Dieta sem glúten

O que é Doença Celíaca?

A doença celíaca trata-se uma doença inflamatória autoimune desencadeada pelo glúten, uma proteína presente nos grãos de cereais, trigo, centeio e cevada. O tratamento é uma dieta sem glúten.

A dieta sem glúten tornou-se extremamente popular e foi adotada por muitas pessoas devido à sensibilidade ao glúten na ausência de doença celíaca. Muitos desses indivíduos podem ter glúten não celíaco ou sensibilidade ao trigo. Os especialistas em nossos Centros estão muito interessados ​​em cuidar desses pacientes. É essencial que esses indivíduos estejam sob a supervisão de clínicos com experiência nessa condição. Há armadilhas na dieta sem glúten e os pacientes que adotam uma dieta isenta de glúten devem inicialmente ter a doença celíaca excluída e ser monitorados quanto a deficiências vitamínicas que podem surgir da própria dieta.

A doença celíaca é caracterizada por inflamação crônica da mucosa do intestino delgado, o que leva à atrofia das vilosidades do intestino delgado e subsequente má absorção. A condição pode se desenvolver a qualquer idade. As manifestações intestinais incluem diarreia e perda de peso.  A maioria dos casos de doença celíaca é diagnosticada em pessoas com manifestações extra-intestinais.

Esta doença ocorre em pessoas de ascendência européia e nas de origem do Oriente Médio, Índico, Sul-Americano e Norte Africano, sendo rara em pessoas de descendência asiática. A doença celíaca afeta cerca de 1% da população dos EUA. Dada a falta de sintomas ou sintomas vagos associados a algumas formas de doença celíaca, a condição geralmente não é diagnosticada ou não é diagnosticada até mais tarde na vida. Além disso, é provável que muitos indivíduos com doença celíaca tenham uma forma subclínica ou de baixo grau.

Tal como acontece com muitas doenças auto-imunes, a doença celíaca é cerca de duas a três vezes mais comum nas mulheres. Há também uma série de populações específicas com risco aumentado de doença celíaca. Embora o rastreio da população em geral não seja recomendado, uma maior suspeita deve ser mantida nesses grupos de alto risco.

Fisiopatologia e Etiologia da Doença Celíaca

A fisiopatologia da doença celíaca é baseada na imunidade. A gliadina, a porção solúvel em álcool do glúten, não pode ser totalmente quebrada pelo intestino, e geralmente permanece no lúmen intestinal de todos os indivíduos. Em pessoas com doença celíaca, ocasionalmente pode passar pela camada epitelial do intestino e estimular uma resposta imune em pessoas com susceptibilidade genética. Nestes indivíduos, esta proteína de gliadina pobremente digerida se liga às moléculas DQ2 ou DQ8 do antígeno de leucócitos leucocitários humanos, que então ativa células CD4 T na mucosa intestinal.

Esta ativação auto-imune produz inflamação crônica da mucosa intestinal proximal do intestino delgado, levando a uma má absorção. A gravidade das manifestações clínicas depende em parte da extensão do dano intestinal que ocorre.

Fatores de Risco da Doença Celíaca

Não foram identificados fatores de risco claros para a doença celíaca entre adultos, mas existem alguns possíveis fatores de risco para crianças. A amamentação durante a introdução de glúten na dieta de um bebê pode diminuir o risco de doença celíaca. Além disso, uma duração mais longa da amamentação também parece diminuir o risco de desenvolver doença celíaca durante o primeiro ano de vida.

Também parece haver duas janelas de exposição ao glúten na infância que aumentam o risco de doença celíaca. A introdução de glúten na dieta de um bebê antes dos três meses de idade ou após sete meses de idade parece aumentar o risco. O mecanismo pelo qual o risco é aumentado durante essas faixas etárias é desconhecido. Não é certo se a introdução de glúten na dieta de um bebê entre três e sete meses de idade preveniria permanentemente a doença celíaca ou atrasaria seu desenvolvimento. Finalmente, sugeriu-se que a cesariana e a infecção por rotavírus podem ser fatores de risco para doença celíaca em crianças.

Diagnóstico e Sintomas da Doença Celíaca

As manifestações clínicas da doença celíaca variam e envolvem múltiplos sistemas de órgãos. Muitos pacientes são assintomáticos ou apenas minimamente sintomáticos. Em termos gerais, as manifestações podem ser categorizadas como intestinais ou extra-intestinais. A maioria dos casos de doença celíaca é diagnosticada em pessoas com manifestações extra-intestinais.

As manifestações intestinais mais comuns são diarreia e flatulência, mas os sinais e sintomas individuais não possuem especificidade. Muitos dos sintomas extra-intestinais são conseqüências da malabsorção (por exemplo, deficiência de ferro que leva à anemia). No entanto, parece que o próprio processo auto-imune é responsável por pelo menos algumas dessas manifestações extra-intestinais. As apresentações clínicas fortemente associadas à doença celíaca (ou seja, pelo menos 10% dos pacientes nesses grupos apresentam doença celíaca) incluem sintomas gastrointestinais crônicos com história familiar de doença celíaca ou história pessoal de doença auto-imune ou deficiência de imunoglobulina A dermatite herdada, dermatite comprovada por biópsia, diarreia crônica, falta de crescimento em crianças e anemia ferropriva refratária à suplementação oral.

A maioria dos pacientes com doença celíaca tem uma forma silenciosa da doença, sem apresentação de sinais no exame. No entanto, os pacientes ocasionalmente têm uma má absorção profunda com vários achados clínicos associados, como perda de peso e perda muscular, palidez, estomatite ou hematomas fáceis. Como mencionado anteriormente, o achado de exame mais sugestivo de doença celíaca é a dermatite herpetiforme.

Tratamento para Doença Celíaca

A remoção da substância antigênica responsável pela reação imune anormal geralmente reverte as manifestações da doença celíaca. Portanto, o tratamento é uma dieta sem glúten ao longo da vida. Uma dieta sem glúten melhora a qualidade de vida naqueles com doença celíaca sintomática.

 Como o glúten na dieta é encontrado em alimentos como o trigo, centeio e cevada, que constituem a pedra angular de muitas de nossas dietas, a dieta da doença celíaca é complexa e pode ser difícil de seguir. O limiar dietético para promover a cicatrização da inflamação intestinal na doença celíaca foi encontrado para ser inferior a 50 mg de glúten por dia.

A educação dietética deve se concentrar na identificação de fontes ocultas de glúten, planejar refeições equilibradas, ler rótulos, fazer compras, jantar fora e jantar durante a viagem. Além disso, a substituição apropriada de vitaminas e minerais pode precisar ser incorporada na dieta. Pode haver um aumento no custo associado a este regime. A Internet proporcionou acesso mais fácil às empresas que vendem alimentos sem glúten, e muitas mercearias se concentram em substitutos sem glúten. Carnes, produtos lácteos, frutas e vegetais não possuem glúten. Já se pensou que a aveia era um gatilho para a doença celíaca; no entanto, a investigação mostrou que quantidades moderadas de aveia podem ser toleradas de forma segura, e sua introdução pode ser benéfica no manejo dietético da doença celíaca.

O que é Doença Celíaca, Sintomas, Tratamento e Diagnóstico
5 (100%) 1 voto


Comente