Na maioria das pessoas, os rins têm problemas para manter o excesso de sódio na corrente sanguínea. À medida que o sódio se acumula, o corpo se detém na água para diluir o sódio. Isso aumenta tanto a quantidade de células circundantes do fluido quanto o volume de sangue na corrente sanguínea. Aumento do volume sanguíneo significa mais trabalho para o coração e mais pressão sobre os vasos sanguíneos. Ao longo do tempo, o trabalho extra e a pressão podem endurecer os vasos sanguíneos, levando a hipertensão arterial, ataque cardíaco e acidente vascular cerebral. Também pode levar à insuficiência cardíaca. Há também algumas evidências de que muito sal pode danificar o coração, aorta e rins sem aumentar a pressão arterial, e também pode ser ruim para os ossos.

A pressão arterial elevada é a principal causa de doença cardiovascular. Isso representa dois terços de todos os acidentes vasculares cerebrais e metade da doença cardíaca. Na China, a pressão arterial elevada é a principal causa de morte evitável, responsável por mais de um milhão de mortes por ano.

 A importância do potássio

O sódio e o potássio têm efeitos opostos sobre a saúde do coração: alta ingestão de sal aumenta a pressão arterial, o que pode levar a doença cardíaca, enquanto a alta ingestão de potássio pode ajudar a relaxar os vasos sanguíneos e excretar o sódio e diminuir a pressão arterial.

Nossos corpos precisam de muito mais potássio do que o sódio todos os dias, mas a dieta típica dos EUA é exatamente o contrário: os americanos medem cerca de 3.300 miligramas de sódio por dia, cerca de 75 por cento dos quais provêm de alimentos processados, enquanto apenas recebem cerca de 2.900 miligramas de potássio cada dia.


Um estudo recente em Archives of Internal Medicine fornece mais evidências de que dietas com alto teor de sal tem efeitos negativos sobre a saúde e descobriu que:

As pessoas que comem dietas ricas em sódio e baixo teor de potássio têm maior risco de morrer em um ataque cardíaco ou por qualquer causa.

As pessoas podem fazer uma mudança dietética chave para ajudar a reduzir o risco: coma mais legumes e frutas frescas, que são naturalmente altas em potássio e baixas em sódio – e comem menos pão, queijo e carne processada, pois estes e outros alimentos processados ​​são altos Em sódio e baixo em potássio.

Neste estudo, as pessoas com maior consumo de sódio apresentaram um risco 20 por cento maior de morte por qualquer causa do que as pessoas com menor consumo de sódio. As pessoas com maior consumo de potássio apresentaram um risco 20% menor de morrer do que as pessoas com a menor ingestão. Mas o que pode ser ainda mais importante para a saúde é a relação do sódio com o potássio na dieta: as pessoas com maior proporção de sódio em potássio em suas dietas tiveram o dobro do risco de morrer de um ataque cardíaco do que as pessoas com a proporção mais baixa e Eles tinham um risco 50% maior de morte por qualquer causa.

Doença cardiovascular

Além de contribuir para a pressão arterial alta, o consumo de grandes quantidades de sódio também pode levar a AVC, doença cardíaca e insuficiência cardíaca.

A pesquisa também mostra que a redução do teor de sódio reduz as doenças cardiovasculares e as taxas de mortalidade a longo prazo.

 embutidos e sal

3 estudos-chave sobre doenças do sódio e cardiovasculares:

  1. Intersalt: na década de 1980, pesquisadores mediram a quantidade de sódio excretada em um período de 24 horas (um bom suporte para consumo de sal) entre mais de 10 mil adultos de 32 países. A média era de quase 4.000 miligramas de sódio por dia. No entanto, o alcance era enorme, de 200 miligramas por dia entre o povo Yanomamo do Brasil para 10 mil miligramas no norte do Japão.

Populações com maior consumo de sal apresentaram maior pressão arterial média e maiores aumentos das pressões sanguíneas com a idade. Quatro grupos de pessoas – os quatro países com ingestão de sal sob 1.300 miligramas por dia – apresentaram baixas pressões sanguíneas médias e pouca ou nenhuma tendência ascendente de pressão arterial com a idade.

  1. TOHP: Dois Ensaios de Prevenção da Hipertensão (TOHP) foram realizados no final da década de 1980 e no início dos anos 90. Eles testaram o impacto das mudanças de estilo de vida na pressão arterial, incluindo perda de peso, gerenciamento de estresse, suplementos nutricionais e consumo de menos sódio. Em cada um dos estudos, pequenas diminuições na pressão arterial foram observadas com redução de sódio nos 18 a 36 meses que duraram os ensaios. Anos após a conclusão dos ensaios, os pesquisadores pesquisaram os participantes e descobriram que:

Após uma média de 10 a 15 anos, os participantes do TOHP nos grupos de redução de sódio apresentaram 25% menos probabilidades de terem sofrido um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, necessitaram de um procedimento para abrir ou contornar uma artéria coronária entupida pelo colesterol ou para Morreram de doença cardiovascular.

Quanto maior a proporção de potássio para sódio na dieta de um participante, menor as chances de desenvolver problemas cardiovasculares. Isso sugere que uma estratégia que inclui o aumento do potássio e a redução do sódio pode ser a maneira mais eficaz de combater a pressão arterial elevada.

  1. DASH: Os ensaios dietéticos para parar a hipertensão (DASH), iniciados em 1994, foram grandes avanços na pesquisa da pressão arterial, demonstrando os vínculos entre dieta e pressão arterial. No primeiro estudo, 459 participantes foram aleatoriamente designados para uma dieta americana padrão alta em carne vermelha e açúcares e baixa em fibra; Uma dieta similar que era mais rica em frutas e vegetais; Ou a “dieta DASH”, que enfatizava frutas, vegetais e alimentos lácteos com baixo teor de gordura, e carne vermelha limpa, gorduras saturadas e doces. Após oito semanas, as dietas não controladas reduziram a pressão arterial sistólica (o número superior de uma pressão arterial) e diastólica (a parte inferior da pressão arterial), com a dieta DASH produzindo um efeito mais forte.

O segundo estudo descobriu que a redução do sódio na dieta americana DASH ou padrão teve um impacto ainda maior na redução da pressão arterial. O estudo DASH contribuiu com grande parte da base científica para as Directrizes Dietéticas para os Americanos 2010, que recomenda reduzir o diário de sódio a menos de uma colher de chá.

sal em excesso

Outras doenças

Câncer

A pesquisa mostra que uma maior ingestão de sal, sódio ou alimentos salgados está ligada a um aumento no câncer de estômago. O World Cancer Research Fund e o American Institute for Cancer Research concluíram que o sal, bem como alimentos salgados e salgados, são uma “causa provável de câncer de estômago”.

Osteoporose

A quantidade de cálcio que o corpo perde através da micção aumenta com a quantidade de sal que você come. Se o cálcio é escasso no sangue, ele pode ser lixiviado para fora dos ossos. Assim, uma dieta rica em sódio poderia ter um efeito indesejável adicional – a doença de desprendimento ósseo conhecida como osteoporose. Um estudo em mulheres pós-menopáusicas mostrou que a perda de densidade óssea do quadril ao longo de dois anos estava relacionada à excreção urinária de sódio de 24 horas no início do estudo e que a conexão com perda óssea era tão forte quanto a Para consumo de cálcio. Outros estudos mostraram que a redução da ingestão de sal provoca um equilíbrio de cálcio positivo, sugerindo que reduzir a ingestão de sal pode retardar a perda de cálcio do osso que ocorre com o envelhecimento.

Os Problemas com o Excesso de Sal

Os Problemas com o Excesso de Sal
5 (100%) 2 votos
RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

Comente