Uma sinapse é o espaço entre dois neurônios que permite a comunicação neural ou a transmissão sináptica. As sinapses são encontradas em todo o corpo, não apenas localizadas no cérebro. Eles se projetam nos músculos para permitir a contração muscular, além de possibilitar uma infinidade de outras funções que o sistema nervoso cobre.

Pode ser útil familiarizar-se com o corpo celular e a estrutura e função dos neurônios ao compreender a sinapse.


Quais são as Partes das Sinapses?

Como uma sinapse é a lacuna entre dois neurônios, precisamos estabelecer qual neurônio envia os sinais e qual neurônio recebe esses sinais.

Partes de uma sinapse: o papel do neurônio pré-sináptico

O neurônio pré-sináptico é o neurônio que inicia o sinal. Em muitas sinapses do corpo, os neurônios pré-sinápticos são preenchidos com neurotransmissores. Quando o neurônio pré-sináptico é excitado por um potencial de ação, o sinal elétrico se propaga ao longo de seu axônio em direção ao terminal do axônio. Essa excitação sinaliza as vesículas no neurônio pré-sináptico, preenchidas com neurotransmissores, para se fundirem com a membrana do terminal do axônio. Essa fusão permite que os neurotransmissores sejam despejados na fenda sináptica.

Uma vez liberados os neurotransmissores, eles podem atuar nos receptores do neurônio pós-sináptico.

Partes de uma sinapse: o papel do neurônio pós-sináptico

O neurônio pós-sináptico é o neurônio que recebe o sinal. Esses sinais são recebidos pelos dendritos do neurônio. Quando há neurotransmissores presentes na sinapse, eles atravessam a lacuna para se ligarem a receptores no neurônio pós-sináptico. Quando um neurotransmissor se liga a um receptor no dendrito do neurônio pós-sináptico, ele pode desencadear um potencial de ação. Esse potencial de ação pode então ser propagado e influenciar a comunicação posterior.

Onde as Sinapses Estão Localizadas?

As sinapses são encontradas em todo o sistema nervoso. Elas permitem um pensamento complexo, movimento coordenado e a maioria de nossas funções básicas. As sinapses estão localizadas no cérebro e na medula espinhal, que compõem o sistema nervoso central, e no sistema nervoso periférico, que inclui projeções neurais nas células musculares.

Junção Neuromuscular

Um bom exemplo da localização das sinapses no corpo é a junção neuromuscular. Uma junção neuromuscular é composta por um neurônio motor e uma fibra muscular, que faz parte do sistema nervoso periférico. Neste caso, não há neurônio pós-sináptico, mas a fibra muscular possui uma área especializada que atua como sinônimo de como um neurônio pós-sináptico responderia. Essa área é chamada de placa motora e tem receptores que se ligam aos neurotransmissores liberados na sinapse.

Em uma junção neuromuscular, os neurônios pré-sinápticos liberam acetilcolina como neurotransmissor. Na junção neuromuscular, a acetilcolina excita a fibra muscular e causa contração muscular.

O neurônio pré-sináptico na junção neuromuscular precisava ser informado para liberar acetilcolina na sinapse. Isso não ocorre através da própria vontade do neurônio, mas sim através de uma série de outros neurônios se comunicando uns com os outros através de sinapses.

Quais são as Funções das Sinapses?

Foi estabelecido que as sinapses são importantes na comunicação neural, mas o que as sinapses realmente fazem? Como eles realmente permitem a comunicação neural e quem inicia a conversa?

Ao introduzir o papel do neurônio pré-sináptico acima, as qualidades excitantes de um potencial de ação foram mencionadas. Os potenciais de ação são a maneira pela qual os neurônios podem enviar informações que recebem pelos seus axônios e, esperançosamente, iniciar a continuação do sinal para outro neurônio. Esses potenciais de ação são criados por uma corrente despolarizante.

Potenciais de ação permitem que sinais elétricos sejam enviados pelo axônio de um neurônio, e então o sinal pode ser transmitido para os outros neurônios por uma sinapse. Como dito anteriormente, introduzindo o papel do neurônio pré-sináptico, os neurotransmissores são liberados na sinapse para que o sinal seja transmitido ao próximo neurônio. A liberação química é então recebida pelo neurônio pós-sináptico e então convertida novamente em um sinal elétrico para alcançar outros neurônios.

Embora nem todas as sinapses funcionem na liberação química ou neurotransmissora. Muitas sinapses no cérebro são puramente elétricas.

Quais são os Tipos de Sinapses?

No sistema nervoso existem dois tipos principais de sinapses: sinapses químicas e sinapses elétricas. Até agora, para simplificar e compreender os fundamentos de como funciona uma sinapse, apenas sinapses químicas foram discutidas. Isso levanta a questão: por que o sistema nervoso precisa de dois tipos de sinapses?

Sinapses Químicas

Sinapses químicas são qualquer tipo de sinapse que usa neurotransmissores para conduzir um impulso sobre o pequeno espaço entre os neurônios pré-sinápticos e pós-sinápticos. Esses tipos de sinapses não estão em contato físico entre si. Como a transmissão de um sinal depende da liberação de produtos químicos, um sinal só pode fluir em uma direção. Essa direção é descendente do pré-sináptico para o neurônio pós-sináptico. Como dito anteriormente, esses tipos de neurônios estão amplamente espalhados pelo corpo.

As substâncias químicas liberadas nesses tipos de formas de sinapses excitam o neurônio a seguir. Os neurotransmissores podem se ligar aos receptores do neurônio pós-sináptico e também ter um efeito inibitório. Quando a inibição ocorre, a propagação do sinal é impedida de viajar para outros neurônios.

As sinapses químicas são o tipo mais abundante de sinapse no corpo. Isso ocorre porque vários neurotransmissores e receptores são capazes de interpretar sinais em uma grande combinação. Por exemplo, uma combinação de neurotransmissores e receptores pode inibir um sinal em um neurônio pós-sináptico, mas excita uma grande quantidade de outros neurônios pós-sinápticos. As sinapses químicas permitem a flexibilidade de sinalização que possibilita que os humanos se envolvam em tarefas de alto nível. No entanto, essa flexibilidade tem um custo. As sinapses químicas têm um atraso devido à necessidade de o neurotransmissor se difundir através da sinapse e se ligar ao neurônio pós-sináptico. Esse atraso é muito pequeno, mas ainda é um ponto importante ao comparar os dois tipos de sinapses.

Sinapses Elétricas

Sinapses elétricas são tipos de sinapses que usam eletricidade para conduzir impulsos de um neurônio para outro. Essas sinapses estão em contato direto umas com as outras através de junções comunicantes. As junções de folga são pontes de baixa resistência que possibilitam a continuação de um potencial de ação para viajar de um neurônio pré-sináptico para um neurônio pós-sináptico.

Devido ao seu contato físico, as sinapses elétricas são capazes de enviar sinais em ambas as direções, ao contrário das sinapses químicas. Seu contato físico e o uso de eletricidade exclusiva possibilitam que as sinapses elétricas funcionem com extrema rapidez. A transmissão também é simples e eficiente nas sinapses elétricas porque o sinal não precisa ser convertido.

Outra diferença fundamental entre as sinapses químicas e elétricas é que as sinapses elétricas só podem ser excitatórias. Ser excitatório significa que uma sinapse elétrica só pode aumentar a probabilidade de um neurônio disparar um potencial de ação. Ao contrário de ser inibitório, o que significa que diminui a probabilidade de um neurônio disparar um potencial de ação. Isso só pode ser feito por neurotransmissores.

Apesar de ser extremamente rápido, esses tipos de sinais excitatórios não podem ser transportados em grandes extensões. As sinapses elétricas concentram-se principalmente em áreas cerebrais especializadas  onde há necessidade de ação muito rápida.

O melhor exemplo disso é a grande quantidade de sinapses elétricas na retina, a parte do olho que recebe luz. Visão e percepção visual são nossos sentidos dominantes, e nossos olhos estão constantemente recebendo informações sensoriais visuais. Essas informações também são executadas em um loop de feedback quando interagimos com nosso ambiente, o que significa que recebemos informações de nosso entorno e imediatamente criamos uma resposta apropriada para isso. É por isso que faz sentido que as sinapses elétricas sejam vistas em grande concentração aqui. A ação rápida, várias direções e eficientemente todos permitem a funcionalidade principal.

Sinapses na Neurociência

O entendimento das sinapses permite aos neurocientistas entender melhor como a comunicação dentro do cérebro funciona. Isto é extremamente importante quando se tenta decifrar causas e, eventualmente, desenvolver tratamentos para doenças e distúrbios neurológicos.

Saber sobre a função das sinapses não é apenas benéfico para os neurocientistas, é benéfico para qualquer pessoa com um cérebro! O aumento da densidade sináptica pode melhorar a qualidade de vida de qualquer pessoa, é essencialmente uma tática para tornar seu cérebro mais inteligente.

Métodos Naturais Para Aumentar as Sinapses

1. Reduza o estresse

Muito estresse, bem como longos períodos de estresse, podem ter impactos nocivos no corpo, especialmente no cérebro e no sistema nervoso. Ao reduzir o estresse, você está reduzindo a quantidade de cortisol que circula por todo o corpo. O cortisol é importante se você precisar superar um urso, mas níveis elevados em sua vida diária podem danificar as sinapses químicas em todo o corpo. Estresse e envelhecimento também estão intimamente relacionados, portanto, controlar seus níveis de estresse pode ajudá-lo a prevenir o envelhecimento precoce.

As sinapses químicas são suscetíveis à dessensibilização, o que ocorre quando concentrações anormalmente altas de um transmissor neural estão lutando para estimular um neurônio.

Estresse

2. Estimule o seu cérebro

É importante, em qualquer fase da vida, manter seu cérebro estimulado. Nossas sinapses desempenham um papel importante em manter nossos cérebros saudáveis ​​e ajudá-los a melhorar com o tempo, em vez de serem vítimas do declínio cognitivo natural que ocorre à medida que envelhecemos. Com o treinamento consistente e desafiador do cérebro, as sinapses funcionam para um desempenho melhor e mais eficiente, permitindo, em última análise, melhorar a função cognitiva que pode ter parecido perdida. Esta é a ideia por trás do cérebro ou da neuroplasticidade e é a base do programa da CogniFit.

O sistema de treinamento cerebral da CogniFit funciona adaptando os jogos e as tarefas ao nível cognitivo de cada usuário, garantindo que o cérebro, seus neurônios e todas as sinapses envolvidas estejam sendo treinados e desafiados da forma mais eficiente possível.

3. Exercício

O exercício é muito importante para manter o cérebro saudável. As pessoas muitas vezes ficam frustradas nas primeiras semanas de um novo regime de exercícios, quando as mudanças físicas ainda não são visíveis. Acontece que as primeiras mudanças do exercício regular são na verdade neurológicas, começando no cérebro. O exercício promove o crescimento do cérebro, aumentando os níveis de oxigênio no cérebro. O crescimento do cérebro começa primeiro no nível sináptico. 

Sinapses: Partes, Funções e Tipos de Sinapses
Vote nesse artigo

Comente