O que é Um Eletrocardiograma (ECG)?

Acredito que qualquer um de nós já tenhamos assistidos inúmeros filmes tanto na televisão quanto no cinema, por isso tenho certeza de que em pelo menos um desses filmes você deva ter visto a utilização de um eletrocardiograma.

Para aqueles que ainda não se lembram, o eletrocardiograma é aquele gráfico que fica emitindo pequenos barulhos, similares a um “bip”, gráfico este que é usado rotineiramente para avaliar as funções elétricas e musculares do coração. Embora seja um teste relativamente simples, a interpretação do traçado de ECG requer quantidades significativas de treinamento. Numerosos livros didáticos são dedicados ao assunto.

O coração é uma bomba elétrica de dois estágios e a atividade elétrica do coração pode ser medida por eletrodos colocados na pele. O eletrocardiograma pode medir a taxa e ritmo do batimento cardíaco, bem como pode fornecer evidências indiretas do fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco.

Um sistema padronizado foi desenvolvido para a colocação de eletrodos para um ECG de rotina. Dez eletrodos são necessários para produzir 12 vistas elétricas do coração. Um eletrodo, ou patch, é colocado em cada braço e perna e seis são colocados na parede torácica. Os sinais recebidos de cada eletrodo são registrados. A visão impressa dessas gravações é o eletrocardiograma.

Por comparação, um monitor cardíaco requer apenas três eletrodos – um no braço direito, braço esquerdo e peito esquerdo. Mede apenas a taxa e o ritmo do batimento cardíaco. Esse tipo de monitoramento não constitui um ECG completo.

Para que serve um Eletrocardiograma?

O ECG é usado para avaliar a função cardíaca. Os pacientes que se queixam de dortorácica ou falta de ar geralmente têm um ECG como um dos primeiros testes para ajudar a determinar se há infarto agudo do miocárdio ou ataque cardíaco. Mesmo se não houver um ataque cardíaco, o ECG pode ajudar a decidir se a dor é causada por angina ou estreitamento dos vasos sanguíneos no músculo cardíaco (aterosclerose). É importante perceber que um ECG inicial pode ser normal, mesmo se houver doença cardíaca presente. EKGs seriais podem ser necessários ao longo do tempo para encontrar uma anormalidade.

Os ECGs geralmente são realizados quando um paciente se queixa de tontura, palpitações ou síncope (desmaio), já que a frequência cardíaca e os ritmos anormais podem afetar a capacidade do coração de bombear sangue e fornecer oxigênio ao corpo.

Como é Feito o Exame de Eletrocardiograma?

Interpretar um ECG requer uma boa quantidade de educação e experiência. Numerosos livros-texto são dedicados à interpretação do ECG. O ECG é apenas um teste para avaliar o coração. A história e o exame físico continuam sendo as pedras angulares para o diagnóstico de doenças cardíacas. A discussão entre médico e paciente pode revelar o potencial de problemas cardíacos mesmo que o ECG seja normal.

Na maioria das vezes, a avaliação do ECG inclui o seguinte:

  • Determinação da taxa,
  • Avaliação do ritmo,
  • Avaliação dos padrões de condução elétrica. Músculo cardíaco que é irritado conduz eletricidade de forma diferente do músculo do coração que é normal. A condução anormal pode ser aparente durante a contração ventricular e durante a recuperação ventricular.

O ECG registra o traçado cardíaco em 12 derivações: seis derivações de membros (I, II, III, AVR, AVL, FAV) e seis derivações de caixa torácica (V1-V6).

A onda P olha para os átrios. O complexo QRS olha para os ventrículos e a onda T avalia o estágio de recuperação dos ventrículos enquanto eles estão se enchendo de sangue.

O tempo que a eletricidade leva para ir do nó SA para o nó AV é medido pelo intervalo PR. O intervalo QRS mede o tempo de viagem elétrico através dos ventrículos e o intervalo QT mede quanto tempo leva para os ventrículos se recuperarem e se prepararem para bater novamente.

Sequência básica de onda P-QRS-T: Faixa mostra uma sequência simples em que M é igual a 1,0 milivolts.

Os computadores embutidos na maioria das máquinas de ECG são capazes de medir o tempo que leva para o impulso elétrico viajar do nó SA para os ventrículos. Essas medidas podem ajudar o médico a avaliar a frequência cardíaca e alguns tipos de bloqueio cardíaco.

Programas de computador também podem tentar interpretar o ECG. E, à medida que a inteligência artificial e a programação melhoram, elas geralmente estão corretas. No entanto, há sutilezas suficientes na interpretação de que o elemento humano ainda é uma parte muito importante da avaliação. A máquina de ECG nem sempre está correta.

A decisão de agir com base nos resultados de um ECG depende não apenas do traçado do ECG, mas também da situação clínica. Um ECG normal não exclui doença cardíaca e um ECG anormal pode ser a linha de base “normal” para esse paciente.

Eletrocardiograma (ECG): o que é, Para que Serve e Como é Feito o Exame
5 (100%) 1 voto


Comente