Tontura: O Que Pode Ser?

Ouça esse artigo na versão audio:

Muitos de nós sabemos descrever como é a sensação de uma tontura. Apesar disso, o termo “tontura” geralmente é usado da forma errada, pois ele descreve sensações que não fazem parte da verdadeira tontura.

Desequilíbrio, visão dupla, hipotensão, náuseas, fraqueza, turvação visual e mal-estar são problemas que acometem muita gente. Entretanto, esses sintomas não são condizentes a o que a tontura é de fato. A tontura de verdade é aquela que faz com que a gente tenha uma falsa sensação de movimento do ambiente que nos rodeia, ou de nós mesmos; além dessa péssima sensação, a tontura verdadeira também nos causa desequilíbrio e sensação de enjoo.
Já aquela tontura que vem logo após a sensação de movimento rotatório, como se tudo em nossa volta estivesse girando, é nomeada vertigem. A vertigem é o tipo de tontura mais comum entre nós.
O intuito deste artigo é te ajudar a entender o que causa a tontura, como ela surge e quais são as doenças que costumam provocá-la.

O que fazer para passar a Tontura

Inclua o infográfico em seu site/blog copiando e colando o código:

Respire fundo

Inclua o GIF em seu site/blog copiando e colando o código:

Tontura: O que Pode Ser?

tontura

O nosso cérebro fornece inúmeras informações detalhadas para o nosso corpo. Graças à elas, nós conseguimos nos manter em equilíbrio, além de podermos identificar em quais posições nós estamos em relação ao nosso meio ambiente (em pé, deitado, de lado, inclinado, braços levantados, pernas esticadas, etc.), assim como ficamos sabendo se estamos em movimento ou se estamos parados.

Essas informações são enviadas para o nosso sistema nervoso central por três dos nossos sentidos:

1- Visão. É através dela que podemos nos localizar, permitindo que a gente se oriente sobre o ambiente em que estamos.

2- Propriocepção. Isso é a capacidade que o nosso cérebro tem para reconhecer a localização espacial em que a gente está. Com isso nós reconhecemos a nossa posição e orientação. Ela também desempenha outro papel importantíssimo, que faz com que a gente reconheça a força que exercemos através dos músculos, permitindo que a gente saiba em que posição está cada um dos nossos membros, sem que a gente precise estar vendo. É graças à ela que nós podemos, por exemplo, reconhecer qual das nossas pernas está dobrada, qual braço está levantado, se a nossa cabeça está dobrada para cima ou para baixo, com os olhos fechados.

3- Ouvido interno. Ele é o maior responsável pelas ocorrentes tonturas e vertigens, Portanto, iremos falar um pouco dele agora.

Ouvido Interno – Aparelho Vestibular e Labirinto

ouvido_interno

Nós temos um órgão chamado labirinto que faz parte do aparelho vestibular – o verdadeiro responsável pela nossa capacidade de manter o equilíbrio – dentro do nosso ouvido interno. Esse órgão é, na verdade, um conjunto de arcos semicirculares cheios de líquidos em seu interior. Quando nós nos movimentamos o cérebro percebe a movimentação dos líquidos, fazendo com que ele nos ajude a identificar quais movimentos nós estamos fazendo, permitindo que a gente se mantenha em equilíbrio.

É através da movimentação dos líquidos que as informações são passadas pelo labirinto. Assim, o nosso cérebro é capaz de interpretar os movimentos angulares, as acelerações lineares e as forças gravitacionais. Isso explica o motivo de ficarmos tontos após termos rodado várias vezes. Quando ficamos estáticos, o nosso corpo até pode estar sem movimento, mas os líquidos do interior do ouvido interno não! Eles ainda ficam fazendo movimento rotacional por alguns segundos, levando o nosso cérebro a interpretar que ainda estamos rodando os nossos corpos. Nesses casos, a melhor coisa a ser feita é que a gente mantenha os nossos olhos abertos, pois assim a visão permite demonstrar ao cérebro que a mensagem recebida por ele está errada.

Diferenças entre os tipos de tontura e a vertigem

É importante que a vertigem seja identificada, pois geralmente ela é causada por diversas doenças do aparelho vestibular, diferente da tontura, que é causada pelo real movimento dos líquidos do ouvido interno. As doenças mais comuns quando se trata de vertigem são aquelas que prejudicam o ouvido interno, seja devido à calcificação que ocorre nas áreas do labirinto, seja por algum tipo de inflamação ou de infecções. Traumas e excesso de líquido no aparelho vestibular também causam vertigem.

Portanto, a vertigem é, na verdade, a ilusão de que estamos fazendo movimentos rotatórios. Podemos ter vertigem mesmo estando parados há horas. Poder distinguir os diversos tipos de tontura da vertigem é essencial para saber quais providências tomar. Outra característica da vertigem é ela ser intermitente, ou seja, acontece diversas vezes ao longo das semanas. Já a tontura permanente não costuma ser vertigem. O tipo de tontura que determinado paciente tem pode ser identificado pela piora da vertigem quando são realizados movimentos com a cabeça.

Sintomas da Vertigem

A vertigem pode ser identificada pelos seguintes sintomas típicos:

  • Tontura rotatória, dando a impressão de que nós ou o ambiente estão girando;
  • Dificuldade para a gente conseguir manter o equilíbrio;
  • Tonturas que acontecem com frequência ao longo de vários dias ou semanas, ou que pioram quando a gente movimenta a cabeça ou o tronco, quando a gente tosse ou quando a gente espirra;
  • Tonturas também podem estar relacionadas à outros problemas, como dores de cabeça, sensibilidade ao barulho ou à luz, sensação de fadiga, visão dupla, taquicardia e dificuldades de fala;
  • O nistagmo – movimentos dos olhos feitos de maneira involuntária, rápida e curta – também costuma estar associado à vertigem;

Vertigem e Tontura: O que pode Ser? Quais são as suas Causas?

vertigem

Nos casos de tonturas

As doenças do aparelho vestibular são as principais causas de tonturas, sendo responsáveis por 40% dos casos; já as lesões cerebrais são responsáveis por 10%; os distúrbios psiquiátricos são responsáveis por 15%; pré-síncopes e desequilíbrios, apesar de não serem tontura, são responsáveis por 25% dos casos; as origens desconhecidas são 10%.
Conheça as principais causas:

– Vertigem Posicional Paroxística Benigna (VPPB)

A Vertigem Posicional Paroxística Benigna, conhecida também apenas como Vertigem Posicional ou Vertigem Postural, é a responsável pela maior parte de ocorrências de vertigem. O problema é causado quando os pequenos canais localizados no interior do sistema vestibular apresentam calcificação. Esse tipo de vertigem tem uma duração curta, uma tontura que dura alguns segundos ou poucos minutos O que costuma desencadear esse tipo de vertigem são os movimentos que a gente realiza com a cabeça. A doença pode persistir por diversas semanas.

– Doença de Ménière

Geralmente causada pelo excesso de líquido no labirinto, a doença de Ménière também é uma das causas da vertigem, além da perda de audição e ocorrência de zumbidos. As tonturas causadas pela doença de Ménière costumam durar vários minutos, ou até mesmo horas. Ela também pode causar perda permanente de audição do paciente, além de desencadear dificuldades para a manutenção do equilíbrio.

– Neurite vestibular (Labirintite)

A labirintite acontece em decorrência da inflamação do labirinto, ou do ramo vestibular do nervo auditivo, responsável pela transmissão de informações do ouvido interno para o cérebro. A principal causa desse tipo de inflamação é a infecção viral. Geralmente pessoas que sofrem de labirintite sentem vertigens muito fortes, náuseas, vômitos e dificuldade para se manterem em pé. Há também casos de perda auditiva e ocorrência de zumbidos. A labirintite pode apresentar sintomas por diversos dias.

– Vertigens da enxaqueca

Indivíduos que sofrem com enxaqueca também podem sofrer de vertigem

– AVC e ataque isquêmico transitório

Tanto o infarto cerebral como a isquemia podem causar tontura aos indivíduos. Pessoas idosas, pacientes que sofrem de diabetes, tabagismo, hipertensão e doenças cardiovasculares têm mais chances de sofrerem tonturas. O AVC também costuma estar relacionado à perda de movimentos e à sensibilidade de um ou ou mais membros, sensação de desorientação e dificuldades de fala.

O uso excessivo de certos medicamentos pode levar à intoxicação e overdose, trazendo consequências sérias para a saúde dos nossos ouvidos, como lesão do ouvido interno. Drogas como cisplatina, fenitoína e certos antibióticos são alguns dos medicamentos que podem desencadear o problema, se ingeridos de forma abusiva.

– Entupimento dos ouvidos por cera
Há alguns casos raros de pacientes que se queixam de tonturas devido ao entupimento dos ouvidos por cera.

– Traumatismo craniano

Esclerose múltipla

– Crises de ansiedade e ataques de pânico

Tontura: Sinais de Gravidade

labirintite

Na maior parte dos casos de vertigens, os sintomas não oferecem maiores riscos, apesar do incômodo causado por eles. Em caso de tontura, devemos passar por uma consulta com um otorrinolaringologista, o profissional especializado em avaliar os diversos casos de tonturas. Porém, se outros sintomas além da tontura nos incomodarem, pode ser o sinal de que há algo mais grave acontecendo conosco. Conheça quais são os sintomas que vão além da tontura. Caso apresente algum deles, busque o auxílio médico assim que possível:

  • Fraqueza em um ou mais membros
  • Dor de cabeça de forma intensa, com exceção dos pacientes que sofrem de enxaqueca
  • Febre alta
  • Dificuldade na fala
  • Dor no peito
  • Perda de consciência
  • Sensação de desorentação
  • Vômitos constantes

Veja mais sobre a labirintite:

Conheça mais sobre as tonturas, suas causas e tratamentos:

Este artigo foi útil?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (8 votos, média: 4,63 de 5)
Loading...