O que é Difteria?

A difteria é uma doença infecciosa causada pela bactéria Corynebacterium e está mais freqüentemente associada à dor de gargantafebre e ao desenvolvimento de uma membrana aderente nas amígdalas e / ou nasofaringe. Infecções graves podem afetar outros sistemas orgânicos, como o coração e o sistema nervoso. Além disso, alguns pacientes com difteria também podem ter infecções de pele. A exotoxina produzida pelas bactérias é um componente importante que causa os sintomas mais graves da difteria.

A difteria tem infectado seres humanos há séculos. Hipócrates produziu a primeira descrição documentada da difteria no quinto século aC. A doença tem sido líder em causar a morte, especialmente em crianças, por muitos séculos. As bactérias foram identificadas pela primeira vez na década de 1880 por F. Loffler. Na década de 1890, as exotoxinas foram descobertas. A primeira vacina contra o toxóide da difteria foi produzida na década de 1920. Os programas de vacinação diminuíram a incidência da difteria em todo o mundo, no entanto, quando as taxas de vacinação caem, as taxas de infecção da difteria aumentam e, ocasionalmente, ocorrem surtos graves da doença. Por exemplo, na década de 1990, uma epidemia na Rússia causou cerca de 5.000 mortes de acordo com as estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e, de 1993 a 2003, a Letônia registrou 101 mortes por difteria.

Quais são os Principais Sinais e Sintomas da Difteria?

Inicialmente, os sintomas da difteria podem ser semelhantes a uma infecção respiratória superior viral, mas os sintomas pioram em cerca de dois a cinco dias. Os sintomas podem incluir: 

  • uma dor de garganta 
  • febre
  • dificuldade em engolir 
  • fraqueza 
  • rouquidão 
  • dor de cabeça 
  • linfonodos aumentados que produzem um pescoço espesso ou “touro” (parecido com a caxumba)
  • tosse 
  • dificuldade ao respirar

Conforme a doença progride, uma membrana aderente (pseudomembrana) pode começar a cobrir as tonsilas, a faringe e / ou os tecidos nasais. Se não tratada, a pseudomembrana pode se estender para a laringe e traqueia e obstruir a via aérea; isso pode levar à morte.

Os sintomas da difteria cutânea incluem lesões avermelhadas iniciais que são dolorosas e que podem evoluir para úlceras não cicatrizantes. Algumas úlceras podem ser cobertas por uma membrana de cor cinza.

Quais são as Causas da Difteria?

A causa da difteria é uma espécie bacteriana chamada Corynebacterium diphtheriae, um bacilo gram-positivo que geralmente produz exotoxinas. Existem quatro principais cepas  (biótipos) de C. diphtheriae: gravis, intermedius, mitis e belfanti. A estirpe denominada intermédia está mais frequentemente associada à produção de exotoxina, apesar de todas as três estirpes serem capazes de produzir exotoxina. Os organismos invadem facilmente o tecido que reveste a garganta e, durante essa invasão, produzem exotoxinas que destroem o tecido e levam ao desenvolvimento de uma pseudomembrana. Cepas não produtoras de toxinas e outras espécies de Corynebacterium, como C. ulceransainda pode causar infecção, mas a infecção é menos grave e às vezes permanece apenas na pele (infecção cutânea).

Quais são os Fatores de Risco da Difteria?

Como os portadores humanos ou indivíduos sintomáticos são o principal reservatório para a infecção, situações como superlotação (dormitórios, moradia institucional, más condições de vida), imunização incompleta e pessoas imunocomprometidas correm maior risco de contrair difteria. A difteria é transmitida por inalação de gotículas no ar ou pelo contato direto com pacientes infectados por secreções mucosas ou ulcerações da pele. Algumas pessoas podem transportar as bactérias em seus tratos respiratórios (chamadas de portadores), mas não apresentam doença. No entanto, esses indivíduos ainda podem transmitir os organismos para indivíduos não infectados.

Como é Feito o Diagnóstico da Difteria?

O diagnóstico preliminar da difteria geralmente é feito a partir da história do paciente, do exame físico e da presença de formação de pseudomembrana na garganta. A confirmação é baseada no isolamento do organismo de amostras de esfregaço retiradas da garganta ou de lesões cutâneas. No entanto, como a difteria pode ser letal, o CDC recomenda tratamento imediato se houver suspeita de difteria; não espere pela confirmação laboratorial.

Como o Tratamento Para Difteria é Feito?

Existem duas estratégias de tratamento que são usadas para pacientes diagnosticados com difteria. Ambos são mais eficazes quando utilizados no início do processo da doença. O primeiro tratamento é antibiótico. O CDC recomenda a eritromicina como terapia de primeira linha para pacientes com mais de 6 meses de idade. Para pacientes que são mais jovens ou que não podem tomar eritromicina, o CDC recomenda penicilina intramuscular. Os pacientes geralmente tornam-se não infecciosos após cerca de 48 horas de tratamento antibiótico e devem ser mantidos em isolamento até esse momento para evitar a disseminação da doença.

O segundo tratamento é a administração de antitoxina diftérica. No entanto, esta antitoxina só está disponível no CDC. A antitoxina da difteria reduz a progressão da doença pela ligação da toxina da difteria que ainda não se ligou às células do corpo. A antitoxina é derivada de cavalos, portanto, os receptores não devem ser tratados se forem alérgicos. Seu médico tomará a decisão se precisar apenas de antibióticos ou antibióticos mais antitoxina com base em seus sintomas, status de imunização e progressão da doença.

Quais são as Possíveis Complicações da Difteria?

A pior complicação possível da difteria é a insuficiência respiratória ou a morte devido à formação de pseudomembrana que bloqueia as vias aéreas. Outras possíveis complicações incluem problemas cardíacos, como distúrbios do ritmo, miocardite, bloqueio cardíaco, pneumonia secundária, choque séptico e infecção de outros órgãos, como o baço, o sistema nervoso central ou o tecido cardíaco.

Como Fazer a Prevenção da Difteria?

É possível prevenir a difteria; A maneira mais eficaz é vacinar pessoas (bebês, veja abaixo) no início de suas vidas e impedir que indivíduos infectados entrem em contato com pessoas não infectadas. Além disso, os indivíduos que são portadores da bactéria podem ser tratados com antibióticos para eliminar as bactérias e, assim, reduzir a chance de os transportadores transmitirem bactérias para outros.

Existem vacinas disponíveis para proteger os indivíduos da difteria e todas as formulações contêm concentrações de toxóides que estimulam a produção de anticorpos contra a toxina da difteria (D ou d). Estas vacinas detoxóide também podem conter vacina contra coquelucheacelular (aP ou ap) e tétano (T). Eles são os seguintes: DTaP, Tdap, DT e Td. A DTaP é a vacina infantil, enquanto a Tdap é a vacina para adultos. Talvez a vacina mais importante seja a DTaP, administrada aos 2 meses, 4 meses, 6 meses, 15-18 meses e 4-6 anos de idade.

DT não contém coqueluche e é administrado a crianças que reagiram à vacina contra coqueluche; Td é uma vacina para adolescentes e adultos dada a cada 10 anos como um reforço para o tétano. O Tdap possui várias formulações; o CDC em 2012 recomendou que as formulações de Tdap fossem usadas como um reforço para cobrir a tosse convulsa em vez de apenas a formulação de Td contra o tétano e a difteria apenas.

Os efeitos colaterais dessas vacinas geralmente são leves, como dor ou dor no local da injeção e/ou febre moderada. Esses efeitos geralmente desaparecem em um dia. No entanto, alguns pacientes desenvolvem sintomas mais graves; embora isso seja pouco frequente, os pacientes que fazê-lo deve estar ciente da reação e informar qualquer médico cuidador para que tenham uma alergia (por exemplo, uma alergia ao tétano ou coqueluche).

O que é Difteria, Sintomas, Tratamento e Prevenção (Vacina)
5 (100%) 1 voto


Comente