como funcionam os antibioticos

Muitos ao longo da vida já ouviram falar a palavra “antibiótico”. Entretanto, há quem ainda não saiba o que são antibióticos.

Os antibióticos são um grupo de medicamentos prescritos  que são usados ​​para tratar uma grande variedade de infecções causadas por bactérias. Eles não são eficazes contra infecções fúngicas ou virais, como um resfriado ou a gripe. Existem outros tipos de drogas destinadas a tratar essas infecções.

Existem muitas classes e subclasses diferentes de antibióticos, incluindo:

  • Penicilinas, como Amoxil e Augmentin (amoxicilina) e Unasyn (ampicilina)
  • Cefalosporinas, incluindo cefdinir, Rocephin (ceftriaxona) e Keflex (cefalexina)
  • Fluoroquinolonas (“quinolonas”), como Levaquin (levofloxacina), Cipro (ciprofloxacina) e Avelox (moxifloxacina)
  • Macrolides, como Zithromax ou Z-pak (azitromicina); Ery-Tab, Akne-Mycin, EES, Eryc e Pediamycin (eritromicina); E Cleocin, Cleocin T, ClindaGel e Clinda – Derm (clindamicina)
  • Tetraciclinas, incluindo tetraciclina e Vibramicina (doxiciclina)
  • Aminoglicosídeos, como a amicacina; Genoptic e Gentak (gentamicina); Aktob, Bethkis, Kitabis Pak, Tobi, Tobi Podhaler, Tobradex e Tobrex (tobramicina); E Neo-Fradin (neomicina)
    Sulfonamidas (sulfonamidas), como Septra e Bactrim (sulfametoxazol com trimetoprim)
  • Nem todos os antibióticos funcionam da mesma maneira para combater infecções.

Alguns antibióticos são bactericidas, o que significa que eles matam bactérias, enquanto outras são bacteriostáticas, o que significa que impedem a reprodução de bactérias.

Por exemplo, penicilinas, cefalosporinas e aminoglicosídeos são bactericidas, enquanto macrólidos, tetraciclinas e sulfonamidas são bacteriostáticos.

Avisos e Precauções


Uma vez que as alergias a certos antibióticos como penicilinas e sulfamidas são comuns, é sempre uma boa ideia descobrir em qual classe ou subclasse o antibiótico prescrito é. A menos que seu médico diga o contrário, não se esqueça de terminar de tomar todos os antibióticos prescritos, mesmo se você começar a se sentir melhor. Isso é muito importante para garantir que a infecção desapareça completamente.

Se você não pode completar todo o curso da terapia, a infecção ainda pode estar presente e os sintomas podem retornar. Então, se a infecção retornar, é mais provável que seja pior e mais difícil dela ser tratada. Também é possível que os antibióticos que seu médico prescreveu originalmente também não funcionam, pois as bactérias podem se tornar resistentes ao medicamento original.

Resistência a Antibióticos

A resistência bacteriana aos antibióticos é um problema generalizado e crescente.

Na verdade, alguns antibióticos que foram efetivos contra certas infecções apenas alguns anos atrás já não são úteis.

O uso excessivo de antibióticos contribui para a resistência bacteriana. A resistência ocorre quando as bactérias desenvolvem a capacidade de continuar a crescer, apesar da presença de um determinado antibiótico.

Os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC) declararam que “até 50 por cento do tempo, os antibióticos não são prescritos otimamente, muitas vezes quando não são necessários, ou com doses ou duração incorretas”.

E a maioria dos antibióticos utilizados nos Estados Unidos (até 75 por cento ou mais) não são fornecidos aos doentes, mas são administrados aos animais de fazenda para prevenir doenças e incentivar o crescimento.

A resistência pode ocorrer quando os antibióticos são tomados para uma condição que não é causada por bactérias, como, por exemplo, frio, gripe, tosse, dores de garganta e gastroenterite viral (“gripe estomacal”).

Não há benefício de tomar antibióticos para essas infecções, e assim pode colocar você e outros em risco de infecções resistentes aos antibióticos.

Efeitos Secundários Gerais dos Antibióticos

Embora a maioria das pessoas possa tomar antibióticos com sucesso, os possíveis efeitos colaterais dos antibióticos incluem diarreia, dor de estômago, sensibilidade ao sol, infecção por fungos, gosto metálico na boca, alergia ao medicamento (resultando em erupções) e inflamação severa com risco de vida devido à sensibilidade do fármaco, denominada anfilaxia.

No entanto, em alguns casos mais graves, alguns antibióticos – como Augmentin (amoxicilina e clavulanato) e clindamicina – podem causar uma forma muito grave de diarreia, caracterizada por episódios frequentes de fezes suaves e aquosas com um odor forte que é muito mais desagradável do que o normal.

Se isso acontecer, pare de tomar o antibiótico imediatamente e entre em contato com seu médico imediatamente. Você pode precisar tomar um antibiótico diferente.

Certos antibióticos podem causar efeitos colaterais, como descoloração dos dentes nos dentes do leite, perda auditiva ou problemas renais.

Interações Medicamentosas dos Antibióticos

Os antibióticos, como a maioria das drogas, podem interagir com outras drogas. Alguns, como Zithromax ou Z-Pak (azitromicina), geralmente não possuem muitas interações medicamentosas.

Mas outros antibióticos, como fluoroquinolonas e tetraciclinas, também não funcionam se tomados ao mesmo tempo que cálcio, ferro, antiácidos como Tums ou Maalox, ou alimentos como leite, queijo ou nozes.

Se você está tomando medicamentos ou suplementos que contêm cálcio ou ferro, ou comendo lácteos ou nozes, tente tomar seus antibióticos algumas horas antes de consumir qualquer um desses itens.

Quando Consumir Antibióticos? E Quando Não Consumir?

Os antibióticos são específicos para o tipo de bactéria a ser tratada e, em geral, não podem ser trocados de uma infecção para outra. Quando os antibióticos são usados ​​corretamente, eles geralmente são seguros com poucos efeitos colaterais.

No entanto, como com a maioria dos medicamentos, os antibióticos podem levar a efeitos colaterais que podem variar de um incômodo para grave ou fatal. Em lactentes e idosos, em pacientes com doença renal ou hepática, em mulheres grávidas ou amamentando e em muitos outros grupos de pacientes, as doses de antibióticos podem precisar ser ajustadas com base nas características específicas do paciente, como a função renal, hepática, ou idade. As interações medicamentosas também podem ser comuns com antibióticos. Os prestadores de cuidados de saúde são capazes de avaliar cada paciente individualmente para determinar o antibiótico e a dose corretos.

Os antibióticos não são a escolha correta para todas as infecções. Por exemplo, a maioria das gargantas, tosse e resfriado, gripe ou sinusite aguda são de origem viral (não bacteriana) e não precisam de antibiótico. Estas infecções virais são “autolimitantes”, o que significa que seu próprio sistema imunológico geralmente irá atacar e combater o vírus. Na verdade, o uso de antibióticos para infecções virais pode aumentar o risco de resistência aos antibióticos, reduzir as opções para futuros tratamentos se for necessário um antibiótico e colocar um paciente em risco de efeitos colaterais e custos extras devido ao tratamento desnecessário da droga.

As bactérias resistentes aos antibióticos não podem ser totalmente inibidas ou mortas por um antibiótico, mesmo que o antibiótico tenha funcionado eficazmente antes da ocorrência da resistência. Não compartilhe seu antibiótico ou tome medicamentos que foram prescritos para outra pessoa e não guarde um antibiótico para usar na próxima vez que ficar doente.

O que são Antibióticos?
5 (100%) 2 votos

Comente