um bracelete de alerta médico para que as pessoas saibam o que fazer se você tiver uma convulsão e não pode falar.
Ensine as pessoas mais próximas a você sobre convulsões e o que fazer em uma emergência.

Procure ajuda profissional para sintomas de depressão ou ansiedade.
Junte-se a um grupo de apoio para pessoas com distúrbios convulsivos.
Cuide da sua saúde comendo uma dieta equilibrada e fazendo exercícios regulares.

Existe Uma Cura para a Epilepsia?

Não há cura para a epilepsia, mas o tratamento precoce pode fazer uma grande diferença.

Convecções descontroladas ou prolongadas podem levar a danos cerebrais. A epilepsia também aumenta o risco de morte súbita inexplicável.

A condição pode ser gerenciada com sucesso. As crises geralmente podem ser controladas com medicação.

Dois tipos de cirurgia no cérebro podem reduzir ou eliminar convulsões. Um tipo, chamado ressecção, envolve a remoção da parte do cérebro onde as convulsões se originam.
Quando a área do cérebro responsável pelas convulsões é muito vital ou grande para remover, o cirurgião pode realizar uma desconexão. Isso envolve interromper a via nervosa fazendo cortes no cérebro. Isso evita que as convulsões se espalhem para outras partes do cérebro.

Pesquisas recentes descobriram que 81 por cento das pessoas com epilepsia grave estavam completamente ou quase isentas de confusão seis meses após a cirurgia. Após 10 anos, 72% ainda estavam completamente ou quase sem convulsões.

São realizadas dezenas de outras vias de pesquisa sobre as causas, tratamento e curas potenciais para a epilepsia.

Embora não haja nenhuma cura no momento, o tratamento certo pode resultar em melhora dramática em sua condição e sua qualidade de vida.

O que é Epilepsia, Tipos, Causas, Sintomas, Remédios, Tem Cura?
4.6 (92%) 5 votos
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

1 COMENTÁRIO

  1. Olá sou epiletica sinto muita dor de cabeça e muita dor muscular não tenho convuçaoes e fui diagnosticada com 15 anos de idade só tenho desmaios e perda de memória

Comente