O Que é Alzheimer e Como é Seu Tratamento?

Alzheimer

Existem muitas coisas em nossas vidas que nós podemos perder. A nossa identidade, nossos próprios pensamentos, nossas lembranças. Por isso a doença de Alzheimer é tão terrível e, além disse, complexa de ser tratada. Mas o que é Alzheimer e como é seu tratamento?

Infelizmente é improvável que qualquer droga ou outra intervenção tenha algum sucesso na cura para o Alzheimer, contudo os medicamentos atuais se concentram em ajudar as pessoas a manter a função mental, gerenciar sintomas comportamentais e retardar ou atrasar os sintomas da doença para que seja possível, dessa forma, tratar as pessoas que foram diagnosticadas com doença de Alzheimer de forma a proporcionar conforto, dignidade e independência por um longo período de tempo e possam incentivar e ajudar seus cuidadores também.

A maioria dos medicamentos, assim como no tratamento de outras doenças, funciona melhor para as pessoas que estejam passando pelos estágios iniciais ou intermediários da doença de Alzheimer. Por exemplo, eles podem evitar que a perda de memória piore ao longo do tempo. É importante entender que nenhum desses medicamentos interrompe a própria doença, mas é igualmente importante que nós conheçamos bem a doença e seus sintomas para que possamos entender como lidar bem com a situação e proporcionar o melhor conforto possível para as pessoas que passam por este tipo de problema. Para isso explanaremos abaixo sobre alguns temas que poderão ajudar nesta não tão fácil tarefa.

Alzheimer

Tratamento para Alzheimer leve a moderada

Medicamentos chamados inibidores da colinesterase são prescritos para doença de Alzheimer leve a moderada. Essas drogas podem ajudar a atrasar ou evitar que os sintomas pioram por um tempo limitado e podem ajudar a controlar alguns sintomas comportamentais. Os medicamentos são:

  • Razadyne® (galantamina)
  • Exelon® (rivastigmina)
  • Aricept® (donepezil).

Os cientistas ainda não entendem completamente como os inibidores da colinesterase trabalham para tratar a doença de Alzheimer, mas pesquisas indicam que eles impedem a quebra de acetilcolina, um químico cerebral que se acredita ser importante para a memória e o pensamento. À medida que a doença de Alzheimer progride, o cérebro produz menos e menos acetilcolina; portanto, os inibidores da colinesterase podem eventualmente perder seu efeito.

Nenhum estudo publicado compara diretamente essas drogas. Porque eles funcionam de forma semelhante, mudar de uma dessas drogas para outra provavelmente não produzirá resultados significativamente diferentes. No entanto, um paciente de Alzheimer pode responder melhor a um medicamento do que outro.

o que é alzheimer

Tratamento para doença de Alzheimer de moderada a grave

Um medicamento conhecido como Namenda® (memantina), um antagonista de N-metil D-aspartato (NMDA), é prescrito para tratar a doença de Alzheimer de moderada a grave. O efeito principal desta droga é retardar a progressão de alguns dos sintomas da doença de Alzheimer de moderada a grave. Pode permitir que os pacientes mantenham certas funções diárias um pouco mais do que fariam sem a medicação. Por exemplo, Namenda® pode ajudar um paciente nos estágios posteriores da doença a manter sua capacidade de usar o banheiro independentemente por vários meses, um benefício para pacientes e cuidadores.

Sabe-se que Namenda® trabalha regulando o glutamato, um químico cerebral importante. Quando produzido em quantidades excessivas, o glutamato pode levar à morte de células cerebrais. Como os antagonistas de NMDA funcionam de forma muito diferente dos inibidores da colinesterase, os dois tipos de drogas podem ser prescritos em combinação.

Efeitos colaterais

Médicos geralmente iniciam pacientes com baixas doses de medicamentos e aumentam gradualmente a dosagem com base em quão bem um paciente tolera o medicamento. Há algumas evidências de que certos pacientes podem se beneficiar de doses mais elevadas dos inibidores da colinesterase. No entanto, quanto maior a dose, os efeitos colaterais mais prováveis ​​ocorrerão.

Os pacientes devem ser monitorados quando um medicamento é iniciado. Todos esses medicamentos têm possíveis efeitos colaterais, incluindo:

  • Náuseas
  • Vômitos
  • Diarreia
  • Perda de apetite

Informe imediatamente os sintomas incomuns ao médico. É importante seguir as instruções do médico ao tomar qualquer medicamento, incluindo vitaminas e suplementos de ervas. Além disso, informe o médico antes de adicionar ou alterar qualquer medicamento.

tratamentos para alzheimer

Comportamento de Gerenciamento

Os sintomas comportamentais comuns da doença de Alzheimer incluem:

  • Insônia
  • Agitação
  • Ansiedade
  • Agressão
  • Agitação
  • Depressão

Os cientistas estão aprendendo por que esses sintomas ocorrem e estão estudando novos tratamentos – drogas e drogas – para gerenciá-los. A pesquisa mostrou que o tratamento de sintomas comportamentais pode tornar as pessoas com Alzheimer mais confortável e facilitar as coisas para cuidadores.

Exemplos de medicamentos usados ​​para ajudar com depressão, agressão, agitação e ansiedade incluem:

  • Celexa® (citalopram)
  • Remeron® (mirtazapina)
  • Zoloft® (sertralina)
  • Wellbutrin® (bupropion)
  • Cymbalta® (duloxetina)
  • Tofranil® (imipramina)

Os especialistas concordam que medicamentos para tratar esses problemas de comportamento devem ser usados ​​somente depois que outras estratégias que não usam medicamentos foram testadas.

Mal de Alzheimer

Medique-se com precaução

Existem alguns medicamentos, como ajudas para o sono, medicamentos anti-ansiedade, anticonvulsivantes e antipsicóticos, que uma pessoa com doença de Alzheimer deve tomar apenas:

  • Depois que o médico explicou todos os riscos e efeitos colaterais do medicamento
  • Depois de outras, opções mais seguras de não medicação não ajudaram a tratar o problema

As ajudas ao sono são usadas para ajudar as pessoas a dormir e ficar dormindo. Pessoas com doença de Alzheimer NÃO DEVEM usar essas drogas regularmente porque elas tornam a pessoa mais confusa e mais provável que caia. Exemplos desses medicamentos incluem:

  • Ambien® (zolpidem)
  • Lunesta® (eszopiclone)
  • Sonata® (zaleplon)

Os medicamentos anti-ansiedade são usados ​​para tratar a agitação. Essas drogas podem causar sonolência, tonturas, quedas e confusão. Por esse motivo, os médicos recomendam a sua utilização apenas por curtos períodos de tempo. Exemplos desses medicamentos incluem:

  • Ativan® (lorazepam)
  • Klonopin® (clonazepam)

Anticonvulsivantes são drogas às vezes usadas para tratar agressões severas. Os efeitos secundários podem causar sonolência, tonturas, mudanças de humor e confusão. Exemplos desses medicamentos incluem:

  • Depakote® (valproato de sódio)
  • Tegretol® (carbamazepina)
  • Trileptal® (oxcarbazepina)

Antipsicóticos são drogas usadas para tratar paranoia, alucinações, agitação e agressão . Os efeitos secundários do uso dessas drogas podem ser graves, incluindo o aumento do risco de morte em algumas pessoas mais velhas com demência. Eles só devem ser administrados a pessoas com doença de Alzheimer quando o médico concorda que os sintomas são graves. Exemplos desses medicamentos incluem:

  • Risperdal® (risperidona)
  • Seroquel® (quetiapina)
  • Zyprexa® (olanzapina)

sintomas do alzheimer

Novos tratamentos

A investigação da doença de Alzheimer desenvolveu-se até um ponto em que os cientistas podem olhar além do tratamento de sintomas para pensar em abordar os processos de doenças subjacentes. Em ensaios clínicos em curso, os cientistas estão desenvolvendo e testando várias intervenções possíveis, incluindo terapia de imunização, terapias medicamentosas, treinamento cognitivo, atividade física e tratamentos para doenças cardiovasculares e diabetes.

Este artigo foi útil?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...