AVC (Acidente Vascular Cerebral): Sintomas, Causas e O Que Fazer

AVC

O Que é AVC (Acidente Vascular Cerebral)?

Um acidente vascular cerebral é uma alteração, geralmente aguda, na função cerebral devido a células cerebrais feridas ou mortas. As alterações resultam em mudanças na capacidade de uma pessoa funcionar normalmente. O acidente vascular cerebral às vezes é chamado de ataque cerebral ou acidente cardiovascular (CVA). É como um ataque cardíaco, só que ocorre no cérebro. A seguir, saiba mais sobre AVC (Acidente Vascular Cerebral): sintomas, causas e o que fazer.

Os acidentes vasculares cerebrais são geralmente causados ​​por bloqueio cerebral ou hemorragia no tecido cerebral; ambas as causas resultam em uma incapacidade para um indivíduo funcionar normalmente, mas há maneiras de tratar e prevenir ou reduzir o desenvolvimento de traços.

Não espere ou hesite em pedir assistência médica de emergência para alguém que sofra um acidente vascular cerebral. Se haver suspeita, entre em contato imediatamente com a emergência. O tratamento rápido tem potencial para fazer uma grande diferença no resultado e na recuperação.

Duas causas principais de acidente vascular cerebral são coagulação em uma artéria que fornece sangue para o cérebro (acidente vascular cerebral isquêmico) e sangramento no tecido cerebral, muitas vezes por um defeito no vaso sanguíneo no cérebro (acidente vascular cerebral hemorrágico); mini-traços (TIA) são geralmente traços isquêmicos temporários que rapidamente se resolvem.

acidente vascular cerebral

Os acidentes vasculares cerebrais isquêmicos e hemorrágicos muitas vezes causam perdas permanentes, enquanto uma variante do tipo isquêmico de acidente vascular cerebral provoca perda de função transitória (denominada mini acidentes vasculares cerebrais ou ataques isquêmicos transitórios).

Os sintomas do acidente vascular cerebral incluem fraqueza no braço ou perna ou ambos em um lado do corpo, fraqueza nos músculos do rosto, problemas ao falar, problemas de coordenação, tonturas e/ou perda de consciência. Alguns indivíduos podem sofrer uma dor de cabeça súbita, mas a maioria dos pacientes não tem dor.

Diagnóstico do Acidente Vascular Cerebral

O acidente vascular cerebral é preliminarmente diagnosticado por profissionais de cuidados de saúde após uma história médica e um exame físico feito. No entanto, o trabalho de sangue é muitas vezes feito para descartar outras causas de sintomas. O estudo de imagem mais importante é a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética do cérebro.

O tratamento inicial do AVC é favorável; apenas o fator de plasminogênio tecidual (tPA) é aprovado para uso em várias condições para quebrar coágulos. O tratamento cirúrgico pode incluir recorte de aneurisma, remoção de sangue que está pressionando o cérebro e o uso de um cateter especial para remover coágulos de grandes artérias.

As chances de alguém ter um acidente vascular cerebral podem ser reduzidas com alguns hábitos, como verificar a pressão arterial e tratar a pressão arterial elevada, reduzir o colesterol alto, usar diluentes de sangue adequadamente caso você tenha batimentos cardíacos irregulares, como fibrilação atrial, não fumar e controlar o diabetes.

O prognóstico do acidente vascular cerebral é variável. Embora muitas pessoas se recuperem completamente após um acidente vascular cerebral, muitas outras podem demorar meses, anos ou sofrer danos permanentes, e cerca de 30% das pessoas morrem de seus acidentes vasculares cerebrais.

diagnóstico médico

Quando o suprimento de sangue para uma parte do cérebro é cortado ou muito diminuído, ocorre um acidente vascular cerebral. Se o suprimento de sangue for cortado por várias horas ou mais, as células do cérebro, sem suprimento de sangue suficiente, morrem.

Dependendo da quantidade de sangue envolvido e da localização da área de acidente vascular cerebral no cérebro, uma pessoa com acidente vascular cerebral pode mostrar muitos sinais e sintomas. Estes podem variar de dificuldades quase visíveis ao mover ou falar a paralisia ou à morte.

Ao longo dos últimos 15 anos, o tratamento do AVC mudou dramaticamente devido à disponibilidade de novos medicamentos, bem como a melhores modalidades de diagnóstico e tratamento. Hoje em dia, os tratamentos para o evento agudo, enquanto está acontecendo, estão disponíveis, o que faz reconhecer os traços e obter cuidados imediatos de importância crítica.

 O acidente vascular cerebral é uma das causas mais comuns de morte (após a doença cardíaca e o câncer). Os acidentes vasculares cerebrais ocorrem mais frequentemente em pessoas mais velhas, mas podem ocorrer em pessoas de todas as idades, incluindo crianças. Os afro-americanos estão em maior risco de acidente vascular cerebral do que os caucasianos. Os hispânicos têm um risco intermediário.

Um ataque isquêmico transitório (também conhecido como TIA ou mini-acidente vascular cerebral) é semelhante a um acidente vascular cerebral exceto que com TIA, os sintomas desaparecem completamente dentro de 24 horas. As pessoas que têm um TIA são muito propensas a ter um AVC no futuro próximo.

CÉREBRO

Causas do Acidente Vascular Cerebral

As duas principais causas de acidentes vasculares cerebrais são denominadas isquêmicas e hemorrágicas e envolvem vasos sanguíneos no cérebro. Os AVC isquêmicos compreendem cerca de 80% a 85% de todos os AVC. Com um acidente vascular cerebral isquêmico, um vaso sanguíneo no cérebro fica entupido com um coágulo, assim como as artérias obstruídas no coração. Com um acidente vascular cerebral hemorrágico, um vaso sanguíneo no cérebro realmente explode ou escapa. Os traços hemorrágicos tendem a ser mais sérios. A distinção entre estes dois tipos de acidente vascular cerebral pode ser crítica na determinação do tratamento utilizado para ajudar o paciente. O tipo de “terceiro” acidente vascular cerebral é considerado por alguns pesquisadores como um subtipo de AVC isquêmico é um TIA ou ataque isquêmico transitório (também chamado de mini-acidente vascular cerebral).

Os acidentes vasculares cerebrais isquêmicos ocorrem quando um vaso sanguíneo fica tão estreito ou entupido que o sangue não é suficiente para obter oxigênio e manter as células cerebrais vivas.

As placas (ou a acumulação de depósitos gordurosos contendo colesterol chamados de arteriosclerose) nas paredes dos vasos sanguíneos podem reduzir os vasos sanguíneos que fornecem ao cérebro. Estas placas se acumulam até o centro do vaso sanguíneo, impedindo a circulação do sangue. Muitas coisas, incluindo colesterol alto e pressão alta, causam placas. As placas podem ocorrer em pequenos vasos que fornecem apenas uma porção muito pequena do cérebro, mas também podem ocorrer nos grandes vasos sanguíneos do pescoço (carótidas) ou nas grandes artérias do cérebro (artérias cerebrais).

causas do AVC

Os acidentes vasculares cerebrais isquêmicos também podem ser causados ​​por pequenos coágulos sanguíneos ou embolias que atravessam a corrente sanguínea e depois ficam entupidos em uma artéria quando a artéria se estreita. Esses coágulos podem vir de pedaços de placas nas artérias maiores que se quebram ou de coágulos no coração. O tratamento ao AVC é projetado para quebrar ou se livrar do bloqueio.

Os acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos ocorrem quando a parede de um vaso sanguíneo torna-se fraca e o sangue escapa para o cérebro. Além de diminuir o fluxo sanguíneo após o vazamento, o sangue no cérebro danifica células cerebrais à medida que se decompõe. Se um monte de sangue escorrer, pode causar um acúmulo de pressão no cérebro, porque o cérebro é fechado no crânio. Não há espaço para expandir o tecido cerebral, e assim o sangue vazado pode comprimir e matar áreas importantes do cérebro.

Os derrames hemorrágicos tendem a ser mais graves do que os AVC isquêmicos. A morte ocorre em 30% a 50% das pessoas com esse tipo de acidente vascular cerebral. O tratamento é projetado para parar ou prevenir o sangramento no tecido cerebral.

Sintomas do Acidente Vascular Cerebral

Os sintomas de um acidente vascular cerebral dependem de qual parte do cérebro e quanto do tecido cerebral é afetado. Os sintomas do AVC geralmente ocorrem de repente – em minutos a uma hora. Geralmente, não há dor associada aos sintomas. Os sintomas podem ir e vir, ir totalmente, ou piorar ao longo de várias horas.

Se os sintomas desaparecem completamente em pouco tempo (menos de 24 horas), o episódio é chamado de ataque isquêmico transitório (TIA).

Um terço de todos os acidentes vasculares cerebrais ocorrem durante o sono, então as pessoas primeiro percebem os sintomas quando acordam. Esta situação torna difícil o tempo quando o acidente vascular cerebral realmente começou.

DORMIR

Oito sintomas comuns do AVC são:

Fraqueza no braço ou perna ou ambos do mesmo lado: isso pode variar de paralisia total a uma fraqueza muito leve. Um entorpecimento completo ou um sentimento de pinos e agulhas podem estar presentes em um lado do corpo ou parte de um lado do corpo.

Fraqueza nos músculos do rosto: o rosto pode cair ou parecer terrível. A fala pode ser complicada porque o paciente não consegue controlar o movimento de seus lábios ou língua.

Dificuldade em falar: o paciente não pode falar, a fala pode ser muito complicada, ou quando a pessoa fala, as palavras soam bem, mas não fazem sentido.

Problemas de coordenação: o paciente pode parecer não coordenado e tropeçar ou ter dificuldade em andar ou dificuldade em pegar objetos.

COORDENAÇÃO MOTORA

Tonturas: o paciente pode sentir-se bêbado ou tonto ou tem dificuldade para engolir.

Problemas de visão: o paciente pode desenvolver dificuldades na visão, como visão dupla, perda de visão periférica (lateral) ou cegueira. A visão turva por si só não é geralmente um sintoma de acidente vascular cerebral.

Súbita dor de cabeça: Uma súbita e severa dor de cabeça pode atacar o indivíduo.

Perda de consciência: o paciente pode tornar-se inconsciente ou difícil de despertar e pode morrer.

Quando Procurar Auxílio Médico

O AVC é uma emergência médica. Se você acha que está tendo um acidente vascular cerebral ou uma pessoa com você está tendo um acidente vascular cerebral, ligue imediatamente para a emergência e solicite uma ambulância e transporte para o departamento de emergência de um hospital. Não demore para fazer a ligação.

O médico toma uma história médica da pessoa que pode ter tido um acidente vascular cerebral e realiza um exame físico, que inclui a visão da pressão arterial e pulso, coração e pulmões, bem como um exame neurológico. O médico pode dizer o que está acontecendo simplesmente com o exame em mãos. Na maioria das vezes, no entanto, testes de laboratório e raios-X são pedidos. Estes podem ser direcionados para excluir outras causas do problema (como infecção ou açúcar no sangue muito baixo) ou testar o acidente vascular cerebral diretamente. Estes são testes importantes, pois ajudam a determinar o melhor tratamento a ser oferecido para ajudar o paciente e podem ajudar a distinguir entre um tipo de AVC e outras causas tratáveis ​​que podem produzir sintomas semelhantes a acidentes vasculares cerebrais.

saude do coração

Confira os principais testes para o diagnóstico do AVC:

  • Testes de laboratório: o trabalho de sangue para medir o açúcar no sangue, a função renal, sal, contagem de glóbulos brancos (sinal de infecção), hematócrito (busca de anemia) e outros exames que os médicos acham apropriados são feitos. Não há nenhum exame de sangue específico disponível ainda para detectar acidentes vasculares cerebrais.
  • Tomografia computadorizada: o estudo de imagem mais importante para o AVC é uma tomografia computadorizada da cabeça. Este estudo produz uma imagem tridimensional do cérebro. Nas áreas onde há um acidente vascular cerebral isquêmico, o cérebro pode parecer anormal. Sinais de inchaço também podem estar presentes. A maioria dos acidentes vasculares cerebrais, mesmo grandes, não aparece na tomografia computadorizada até 12 a 24 horas após o início dos sintomas. Os pequenos traços podem não ser visíveis. A tomografia computadorizada é, no entanto, boa na detecção de sangramento no cérebro. Uma tomografia computadorizada pode ajudar a descartar um acidente vascular cerebral hemorrágico.
  • Ressonância magnética: a ressonância magnética (MRI) fornece uma imagem mais detalhada e sensível do cérebro. Frequentemente é usada após a emergência aguda ou se a tomografia computadorizada original não é conclusiva.

RESSONANCIA MAGNETICA

  • Raios-X: o médico pode solicitar uma radiografia de tórax para garantir que não haja nada de errado com os pulmões do paciente (como câncer ou pneumonia) que possam estar causando os sintomas.
  • Outros testes comuns: testes comuns que são encomendados incluem um eletrocardiograma (ECG , EKG) para procurar irregularidades cardíacas e um exame de urina para procurar anormalidades e infecção renal. Um médico pode avaliar o estado mental e as habilidades do paciente fazendo perguntas simples, mas muito específicas, como em que ano estamos ou quem é o presidente do país.

O médico do departamento de emergência frequentemente consulta um neurologista ou membro de uma equipe de AVC para ajudar a decidir qual é o melhor tratamento. Às vezes, por causa da grande variedade de sintomas que um AVC pode apresentar e a falta de um único teste específico para AVC, tomar essa decisão sobre o tratamento pode ser difícil.

Este artigo foi útil?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...