Os neurotransmissores são substâncias químicas criadas pelo corpo que transmitem sinais (isto é, informações) de um neurônio para o próximo por meio de pontos de contato chamados sinapses. Quando isso acontece, a substância química é liberada pelas vesículas do neurônio pré-sináptico, atravessa o espaço sináptico e atua alterando o potencial de ação no neurônio pós-sináptico.

Existem diferentes tipos de neurotransmissores, cada um com funções diferentes. De fato, o estudo dessa classe de substâncias é fundamental para entender como a mente humana funciona.


Toda essa variedade de tarefas tem muitos neurônios para trás, coordenando uns com os outros para fazer as diferentes partes do cérebro funcionarem de forma coordenada, e para isso é necessário que eles tenham um modo de comunicação capaz de se adaptar a muitas situações.
O uso de diferentes tipos de neurotransmissores permite regular de diferentes maneiras a maneira pela qual um ou outro grupo de células nervosas é ativado. 

Por exemplo, uma determinada ocasião pode exigir que os níveis de serotonina diminuam e os níveis de dopamina aumentem, e isso terá uma consequência determinada no que acontece em nossa mente. Assim, a existência da ampla variedade de neurotransmissores permite que o sistema nervoso tenha uma ampla gama de comportamentos, o que é necessário para se adaptar a um ambiente em constante mudança. Mas quais são os neurotransmissores mais importantes no corpo humano e que funções eles executam? 

Serotonina

Algumas dessas substâncias só podem ser encontradas em certos tipos de células e têm funções muito específicas (muitas delas ainda precisam ser descobertas), mas outras atuam tanto no cérebro quanto fora dela. Este é o caso, por exemplo, da serotonina, também conhecida como 5-HT. 

O 5-HT está profundamente integrado no funcionamento do corpo humano e aprendendo com a memória todas as suas funções podem ser muito complexas. No entanto, neste resumo você pode conhecer seis dos principais efeitos que a serotonina tem no corpo humano.

Este neurotransmissor é sintetizado a partir de triptofano, um aminoácido que não é fabricado pelo corpo, por isso deve ser fornecido através da dieta. A serotonina (5-HT) é comumente conhecida como o hormônio da felicidade, porque os baixos níveis dessa substância estão associados à depressão e à obsessão.

Além de sua relação com o estado de espírito, a 5-HT desempenha diferentes funções dentro do organismo, dentre as quais destacam-se: seu papel fundamental na digestão, o controle da temperatura corporal, sua influência no desejo sexual ou seu papel na regulação do organismo. o ciclo de sono-vigília.

O excesso de serotonina pode causar um conjunto de sintomas de gravidade diferente.

Cérebro

Dopamina

A dopamina é conhecida como o neurotransmissor do prazer.

A dopamina, cuja fórmula química é C6H3 (OH) 2-CH2-CH2-NH2, e sua fórmula molecular C8H11NO2 é freqüentemente mencionada como a causa de sensações prazerosas e da sensação de relaxamento. No entanto, com a dopamina e o resto dos neurotransmissores, acontece algo que impede que essas situações sejam relacionadas a uma função muito específica: elas influenciam em maior ou menor extensão todo o funcionamento do cérebro em geral, em todos os aspectos emocionais, cognitivos e vitais. que são realizadas naquele momento. 

Isso significa que quando a dopamina ou qualquer outro neurotransmissor está ligado a estados emocionais ou processos mentais concretos, isso ocorre porque a aparência do último está relacionada a um aumento no nível de certos neurotransmissores em algumas áreas do cérebro ligadas a esse estado ou processo. em questão.

No caso da dopamina, entre as suas funções também encontramos a coordenação de certos movimentos musculares, a regulação da memória, os processos cognitivos associados à aprendizagem e até mesmo tem sido visto como tendo um papel importante na tomada de decisão. 

A comunidade científica concorda que a dopamina também está envolvida no complexo sistema cognitivo que nos permite sentir-nos motivados e curiosos sobre alguns aspectos da vida.

Adrenalina (epinefrina)

A adrenalina, também conhecida como epinefrina, é uma daquelas substâncias polivalentes que nosso corpo usa para regular diferentes processos corporais. É um hormônio, uma vez que viaja através do sangue para atingir diferentes áreas do corpo e cumprir sua tarefa nos cantos mais remotos do corpo, mas também é um neurotransmissor, o que significa que ele age como um intermediário na comunicação entre neurônios que é estabelecido nos espaços sinápticos. Abaixo você pode ler as principais características da adrenalina e as funções que ela cumpre em nosso cérebro e além.

A adrenalina é produzida pelo nosso corpo, especificamente nas glândulas supra-renais localizadas acima dos rins. No entanto, também pode ser sintetizado em laboratórios para criar medicamentos administrados em casos de emergência médica. O último, por si só, serve para nos dar uma ideia da importância da existência de uma substância como a adrenalina para o nosso organismo, que intervém em vários dos processos de sobrevivência mais básicos.

É verdade que a adrenalina cumpre muitas funções, mas isso não significa que não possamos reconhecer um padrão mais ou menos claro nos diferentes efeitos que ela tem sobre nós. Esse padrão pode ser resumido da seguinte forma: a adrenalina é o hormônio e o neurotransmissor das situações em que temos que estar alertas e ativados. Dito em outras palavras, a adrenalina nos predispõe a reagir rapidamente e nos prepara para tirar o máximo proveito de nossos músculos quando é necessário se mover com certa velocidade, seja por causa do perigo que corremos ou por nos encontrarmos em situações em que estamos Oferece a oportunidade de ganhar algo se formos ágeis o suficiente.

A adrenalina nos prepara para situações em que precisamos ser especialmente ativados fisicamente e psicologicamente. É por isso que se pode dizer que a adrenalina desencadeia mecanismos de sobrevivência que são postos em prática em situações de emergência, como aquelas em que o perigo é percebido ou deve ser reagido rapidamente.

A adrenalina não atua globalmente ativando nosso organismo, já que não existe uma única “mola” que nos coloque nesse estado de alerta. Em vez disso, ele vai para diferentes partes do corpo para produzir diferentes efeitos que, em sua interação um com o outro e com o restante das funções vitais, resultam em ativação.

Endorfina

As endorfinas são substâncias químicas produzidas pelo próprio corpo que, estruturalmente, são muito semelhantes a substâncias como o ópio, a morfina ou a heroína, mas sem efeitos nocivos para o nosso corpo. Acredita-se que a etimologia do termo Endorfinas, tenha sua origem nas palavras “endo” que significa dentro e “morfina” por causa dos efeitos que causa que são muito semelhantes aos Narcóticos. 

Estima-se que temos cerca de vinte tipos de Endorfinas distribuídas por todo o corpo, uma parte delas as encontramos na glândula pituitária e são responsáveis ​​pela comunicação neuronal. Esses produtos químicos produzem um efeito analgésico, por isso estimulam os centros de prazer do cérebro e criam momentos de grande satisfação que ajudam a eliminar o desconforto ou sensações dolorosas.

Quando sentimos algum tipo de dor, as endorfinas agem como um analgésico endógeno e nos ajudam a inibir a transmissão da dor ao cérebro.

As endorfinas são produzidas por várias sensações, podem ser causadas por dor ou estresse, elas também influenciam nosso apetite, a liberação de hormônios sexuais e até mesmo tem a ver com o fortalecimento do nosso sistema imunológico. Quando sentimos prazer por algo, essas substâncias se multiplicam e enviam mensagens para nosso cérebro, especificamente para nossos linfócitos e outras células, responsáveis ​​por nos defender de vírus e bactérias que poderiam atacar nosso corpo.

As endorfinas têm uma vida muito curta, pois são eliminadas por certas enzimas que o nosso corpo produz. É como uma medida para manter o equilíbrio do nosso corpo, mas sem esconder sinais de alarme ou sintomas mais fortes.

Há muitas maneiras de estimular a produção de endorfinas, seja com alimentos, exercícios ou com várias atividades, mas a verdade é que quando realizamos atividades prazerosas surge no organismo um fluxo maior desses hormônios, o que provoca uma mudança em nossa atitude e nossa humor melhora consideravelmente.

Acetilcolina

A acetilcolina é o neurotransmissor específico nos sistemas do sistema nervoso somático e nas sinapses ganglionares do sistema nervoso autônomo.

É uma substância química que permite a operação de um grande número de neurônios e, ao mesmo tempo, permite o desempenho de várias atividades cerebrais.

Foi o primeiro neurotransmissor isolado, conceituado e caracterizado pelo que, segundo muitos cientistas, é a substância “mais antiga” do cérebro.

A acetilcolina foi descrita farmacologicamente por Henry Hallet Delt em 1914 e posteriormente confirmada por Otto Loewi como um neurotransmissor.

A principal atividade da acetilcolina está no sistema colinérgico, o sistema responsável pela produção e síntese da acetilcolina.

Em relação aos seus efeitos mais importantes, destaca a contração muscular, movimento, processos digestivos e neuroendócrinos, e a ativação de processos cognitivos, como atenção e excitação.

O funcionamento desse neurotransmissor ocorre no cérebro dos mamíferos. A informação entre os neurônios é transmitida através de uma substância química chamada neurotransmissor.

Essa substância é liberada na sinapse em resposta a um estímulo específico e, após a liberação, transmite uma certa informação para o próximo neurônio.

O neurotransmissor que segrega atua em receptores especializados e altamente seletivos, dessa forma, como existem diferentes tipos de neurotransmissores, cada um deles atua em determinados sistemas.

Assim, um neurônio colinérgico pode produzir acetilcolina (mas não outros tipos de neurotransmissores), da mesma forma, um neurônio colinérgico pode produzir receptores específicos para a acetilcolina, mas não para outros tipos de neurotransmissores.

Assim, a troca de informações que a acetilcolina realiza é realizada em neurônios e certos sistemas e denominada colinérgica.

Para que a acetilcolina atue, é necessário um neurônio transmissor que produza essa substância e um neurônio receptor que produza um receptor colinérgico capaz de transportar acetilcolina quando é liberado do primeiro neurônio.

Glutamato

Possivelmente tem sido um dos neurotransmissores mais amplamente estudados no sistema nervoso. Nos últimos anos, seu estudo vem aumentando devido à sua relação com várias patologias neurodegenerativas (como a doença de Alzheimer), o que a tornou um poderoso alvo farmacológico em várias doenças.

Também deve ser mencionado que, dada a complexidade de seus receptores, este é um dos mais complicados neurotransmissores a serem estudados.

O processo de síntese do glutamato tem seu início no ciclo de Krebs, ou ciclo de ácidos tricarboxílicos. O ciclo de Krebs é uma via metabólica ou, para nós, uma sucessão de reações químicas para produzir respiração celular nas mitocôndrias. Um ciclo metabólico pode ser entendido como o mecanismo de um relógio, no qual cada engrenagem cumpre uma função e a simples falha de uma peça pode fazer com que o relógio estrague ou não marque bem o tempo. Os ciclos da bioquímica são os mesmos.

Uma molécula, por meio de reações enzimáticas contínuas – engrenagens de relógio – muda sua forma e composição com o objetivo de dar origem a uma função celular. O principal precursor do glutamato será o alfa-cetoglutarato, que receberá um grupo amino por transaminação para se tornar glutamato.

Também vale a pena mencionar outro precursor bastante significativo: a glutamina. Quando a célula libera o glutamato no espaço extracelular, os astrócitos – um tipo de célula glial – recuperam esse glutamato que, por meio de uma enzima chamada glutamina sintetase, se transformará em glutamina. Então, os astrócitos liberam a glutamina, que é recuperada novamente pelos neurônios para serem transformados novamente em glutamato. 

E possivelmente mais do que um perguntará o seguinte: E se eles tiverem que devolver a glutamina ao glutamato no neurônio, por que o astrócito transforma a glutamina em um pobre glutamato? Talvez seja que astrócitos e neurônios não concordem ou talvez a neurociência seja tão complicada. Em qualquer um dos casos, eu queria rever os astrócitos porque a colaboração deles representa 40% do volume de negócios do glutamato,

Existem outros precursores e outras vias através das quais o glutamato liberado no espaço extracelular é recuperado. Por exemplo, há neurônios que contêm um transportador de glutamato específico – EAAT1 / 2- que recupera diretamente o glutamato para o neurônio e permite que o sinal excitatório termine.

Classificação de Neurotransmissores

Os neurotransmissores podem ser classificados da seguinte forma:

Aminas: São neurotransmissores que derivam de aminoácidos diferentes, como o triptofano. Neste grupo estão: Norepinefrina, epinefrina, dopamina ou serotonina.

Aminoácidos: Ao contrário dos anteriores (que derivam de aminoácidos diferentes), estes são aminoácidos. Por exemplo: Glutamato, GABA, aspartato ou glicina.

Purinas: Pesquisas recentes indicam que purinas como ATP ou adenosina também atuam como mensageiros químicos.

Gases: O óxido nítrico é o principal neurotransmissor deste grupo.

Peptídeos: Peptídeos são amplamente distribuídos por todo o encéfalo. Por exemplo: endorfinas, dinorfinas e taquicininas.

Ésteres: Acetilcolina é encontrada neste grupo.

Obrigado por ler minha publicação, espero que tenham gostado.

Neurotransmissores: O que são, Tipos e Funções
2 (40%) 2 votos

Comente