O que é Derrame Pleural (Água no Pulmão)?

Um derrame pleural é um acúmulo de líquido no espaço pleural, uma área entre as camadas de tecido que revestem os pulmões e a cavidade torácica. Também pode ser referido como efusão ou derrame pulmonar, ou água no pulmão. O tipo de fluido que forma um derrame pleural pode ser categorizado como transudato ou exsudato.

O transudato geralmente é composto de ultrafiltrados de plasma devido a um desequilíbrio nas forças vasculares hidrostáticas e oncóticas no tórax (insuficiência cardíacacirrose).

O exsudado é tipicamente produzido por condições inflamatórias (infecção pulmonar, malignidade). Os derrames pleurais exsudativos são geralmente mais graves e difíceis de tratar.

Saúde


Quais são as Causas do Derrame Pleural?

Existem muitas causas de derrame pleural. A seguir, uma lista de algumas das principais causas:

O desenvolvimento de um derrame pleural ocorre a partir da infiltração de líquido no espaço pleural, uma área fina entre as membranas visceral e pleural na cavidade torácica, que normalmente contém uma pequena quantidade de líquido para facilitar o movimento do pulmão liso. Fluido sob pressão, células malignas e agentes infecciosos podem ocasionalmente entrar neste espaço e fazer com que ele se expanda com quantidades anormais de fluidos e outros compostos.

DPOC vs. Enfisema: Qual é a Diferença?

A doença pulmonar obstrutiva crônica, ou COPD, é um tipo de doença pulmonar crônica que geralmente inclui enfisema e bronquite crônica. Os sintomas da DPOC e do enfisema afetam principalmente o trato respiratório.

Quais são os Principais Sinais e Sintomas do Derrame Pleural?

Os sintomas comuns associados ao derrame pleural podem incluir os seguintes:

  • dor no peito 
  • dificuldade de respiração 
  • respiração dolorosa (pleurisia
  • tosse (quer uma seco tosse ou uma tosse produtiva)

A respiração profunda geralmente aumenta a dor. Os sintomas de febrecalafrios e perda de apetite freqüentemente acompanham efusões pleurais causadas por agentes infecciosos.

 

Quais são os Fatores de Risco para o Derrame Pleural?

Os derrames pleurais são causados ​​pelos problemas médicos subjacentes listados anteriormente, portanto, a presença de qualquer um desses problemas médicos são fatores de risco para o desenvolvimento de efusões pleurais. É importante notar, no entanto, que nem todos os indivíduos com esses problemas médicos desenvolverão derrame pleural. A insuficiência cardíaca congestiva é a causa mais comum de derrames pleurais transudativos, enquanto a infecção (pneumonia) e a malignidade são as causas mais comuns de derrame pleural exsudativo.

Como o Derrame Pleural é Diagnosticado?

A história do paciente e o exame físico podem indicar um diagnóstico presuntivo de derrame pleural. Por exemplo, um paciente com história de insuficiência cardíaca congestiva ou cirrose com sintomas de tosse, dificuldade respiratória e dor torácica pleurítica pode ter um derrame pleural. Descobertas do exame físico, como embotamento à percussão da área do pulmão (ao tocar a área do pulmão com um dedo, a percussão ou o som é monótona – se não houver fluido na área, o som ficará mais claro.

A radiografia de tórax pode detectar derrames pleurais, pois eles geralmente aparecem como áreas esbranquiçadas na base do pulmão, e podem ocorrer apenas em um lado (unilateral) ou em ambos os lados (bilateral). Se uma pessoa se deitar de lado por alguns minutos, a maioria das efusões pleurais se moverá e se espalhará ao longo daquele lado da cavidade torácica que está posicionada para baixo (por causa dos efeitos da gravidade). Esse movimento do derrame pleural pode ser visto em um raio-X feito com a pessoa deitada de lado (uma radiografia de decúbito lateral).

Outros exames de imagem, como tomografia computadorizada , podem ser solicitados para identificar ainda mais a possível causa e a extensão do derrame pleural.

Diagnosticar a (s) causa (s) de um derrame pleural freqüentemente começa com a determinação se o fluido é transudato ou exsudato. Isso é importante porque os resultados dessa análise de fluidos podem fornecer um diagnóstico e determinar o curso do tratamento. A toracocentese (procedimento para remover o líquido do espaço pleural) seguida de análise laboratorial do fluido pode diferenciar entre transudato e exsudato. Os resultados do fluido obtido da toracocentese são comparados a certos exames de sangue (por exemplo, LDH, glicose, proteína, pH, colesterol e outros). Testes adicionais do líquido pleural também podem incluir contagem de células, citologia e culturas. Os critérios são então usados ​​para diferenciar o exsudado do transudato. O exsudado tem as seguintes características:

  • LDH do líquido pleural> 0,45 dos limites superiores dos valores sanguíneos normais
  • Nível de proteína do líquido pleural> 2,9g / dL
  • Nível de colesterol no líquido pleural> 45mg / dL

Outros profissionais de saúde podem usar critérios diferentes para determinar a presença de exsudato, como a relação entre o líquido pleural e os níveis de proteína sérica> 0,5, relação LDH> 0,6 e relação LDH> 2/3 dos limites superiores do normal. Outros resultados do teste do líquido pleural (citologia ou amilase, por exemplo) também podem revelar a fonte do derrame.

Como é Feito o Tratamento para o Derrame Pleural?

Pequenos derrames pleurais transudativos podem não requerer tratamento, enquanto os maiores e a maioria dos derrames pleurais exsudativos requerem tratamento. O tratamento inicial de escolha é a drenagem do líquido pleural. Isso é feito por toracocentese (este procedimento pode ser tanto diagnóstico quanto terapêutico), onde um tubo é inserido no derrame e o derrame é drenado. Esse procedimento precisa ser monitorado e, em alguns casos, o tubo pode precisar permanecer no espaço pleural por um longo período de tempo para drenagem continuada. A necessidade de toracocentese repetida varia de paciente para paciente, dependendo da causa subjacente, da quantidade de líquido de efusão, do tipo de efusão (grossa, fina, maligna ou infecciosa, por exemplo) e se houver recorrência do derrame pleural.

Alguns derrames pleurais (principalmente exsudativos) podem exigir cirurgia para romper as aderências, enquanto outros podem exigir pleurodese (esclerose pleural), procedimento pelo qual diferentes substâncias irritantes ou medicamentos são inseridos no espaço pleural para fibrose e cicatrização das superfícies viscerais e pleurais. juntos. Este procedimento sela o espaço pleural para que os derrames pleurais tenham dificuldade em se reaplicar.

O uso de medicamentos para derrames pleurais depende da causa subjacente. Antibióticos são usados ​​quando há uma causa infecciosa, pelo que os diuréticos, como a furosemida (Lasix), podem ser usados ​​para ajudar a reduzir lentamente o tamanho do derrame pleural.

Quais são as Complicações do Derrame Pleural?

As complicações potenciais associadas ao derrame pleural são:

  • cicatrizes no pulmão
  • pneumotórax (colapso do pulmão) como uma complicação da toracocentese
  • empiema (uma coleção de pus dentro do espaço pleural)
  • sépsis (infecção do sangue), por vezes levando à morte

O Derrame Pleural Pode ser Prevenido?

O desenvolvimento de derrame pleural pode às vezes ser prevenido pelo tratamento precoce das causas subjacentes listadas acima. Entretanto, em certos casos, o desenvolvimento de efusões pleurais pode não ser evitável. Alguns derrames pleurais podem ser impedidos de voltar a ocorrer com indivíduos submetidos a pleurodese, um procedimento que fecha o espaço pleural.


Saúde Íntima feminina

O que é Derrame Pleural (Água no Pulmão), Tratamento, Pode Matar?
5 (100%) 2 votos


Comente