A dismenorreia pode ser traduzida literalmente como “fluxo mensal difícil”. Embora seja normal que a maioria das mulheres tenha câimbras abdominais leves no primeiro dia ou dois do período menstrual, cerca de 10% das mulheres apresentam dor intensa.

Existem dois tipos de dismenorréia:

  • A dismenorréia primária é a dor menstrual que não é um sintoma de um distúrbio ginecológico subjacente, mas está relacionada ao processo normal da menstruação. A dismenorréia primária é o tipo mais comum de dismenorréia, afetando mais de 50% das mulheres, e bastante severa em cerca de 10%. A dismenorréia primária é mais comum no final da adolescência e início dos 20 anos. Felizmente para muitas mulheres, o problema diminui à medida que amadurecem, especialmente após uma gravidez. Embora possa ser doloroso e às vezes debilitante por breves períodos de tempo, não é prejudicial.
  • A dismenorréia secundária é a dor menstrual que geralmente está relacionada a algum tipo de distúrbio ginecológico. A maioria desses distúrbios pode ser facilmente tratada com medicamentos ou cirurgia. A dismenorréia secundária tem maior probabilidade de afetar as mulheres durante a vida adulta.

Quais são as Principais Causas da Dismenorreia?

Acredita-se que a dismenorréia primária seja causada por níveis excessivos de prostaglandinas, hormônios que fazem seu útero se contrair durante a menstruação e o parto. A dor resulta da liberação desses hormônios quando o revestimento ( endométrio ) é descartado durante o período menstrual. Isto leva a contração do útero e diminuição do fluxo sanguíneo para o útero.

Fatores que podem piorar ainda mais a dor da dismenorréia primária incluem um útero que se inclina para trás (útero retrovertido) em vez de para frente; períodos menstruais mais longos, mais pesados ​​ou irregulares; falta de exercício; estresse psicológico ou social; fumar; beber álcool; estar acima do peso; história familiar de dismenorréia; e começar a menstruar antes dos 12 anos.

A dismenorréia secundária pode ser causada por uma série de condições, incluindo:

  • miomas – tumores benignos que se desenvolvem dentro da parede uterina ou estão ligados a ela
  • adenomiose – o tecido que reveste o útero (chamado endométrio) começa a crescer dentro de suas paredes musculares
  • uma infecção sexualmente transmissível (DST)
  • endometriose – fragmentos do revestimento endometrial que são encontrados em outros órgãos pélvicos
  • doença inflamatória pélvica (DIP), que é principalmente uma infecção das tubas uterinas, mas também pode afetar os ovários, o útero e o colo do útero
  • um cisto ou tumor ovariano
  • o uso de um dispositivo intrauterino (DIU), um método de controle de natalidade

Quais são os Sintomas da Dismenorreia? E as Possíveis Complicações?

O principal sintoma da dismenorreia é a dor. Ocorre em seu baixo-ventre durante a menstruação e também pode ser sentida em seus quadris, parte inferior das costas ou coxas. Outros sintomas podem incluir náuseas, vômitos, diarréia, tontura, dor de cabeça ou fadiga.

Para a maioria das mulheres, a dor geralmente começa pouco antes ou no início do período menstrual, atinge o pico em torno de 24 horas após o início do sangramento e desaparece após 2 a 3 dias. Às vezes, coágulos ou pedaços de tecido sanguíneo do revestimento do útero são expelidos do útero, causando dor.

A dor na dismenorreia pode ser espasmódica (cãibras pélvicas pronunciadas no início do fluxo menstrual) ou congestiva (dor profunda e sem brilho). Os sintomas da dismenorreia secundária geralmente começam mais cedo no ciclo menstrual do que os da dismenorréia primária, e geralmente duram mais.

Em 5% a 15% das mulheres com dismenorreia primária, a dor é grave o suficiente para perturbar suas atividades diárias e pode resultar em perda de trabalho ou escola. 

Como Funciona o Diagnóstico da Dismenorreia?

Se você tiver períodos dolorosos, consulte o seu médico para saber se você pode ter um distúrbio subjacente que esteja causando dismenorreia secundária. Você pode fazer um exame pélvico, e seu sangue e urina podem ser testados.

Um médico também pode querer usar ultra-som para obter uma imagem de seus órgãos internos ou até mesmo usar a técnica de laparoscopia para um exame direto em seu útero.

Como Funcionam o Tratamento e Prevenção da Dismenorreia?

Seu médico pode prescrever medicamentos ou outros remédios, dependendo da causa da dismenorreia.

A dismenorréia primária é geralmente tratada com medicação, como uma medicação analgésica. Muitas mulheres encontram alívio com antiinflamatórios não-esteróides (AINEs), como ibuprofeno e naproxeno. *

Alguns médicos podem prescrever medicamentos hormonais. Os contraceptivos orais também podem ajudar a reduzir a gravidade dos sintomas. Náuseas e vômitos podem ser aliviados com uma medicação anti-náusea (antiemética), mas esses sintomas geralmente desaparecem sem tratamento quando as cãibras diminuem. A contracepção implantável e os DIUs de progesterona, que liberam níveis baixos do hormônio progesterona, também foram encontrados para ajudar a diminuir a dor.

As mulheres que não respondem após três meses de tratamento com AINEs e contraceptivos hormonais podem apresentar dismenorreia secundária. O tratamento da dismenorreia secundária varia com a causa subjacente. A laparoscopia diagnóstica, outros tratamentos hormonais ou o teste de estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) são os próximos passos possíveis. Cirurgia pode ser feita para remover miomas ou para alargar o canal cervical se for muito estreito.

Além do acima, outros tratamentos não medicinais para a dor da dismenorreia incluem:

  • segurando uma almofada de aquecimento ou uma garrafa de água quente no abdômen ou parte inferior das costas
  • tomando um banho morno
  • fazer exercícios leves como alongamento, caminhada ou ciclismo – o exercício pode melhorar o fluxo sanguíneo e reduzir a dor pélvica
  • descansando bastante e evitando situações estressantes à medida que seu período se aproxima
  • ioga

Você também pode querer considerar terapias alternativas, como hipnose, medicamentos fitoterápicos ou acupuntura. Seja cauteloso com medicamentos à base de plantas. Eles podem ser “naturais”, mas não necessariamente seguros ou livres de efeitos colaterais. Eles também podem interagir com outros medicamentos que você pode tomar. Verifique com seu médico ou farmacêutico antes de tentar qualquer medicação à base de plantas.


* Todos os medicamentos têm nomes comuns (genéricos) e de marca. O nome da marca é o que um fabricante específico chama de produto (por exemplo, Tylenol®). O nome comum é o nome médico da medicação (por exemplo, paracetamol). Um medicamento pode ter muitos nomes de marca, mas apenas um nome comum. Este artigo lista medicamentos por seus nomes comuns. Para obter informações sobre um determinado medicamento, consulte nosso banco de dados de informações sobre medicamentos. Para mais informações sobre nomes de marcas, fale com o seu médico ou farmacêutico.

O Que é Dismenorreia e Quais são os Sintomas
Vote nesse artigo


Comente