Arritmia Cardíaca

O que é Arritmia Cardíaca?

A arritmia cardíaca é qualquer taxa ou ritmo cardíaco anormal.Em adultos normais, o coração bate regularmente a uma taxa de 60 a 100 vezes por minuto. E o pulso (sentiu no pulso, no pescoço ou em outro lugar) combina as contrações das duas câmaras inferiores poderosas do coração, chamadas de ventrículos. As duas câmaras superiores do coração, chamadas de átrio, também se contraem para ajudar a preencher os ventrículos. Mas essa contração mais suave ocorre logo antes da contração do ventrículo, e não é sentida no pulso.


Em circunstâncias normais, o sinal para um batimento cardíaco vem do nó sinusal do coração. É o marca-passo natural localizado na parte superior do átrio direito. Do nó sinusal, o sinal do batimento cardíaco viaja para o nó atrioventricular ou “nó AV”, que está localizado entre os átrios. Em seguida, o sinal viaja através do pacote de His (pronunciado HISS). É constituída por uma série de fibras musculares modificadas localizadas entre os ventrículos. O sinal entra nos músculos dos ventrículos. Isso faz com que os ventrículos se contratem e produzam batimentos cardíacos.

As arritmias cardíacas às vezes são classificadas de acordo com sua origem como arritmias ventriculares (originárias dos ventrículos) ou arritmias supraventriculares (originárias de áreas cardíacas acima dos ventrículos, tipicamente os átrios). Eles também podem ser classificados de acordo com seu efeito na freqüência cardíaca, com bradicardia indicando uma freqüência cardíaca inferior a 60 batimentos por minuto e taquicardia, indicando uma freqüência cardíaca de mais de 100 batimentos por minuto.

Quais são os Tipos de Arritmia Cardíaca?

Alguns tipos comuns de arritmias cardíacas incluem:

  • Disfunção do nó sinusal – Isso geralmente causa uma freqüência cardíaca lenta (bradicardia), com uma freqüência cardíaca de 50 batimentos por minuto ou menos. A causa mais comum é o tecido cicatricial que desenvolve e eventualmente substitui o nó sinusal. Por que isso acontece não é conhecido. A disfunção do nó sinusal também pode ser causada por doença arterial coronária, hipotireoidismo, doença hepática grave, hipotermia, febre tifóide ou outras condições. Também pode ser o resultado de hipertonia vasovagal, um nervo vago inusitadamente ativo.
  • Taquiarritmias supraventriculares – Esta família diversificada de arritmias cardíacas causa batimentos cardíacos rápidos (taquicardias) que começam em partes do coração acima dos ventrículos. Na maioria dos casos, o problema é uma anormalidade no nó AV ou uma via anormal que ignora a rota típica dos sinais de batimento cardíaco.
  • Fibrilação atrial – Esta é uma arritmia supraventricular que causa batimentos cardíacos rápidos e irregulares, durante os quais a agulha ou a “fibrilação” das auroras em vez de bater normalmente. Durante a fibrilação atrial, os sinais de batimento cardíaco começam em muitos locais diferentes nos átrios, em vez de no nó sinusal.Embora esses sinais anormais consigam disparar de 300 a 500 contrações por minuto dentro dos átrios, o número extraordinariamente elevado de sinais de batimento cardíaco supera o nó AV. Como resultado, o nó AV envia sinais esporádicos e irregulares aos ventrículos, causando batimentos cardíacos irregulares e geralmente rápidos de 100 a 180 batimentos por minuto. Mas a taxa ventricular pode ser mais lenta.O batimento cardíaco desordenado de fibrilação atrial não pode bombear o sangue para fora do coração de forma eficiente. Isso faz com que o sangue se acumule nas câmaras cardíacas e aumenta o risco de formação de coágulos sanguíneos no coração. Os principais fatores de risco para a fibrilação atrial são idade, pressão alta, anormalidades valvares cardíacas, diabetes e insuficiência cardíaca.

  • Bloco AV ou bloqueio cardíaco – Nesta família de arritmias, há algum problema ao conduzir o sinal do batimento cardíaco do nó sinusal para os ventrículos. Existem três graus de bloqueio AV:
    • Bloco AV de primeiro grau, onde o sinal passa, mas pode demorar mais do que o normal para viajar do nó sinusal para os ventrículos
    • Bloco AV de segundo grau, no qual alguns sinais de pulsação são perdidos entre os átrios e os ventrículos
    • Bloco AV de terceiro grau, no qual nenhum sinal atinge os ventrículos, de modo que os ventrículos batem lentamente por conta própria sem direção de cima

    Algumas causas do bloqueio AV incluem cardiomiopatia, doença arterial coronariana e medicamentos como betabloqueadores e digoxina.

    • Taquicardia ventricular (VT) – Este é um ritmo cardíaco anormal que começa no ventrículo direito ou esquerdo. Pode durar alguns segundos (VT não sustentado) ou por muitos minutos ou mesmo horas (TV sustentada). O VT sustentado é um ritmo perigoso e, se não for tratado, geralmente avança para a fibrilação ventricular.
    • Fibrilação ventricular – Nesta arritmia, os ventrículos tremem ineficazmente, não produzem batimentos cardíacos reais. O resultado é inconsciência, com dano cerebral e morte em poucos minutos. A fibrilação ventricular é uma emergência cardíaca. A fibrilação ventricular pode ser causada por ataque cardíaco, acidente elétrico, raio ou afogamento.

Quais são os Sintomas da Arritmia Cardíaca?

Os sintomas da arritmia cardíaca incluem:

  • Disfunção do nó sinusal – Pode não haver sintomas, ou pode causar tonturas, desmaie e fadiga extrema.
  • Taquiarritmias supraventriculares – Estas podem causar palpitações (consciência de batimentos cardíacos rápidos), baixa pressão arterial e desmaie-se.
  • Fibrilação atrial – Às vezes, não há sintomas. Isso pode causar palpitações; desmaie; tontura; fraqueza; falta de ar; e angina, que é dor torácica causada por um menor suprimento de sangue no músculo cardíaco. Algumas pessoas com fibrilação atrial alternam entre os batimentos cardíacos irregulares e longos períodos de batimentos cardíacos completamente normais.
  • Bloco AV ou bloqueio cardíaco – O bloqueio AV de primeiro grau não causa sintomas. O bloqueio AV de segundo grau causa um pulso irregular ou pulso lento. O bloqueio AV de terceiro grau pode causar batimentos cardíacos muito lentos, tonturas e desmaios.
  • VT – VT não sustentada pode não causar nenhum sintoma ou provocar uma vibração leve no peito. O VT sustentado geralmente causa vertigem ou perda de consciência e pode ser letal.
  • Fibrilação ventricular – Isso causa pulso ausente, inconsciência e morte.

Diagnóstico da Arritmia Cardíaca

Seu médico perguntará sobre sua história familiar de doença arterial coronariana, arritmias cardíacas, feitiços de desmaie ou morte súbita por problemas cardíacos. O seu médico também irá rever o seu histórico médico pessoal, incluindo quaisquer possíveis fatores de risco para arritmias cardíacas (como doença arterial coronária, cardiomiopatia, distúrbios da tireoide e medicamentos). Você será solicitado a descrever seus sintomas cardíacos específicos, incluindo possíveis disparadores para esses sintomas.

Durante o exame físico, seu médico verificará sua freqüência cardíaca e ritmo, juntamente com seus pulsos. Isso ocorre porque certas arritmias cardíacas causam uma falta de correspondência do pulso e o coração soa. O seu médico também irá verificar se há sinais físicos de um coração aumentado e de murmúrios cardíacos, um sinal de um problema de válvula cardíaca.

Um teste chamado eletrocardiograma muitas vezes pode confirmar o diagnóstico de uma arritmia cardíaca. No entanto, como as arritmias cardíacas podem ir e vir, um eletrocardiograma único pode ser normal. Se for esse o caso, um eletrocardiograma ambulatório pode ser necessário. Durante um eletrocardiograma  ambulatorial, o paciente usa uma máquina de eletrocardiograma portátil chamada monitor Holter, geralmente por 24 horas, mas às vezes muito mais tempo. Você será ensinado a pressionar um botão para gravar a leitura de eletrocardiograma sempre que você sentir sintomas. Esta abordagem é especialmente útil se seus sintomas forem infrequentes.

Quando um paciente tem fibrilação ventricular, é uma emergência. O paciente está inconsciente, não respira e não tem pulso. Se disponível, a cardioversão elétrica deve ser administrada o mais rápido possível. Se não estiver disponível, a ressuscitação cardiopulmonar (CPR) deve ser iniciada.

arritmia cardiaca

O tratamento da arritmia cardíaca depende da sua causa:

  • Disfunção do nó sinusal – Em pessoas com sintomas frequentes e graves, o tratamento usual é um pacemaker permanente.
  • Taquiarritmias supraventriculares – O tratamento específico depende da causa da arritmia. Em algumas pessoas, massagear o seio carotídeo no pescoço irá parar o problema. Outras pessoas precisam de medicamentos como beta-bloqueadores, bloqueadores dos canais de cálcio, digoxina ( Lanoxin ) e amiodarona ( Cordarone ). Alguns pacientes respondem apenas a um procedimento chamado ablação de cateter de radiofreqüência, que destrói uma área de tecido no nódulo AV para evitar que o excesso de impulsos elétricos seja passado dos átrios para os ventrículos.
  • Fibrilação atrial – A fibrilação atrial resultante de uma tireoide hiperativa pode ser tratada com medicamentos ou cirurgia. A fibrilação resultante da valvulação mitral ou aórtica pode ser tratada através da substituição de válvulas cardíacas danificadas. Medicamentos, como beta-bloqueadores (por exemplo atenolol e metoprolol ), amiodarona, diltiazem ( Cardizem, Tiazac ) ou verapamil(Calan, Isoptin, Verelan), pode ser usado para diminuir a frequência cardíaca. Drogas como a amiodarona podem ser usadas para reduzir as chances de a fibrilação atrial retornar. Outras opções de tratamento incluem ablação por cateter de radiofrequência ou cardioversão elétrica, um procedimento que entrega um choque elétrico temporizado ao coração para restaurar o ritmo cardíaco normal.
  • Bloco AV – O bloqueio AV de primeiro grau geralmente não requer nenhum tratamento. As pessoas com bloqueio AV de segundo grau podem ser monitoradas com freqüentes EKGs, especialmente se não apresentam sintomas e têm uma freqüência cardíaca adequada às suas atividades diárias. Alguns pacientes com bloqueio cardíaco de segundo grau podem exigir marcapassos permanentes. O bloqueio AV de terceiro grau é quase sempre tratado com um marca-passos permanente.
  • VT – VT não sustentada pode não precisar ser tratada se não houver danos estruturais no coração. O VT sustentado sempre precisa de tratamento, seja com medicação intravenosa ou choque elétrico de emergência (desfibrilação), que pode restaurar o ritmo normal do coração.
  • Fibrilação ventricular – Isto é tratado com desfibrilação, dando ao coração um choque elétrico medido para restaurar o ritmo normal. O choque elétrico pode ser entregue na pele sobre o coração em uma situação de emergência. As pessoas que sobreviveram à fibrilação ventricular e as de alto risco são potenciais candidatos para um desfibrilador cardioversor automático implantável. O dispositivo é semelhante a um marca-passo, com fios ligados ao coração que conectam uma fonte de energia colocada sob a pele. O procedimento é feito na sala de operações.

Como Prevenir a Arritmia Cardíaca?

As arritmias cardíacas que resultam da doença arterial coronariana podem ser evitadas tomando as seguintes medidas para modificar seus fatores de risco:

  • Coma uma dieta saudável do coração, incluindo comer uma abundância de vegetais e frutas, peixes e fontes de plantas para proteínas e evitar gorduras saturadas e trans.
  • Controle seu colesterol e pressão arterial elevada.
  • Parar de fumar.
  • Controle seu peso.
  • Faça exercícios regulares.

As arritmias cardíacas relacionadas aos medicamentos podem ser minimizadas, verificando com um profissional de saúde ou farmacêutico sobre possíveis interações medicamentosas. Você pode ter que mudar para outro medicamento ou reduzir a dose de um problema de medicação. A fibrilação ventricular resultante de choque elétrico pode ser evitada seguindo as precauções de segurança de rotina em torno de fios vivos e buscando abrigo durante tempestades elétricas.

Nem todas as arritmias cardíacas podem ser prevenidas.

cigarro

Arritmia Cardíaca: o que é, Sintomas, Tratamento, Tem Cura?
5 (100%) 2 votos

Comente