No geral, o sistema imunológico faz um trabalho notável de defesa contra micro-organismos causadores de doenças. Mas às vezes falha: um germe invade com sucesso e deixa você doente. É possível intervir nesse processo e impulsionar seu sistema imunológico? E se você melhorar sua dieta? Tome certas vitaminas ou preparações à base de plantas? Faça outras mudanças no estilo de vida, na esperança de produzir uma resposta imune quase perfeita?

Saúde

Como Fortalecer o Sistema Imunológico?

A ideia de aumentar a imunidade é estimulante, mas a capacidade de fazê-lo provou ser elusiva por várias razões. O sistema imunológico é precisamente isso – um sistema, não uma entidade única. Para funcionar bem, requer equilíbrio e harmonia. Ainda há muito que os pesquisadores não sabem sobre os meandros e interconectividade da resposta imune. Por enquanto, não há ligações diretas cientificamente comprovadas entre o estilo de vida e a função imunológica aprimorada.

Mas isso não significa que os efeitos do estilo de vida no sistema imunológico não sejam intrigantes e não devam ser estudados. Os pesquisadores estão explorando os efeitos da dieta, exercício, idade, estresse psicológico e outros fatores sobre a resposta imune, tanto em animais quanto em humanos. Enquanto isso, as estratégias gerais de vida saudável são uma boa maneira de começar a dar ao seu sistema imunológico a vantagem.

Saúde Íntima feminina

Adoptar estratégias de vida saudável

Sua primeira linha de defesa é escolher um estilo de vida saudável. Seguir as orientações gerais de boa saúde é o melhor passo que você pode dar para manter naturalmente seu sistema imunológico forte e saudável. Todas as partes do corpo, incluindo o sistema imunológico, funcionam melhor quando protegidas de agressões ambientais e reforçadas por estratégias de vida saudável como estas: 

  • Não fume.
  • Coma uma dieta rica em frutas e legumes.
  • Exercite-se regularmente.
  • Mantenha um peso saudável
  • Se você beber álcool, beba apenas com moderação
  • Durma adequadamente
  • Tome medidas para evitar infecções, como lavar as mãos com frequência e cozinhar carnes.
  • Tente minimizar o estresse.

Seja cético

Muitos produtos nas prateleiras das lojas afirmam aumentar ou apoiar a imunidade. Mas o conceito de aumentar a imunidade na verdade faz pouco sentido cientificamente. De fato, aumentar o número de células em seu corpo – células do sistema imunológico ou outras – não é necessariamente uma coisa boa. Por exemplo, atletas que se envolvem em “doping sanguíneo” – bombeando sangue em seus sistemas para aumentar o número de células sanguíneas e melhorar seu desempenho – correm o risco de derrames.

A tentativa de impulsionar as células do seu sistema imunológico é especialmente complicada porque existem tantos tipos diferentes de células no sistema imunológico que respondem a tantos micróbios diferentes de muitas maneiras. Quais células você deve aumentar e em que número? Até agora, os cientistas não sabem a resposta. O que se sabe é que o corpo está continuamente gerando células imunológicas. Certamente, produz muito mais linfócitos do que pode usar. As células extras se removem através de um processo natural de morte celular chamado apoptose – algumas antes de ver qualquer ação, algumas depois da batalha ser vencida. Ninguém sabe quantas células ou qual a melhor combinação de células que o sistema imunológico precisa para funcionar em seu nível ótimo.

Idade e imunidade

À medida que envelhecemos, nossa capacidade de resposta imunológica se torna reduzida, o que, por sua vez, contribui para mais infecções e mais câncer. Como a expectativa de vida nos países desenvolvidos aumentou, também aumentou a incidência de condições relacionadas à idade.

Enquanto algumas pessoas envelhecem de forma saudável, a conclusão de muitos estudos é que, em comparação com pessoas mais jovens, os idosos têm maior probabilidade de contrair doenças infecciosas e, ainda mais importante, mais propensos a morrer com elas. Infecções respiratórias, influenza e particularmente pneumonia são a principal causa de morte em pessoas com mais de 65 anos em todo o mundo. Ninguém sabe ao certo por que isso acontece, mas alguns cientistas observam que esse risco aumentado se correlaciona com uma diminuição das células T, possivelmente do timo atrofiando com a idade e produzindo menos células T para combater a infecção. A função do timo diminui a partir dos 1 anos; se esta diminuição na função do timo explica a queda nas células T ou se outras alterações desempenham um papel não é totalmente compreendido.

Uma redução na resposta imune a infecções foi demonstrada pela resposta das pessoas idosas às vacinas. Por exemplo, estudos de vacinas contra influenza mostraram que, para pessoas com mais de 65 anos, a vacina é muito menos eficaz em comparação com crianças saudáveis ​​(acima de 2 anos). Mas, apesar da redução na eficácia, as vacinas contra influenza e S. pneumoniae diminuíram significativamente as taxas de doença e morte em pessoas idosas quando comparadas com a não-vacinação.

Parece haver uma conexão entre nutrição e imunidade nos idosos. Uma forma de desnutrição que é surpreendentemente comum até mesmo em países ricos é conhecida como “desnutrição de micronutrientes”. A desnutrição de micronutrientes, em que uma pessoa é deficiente em algumas vitaminas essenciais e minerais que são obtidos ou suplementados por dieta, pode ser comum em idosos. As pessoas mais velhas tendem a comer menos e muitas vezes têm menos variedade em suas dietas. Uma questão importante é se os suplementos dietéticos podem ajudar os idosos a manter um sistema imunológico mais saudável. As pessoas idosas devem discutir essa questão com um médico que seja bem versado em nutrição geriátrica, porque enquanto algumas suplementações dietéticas podem ser benéficas para pessoas mais velhas, até mesmo pequenas mudanças podem ter sérias repercussões nessa faixa etária.

quanto a dieta?

Como qualquer força de combate, o exército do sistema imunológico marcha em seu estômago. Guerreiros do sistema imunológico saudáveis ​​precisam de boa nutrição regular. Os cientistas há muito reconhecem que as pessoas que vivem na pobreza e são desnutridas são mais vulneráveis ​​a doenças infecciosas. 

Se o aumento da taxa de doença é causado pelo efeito da desnutrição no sistema imunológico, não é certo. Ainda existem relativamente poucos estudos sobre os efeitos da nutrição no sistema imunológico dos seres humanos, e ainda menos estudos que ligam os efeitos da nutrição diretamente ao desenvolvimento (versus o tratamento) de doenças.

Alimentos saudáveis

Existem algumas evidências de que várias deficiências de micronutrientes – por exemplo, deficiências de zinco, selênio, ferro, cobre, ácido fólico e vitaminas A, B6, C e E – alteram as respostas imunes em animais, conforme medido no tubo de ensaio. No entanto, o impacto dessas alterações no sistema imunológico sobre a saúde dos animais é menos claro, e o efeito de deficiências semelhantes na resposta imune humana ainda não foi avaliado. Mas a pesquisa nesta fase é promissora, pelo menos para alguns dos micronutrientes.

Então o que você pode fazer? Se você suspeitar que sua dieta não está suprindo todas as suas necessidades de micronutrientes – talvez, por exemplo, você não gosta de verduras – tomar um suplemento vitamínico e mineral diário pode trazer outros benefícios para a saúde, além de quaisquer possíveis efeitos benéficos no sistema imunológico. Tomar megadoses de uma única vitamina não. Mais não é necessariamente melhor. Pesquisadores estão investigando o potencial imunoestimulante de vários nutrientes diferentes.

Complexo Vitamínico

Ervas e outros suplementos

Entre em uma loja e você encontrará frascos de pílulas e preparações à base de plantas que alegam “apoiar a imunidade” ou estimular a saúde do sistema imunológico. Embora algumas preparações tenham sido encontradas para alterar alguns componentes da função imunológica, até o momento não há evidências de que elas realmente reforcem a imunidade até o ponto em que você esteja melhor protegido contra infecções e doenças. Demonstrar se uma erva – ou qualquer substância, no que diz respeito ao assunto – pode aumentar a imunidade é, até agora, uma questão altamente complicada. Os cientistas não sabem, por exemplo, se uma erva que parece aumentar os níveis de anticorpos no sangue está realmente fazendo algo benéfico para a imunidade geral.

A conexão de tensão

A medicina moderna, que uma vez tratou a conexão entre as emoções e a saúde física com o ceticismo, passou a apreciar a relação intimamente ligada entre mente e corpo. Uma ampla variedade de doenças, incluindo problemas estomacais, urticária e até doenças cardíacas, estão ligadas aos efeitos do estresse emocional. Apesar dos desafios, os cientistas estão estudando ativamente a relação entre estresse e função imunológica.

Por um lado, o estresse é difícil de definir. O que pode parecer uma situação estressante para uma pessoa não é para outra. Quando as pessoas são expostas a situações que consideram estressantes, é difícil medir o estresse que sentem e é difícil para o cientista saber se a impressão subjetiva da pessoa sobre a quantidade de estresse é exata. O cientista só pode medir coisas que possam refletir o estresse, como o número de vezes que o coração bate a cada minuto, mas essas medidas também podem refletir outros fatores.

A maioria dos cientistas que estudam a relação entre estresse e função imunológica, no entanto, não estuda um estressor súbito e de curta duração; em vez disso, eles tentam estudar estressores mais constantes e frequentes, conhecidos como estresse crônico, como aqueles causados ​​por relacionamentos com familiares, amigos e colegas de trabalho, ou desafios sustentados para um bom desempenho no trabalho. Alguns cientistas estão investigando se o estresse contínuo afeta o sistema imunológico.

Mas é difícil realizar o que os cientistas chamam de “experimentos controlados” em seres humanos. Em um experimento controlado, o cientista pode alterar um e apenas um fator, como a quantidade de um determinado produto químico, e então medir o efeito dessa mudança em algum outro fenômeno mensurável, como a quantidade de anticorpos produzidos por um tipo particular de célula do sistema imunológico quando é exposta ao produto químico. Em um animal vivo, e especialmente em um ser humano, esse tipo de controle simplesmente não é possível, já que há tantas outras coisas acontecendo com o animal ou a pessoa no momento em que as medidas estão sendo tomadas.

Apesar dessas dificuldades inevitáveis ​​em medir a relação do estresse com a imunidade, os cientistas estão progredindo.

o que é Sistema Imunológico e Como Fortalecer?
4.7 (93.33%) 3 votos


Comente