Alimentação na Infância

Olá pais de primeira viagem, poderia dizer que este texto é apenas para vocês, mas estaria mentindo. Chocante, não?

Acredito que tal afirmação poderá incomodar algumas pessoas, afinal quem não se dedicaria ao máximo para o bem estar de seus filhos, não é mesmo? Mas existe uma pequena diferença entre se dedicar ao máximo e saber exatamente o que fazer.

Não saber o que fazer?! Talvez essa seja mais uma afirmação que não agrade a muitos, mas tenha calma, pois este artigo explicará o motivo.

Acredite ou não, é um motivo simples. Nós estamos tão habituados a nos alimentar e pensar na importância dos alimentos para os adultos, que mal percebemos que existe uma diferença entre os alimentos que são importantes para os adultos e os alimentos que são importantes para as crianças. Talvez ainda tenha soado um pouco confuso, por isso preparamos uma lista com algumas verdades e mitos sobre a alimentação na infância que podem ajudar a entender melhor o que estou explicando. Bom, vamos lá!

Mito 1: as crianças precisam de carne vermelha para prevenir a anemia

A deficiência de ferro é um risco maior entre crianças muito pequenas: 9% das crianças pequenas entre as idades de 1 e 2 são deficientes em ferro. Esse número cai para cerca de 3% para crianças de 3 a 5 e 2% para crianças de 6 a 11 anos. Os mais jovens podem certamente obter bastante ferro de sua dieta sem consumir carne vermelha – boas notícias, porque muitos são vegetarianos naturais e a carne pode ser difícil para as crianças pequenas mastigar. Embora a carne vermelha contenha uma forma facilmente absorvida de ferro, sua criança pode satisfazer suas necessidades minerais comendo cereais e pães fortificados, frutas secas, como passas, espinafre, melaço, feijão, lentilhas, ovos, certos peixes e a carne escura de aves de capoeira.

Crianças com menos de 10 anos devem receber pelo menos dez miligramas de ferro por dia – uma quantidade que é facilmente cumprida com duas pequenas caixas de passas (dois miligramas). Se você ainda pensa que seu filho não está recebendo o suficiente, fale com seu pediatra sobre um suplemento multivitamínico com ferro.

Mito 2: Uma criança que ignora vegetais perderá as principais vitaminas e minerais

Muitas crianças evitam vegetais e ainda estão bem. Um dos motivos é que eles desenvolveram uma afinidade por frutos saborosos, que podem ser um bom substituto nutricional, enquanto as crianças lentamente aprendem a apreciar (ou pelo menos tolerar) verdes como brócolis e espinafres. As frutas são comparáveis ​​em conteúdo de vitaminas e fibras. Pense em termos de cinco porções totais por dia, seja de frutas ou vegetais.

Se o seu filho não vai tocar cenouras, por exemplo, ofereça damascos e melão para compensar a vitamina A e carotenoides que ele sentiria falta. Morangos ou laranjas podem suportar espinafres para ajudar a atender as necessidades de ácido fólico. As bananas são uma boa alternativa para as batatas como fonte de potássio, e as frutas cítricas podem substituir o brócolis para cobrir os requisitos de vitamina C. Mas, mesmo que seu filho não coma regularmente vegetais, é importante continuar oferecendo. Os vegetais são embalados com não só vitaminas e minerais importantes, mas também fitoquímicos favoráveis ​​à saúde. Eventualmente, ele irá aceitá-los.

Mito 3: os produtos lácteos tornam o resfriado de uma criança pior

Não é verdade que os produtos lácteos aumentam a produção de muco ou engrossam secreções nasais. O vírus do resfriado em si causa produção de muco no nariz e nas costas da garganta. Os produtos lácteos simplesmente cobrem o revestimento da parte de trás da garganta, tornando-se engraçado. Você pode continuar a oferecer ao seu filho leite ou outros produtos lácteos quando está doente com um resfriado. Se ela não beber leite, não se preocupe. Simplesmente dê seus outros líquidos – água, suco ou sopa de frango – até sentir-se melhor. Mesmo que ela não tenha muito apetite.

Mito 4: para prevenir a obesidade, você deve limitar a ingestão de gordura no início

Bebês precisam de cerca de 40 por cento de suas calorias diárias de gordura porque seus cérebros e corpos estão se desenvolvendo rapidamente. O crescente cérebro tem requisitos muito especiais para ácidos graxos e outros componentes da gordura.

É por isso que a maioria dos especialistas recomenda que as crianças com menos de 2 bebam leite inteiro em vez de passar desnatado. As crianças mais velhas ainda precisam de ácidos graxos essenciais na sua dieta para uma pele saudável, crescimento adequado, produção de hormônios sexuais e absorção de vitaminas, mas após a idade de 2 anos, é suficiente obter 30 por cento de suas calorias diárias de gordura.

A gordura nos alimentos também ajuda as crianças a sentirem-se cheias, então, se você restringir demais a ingestão de gordura do seu filho, ele provavelmente irá comer demais para compensar. É melhor ensinar seu filho a integrar todos os tipos de alimentos em uma dieta saudável.

Mito 5: o açúcar torna as crianças hiperativas

Estudos não encontraram esse efeito nas crianças. Na verdade, os animais de laboratório que alimentam dietas com alto teor de açúcar tornam-se menos ativos. De onde veio esse mito? É possível que, quando um pai vê uma criança se tornar enérgica depois de consumir doces como chocolate ou refrigerante, ambos com cafeína, o estimulante pode ser o culpado negligenciado por trás da hiperatividade de uma criança.

Mito 6: você deve estar atento ao iniciar alimentos para prevenir alergias

As alergias alimentares não são tão comuns quanto as pessoas acreditam. Quase um em cada três pais pensa que seu filho tem alergias alimentares, mas apenas 6 a 8 por cento das crianças realmente fazem. As alergias alimentares ocorrem quando o sistema imunológico ataca os alimentos de outra forma inofensivos e causa uma reação como urticária, eczema, vômito, diarreia ou, em casos extremos, anafilaxia. E embora os pais culpem frequentemente tais reações em uma longa lista de alimentos comestíveis, a realidade é que o leite, ovos, amendoim, nozes (como cajus e nozes), trigo, soja, peixe e marisco representam 90% de todas as alergias alimentares. Se você suspeita que o seu filho é alérgico, discuta as prováveis ​​causas com seu pediatra, quem pode solicitar testes ou encaminhá-lo a um especialista.

Mito 7: O leite é necessário para ossos fortes

O leite é uma das melhores fontes de cálcio, mas se o seu filho não beber, ela ainda pode obter quantidades adequadas do construtor de osso de outros alimentos. Estes incluem iogurte, queijo, leite de soja fortificado com cálcio, brócolis, tofu, vegetais escuros e frutíferos e suco 100 por cento fortificado com cálcio (como laranja). O que mais importa é que seu filho atenda a ingestão diária recomendada: 500 miligramas de cálcio por dia para crianças de 1 a 3 anos; 800 miligramas para crianças de 4 a 8 anos; e 1.300 miligramas para crianças de 9 anos ou mais.

Mito 8: Quando seu filho está doente, não force a alimentação

Você nunca deve reter o alimento de uma criança, dizem os médicos. Seu filho precisa de todos os nutrientes e fluidos que ele consegue para lutar contra uma infecção. Mas se ele não está comendo refeições completas, não se preocupe. As crianças doentes devem ter permissão para comer o que sentem e ouvir seus corpos. É mais importante para eles obterem uma abundância de líquidos – preferencialmente fluidos contendo carboidratos como Pedialyte para crianças e sucos mais jovens ou refrigerantes planos para crianças mais velhas – para evitar a desidratação. Eles vão fazer calorias muito rapidamente quando estiverem sentindo Melhor.

Mito 9: o suco é um extintor de sede saudável

Embora 100 por cento de suco de fruta seja definitivamente mais nutritivo do que o refrigerante, não deve ser a única bebida que seu filho alcança quando está com sede. Devido ao alto teor de açúcares do suco, beber uma quantidade excessiva pode danificar os dentes ou causar dor de estômago em bebês. Os nutricionistas geralmente recomendam limitar o consumo de suco de uma criança a cerca de 4 a 6 onças por dia; crianças mais velhas devem tentar não beber mais do que cerca de 12 onças por dia. “Ofereça suco como um deleite, não é um solucionador de sede. A água é uma escolha melhor quando seu filho está com sede.

Mito 10: o pão branco não tem nutrientes

O pão feito com farinha de trigo integral ainda é a escolha ideal. Seu alto teor de fibra ajuda a prevenir constipação, doenças cardíacas, hipertensão arterial e diabetes. Mas isso não significa que o pão branco é nutricionalmente falido: muitas vezes é enriquecido com ferro e vitaminas do tipo B como niacina, ácido fólico, tiamina e riboflavina. Então, se seus filhos não comem pão integral, é bom para servir branco. Eles podem fazer a fibra em outros lugares – com uma porção extra de frutas, por exemplo.

Alimentação na Infância: O que Saber
5 (100%) 1 voto


Comente