Cisto de ovário


O que é Cisto de Ovário?

Cistos de ovário, ou cistos ovarianos, são “sacos” com materiais fluidos ou semifluidos que surgem nos ovários. Estes cistos podem se desenvolver em qualquer estágio da vida, desde o neonatal até a pós-menopausa. No entanto, a maioria dos cistos ovarianos ocorrem durante os períodos hormonais ativos de desenvolvimento.

A mulher pode desenvolver um único ou diversos cistos ovarianos de vários tamanhos. Na maioria das vezes, os cistos são benignos (não cancerígenos) e desaparecem por conta própria. No entanto, eles podem se romper ou causar sangramento e dor. Nesses casos, a cirurgia é recomendada. Muito raramente, os cistos podem se tornar malignos (cancerosos).

A maioria dos cistos de ovário não causa sintomas e irá resolver com o tempo. Na maioria das vezes eles são descobertos incidentalmente durante exame pélvico ou exame de ultra-som. Cistos maiores tendem a causar mais sintomas.

A dor pode ser sentida pelo paciente se o cisto cresce rapidamente / as rupturas sangram ou causam torção (torção do ovário cortando o suprimento de sangue).

Sintomas de pressão podem ser sentidos pelo paciente devido ao efeito de pressão de cistos nos órgãos circundantes. Pode causar plenitude abdominal ou indigestão, saciedade precoce, dor durante a relação sexual, freqüência de urina, dificuldades de movimentos intestinais, desejo de defecar e menstruações irregulares.

Quais são os Tipos de Cistos de Ovário?

Os cistos de ovário formam por vários motivos. Existem vários tipos diferentes de cistos listados abaixo:

Cistos funcionais

Cada mês, o ovário produz cisto como estruturas chamadas folículos. Esses folículos produzem hormônios femininos (estrogênio e progesterona) e produzem um ovo quando você ovula. Ocasionalmente, um folículo normal continua crescendo e forma cistos funcionais. Cistos funcionais são frequentemente inofensivos e resolverão por conta própria.

Existem 3 formas de cistos funcionais:

  • Cisto folicular:  durante a ovulação, geralmente o folículo irá romper e liberar o ovo na trompa de Falópio em busca de esperma para fertilização. Quando o folículo não libera o ovo e a ruptura, ele pode crescer e formar um cisto folicular.
  • Cistos de Corpus Luteum: após a liberação do ovo, o folículo remanescente é então chamado de Luteum do corpus e começa a produzir estrogênio e progesterona em preparação para a concepção. Às vezes, durante a liberação do ovo, o fluido pode ser preso dentro e resultar em cistos de Corpus Luteum. Os fármacos indutores de ovulação (serofeno, clomid) utilizados podem induzir a formação de cistos de corpo lúteo.
  • Theca – cistos de luteína: estes cistos se desenvolvem como resultado de uma superestimulação pelo hormônio gonadotrofina coriónica humana (hCG). Quando o nível de hCG cai, os cistos podem se resolver espontaneamente. Está associada a condições como a doença trofoblástica gestacional (mole hidratada e coriocarcinoma que são tumores que secretam hCG), gravidez múltipla e uso de medicamentos de hiperestimulação ovárica. Estes cistos apresentam maior risco de sangramento, ruptura e torção.

Luteoma de gravidez

Este tipo de cisto de ovário não cancerígeno é muito raro devido aos efeitos hormonais da gravidez. Isso acontece devido ao aumento dos andrógenos (testosterona) em certas fêmeas. Estes geralmente resolvem após a gravidez.

Teratomas (cistos dermoides) 

teratomas são uma forma de tumores de células germinativas que compõem 3 camadas de germe embrionárias, ou seja, ectodermo, endoderma e mesoderma. Assim, os teratomas podem conter diferentes tecidos, como cabelo, cartilagem, dentes, gorduras e ossos. Estes cistos não são cancerosos, podem causar torsão e dor ou inflamar-se.

Cistadenomas

Estes cistos não cancerígenos desenvolvem-se no interior do ovário e podem conter material líquido ou mucoso. Eles podem crescer até tamanhos muito grandes.

Endometriomas

Endometriomas são cistos cheios de sangue como resultado da condição de endometriose. A endometriose é uma condição em que as células endometriais (células uterinas) são encontradas fora do útero. Geralmente, apresenta uma tríade de dispareunia (dor durante o sexo), dismenorréia (menstruação dolorosa) e menorragia (menstruação pesada).

Síndrome do ovário policístico

A policístico é uma condição pela qual o ovário é preenchido com cistos múltiplos. Será discutido mais adiante noutra página neste blog.

Cisto canceroso do ovário

Estes são raros e, muitas vezes, surgem do epitélio superficial do ovário. Outros incluem tumores de células germinativas e tumores de estroma de cordão sexual. Na maioria das vezes, 99% de cistos não são cancerígenos.

Como Surgem os Cistos de Ovário? Quais são os Fatores de Risco?

Os fatores de risco para a formação dos cistos de ovário são:

  • Os agentes de indução ovariana  utilizados na infertilidade, como citrato de clomifeno ou letrozol, que estimulam os ovários para ovular
  • O tamoxifeno  pode causar a formação de cistos folicares benignos
  • O aumento da gravidez  no hormônio hCG induzirá cistos ovarianos
  • O hipotireoidismo irá induzir a formação de cistos ovarianos, uma vez que a subunidade alfa do hormônio estimulante da tireoide (TSH) se assemelha a hCG.
  • Os  hormônios da gonadotrofina materna podem atravessar o feto e causar cistos de ovário neonatal e fetal
  • O cigarro aumenta o risco de cistos funcionais
  • A  esterilização da ligação tubária está associada ao aumento do risco de cistos funcionais.

Os fatores de risco para cistos de ovário cancerígenos são:

  • História familiar forte de câncer de ovário
  • Aumento da idade
  • Raça branca
  • Nulliparidade (história de gravidez nula)
  • Infertilidade
  • Pacientes com mutações do gene BRCA
  • Pacientes com história de câncer de mama

Como Identificar Cistos de Ovário?

Testes de Laboratório

  • Teste de gravidez em urina:  para descartar gravidez ectópica ou cistos associados à gravidez.
  • Análise urinária:  infecção do trato urinário e pedras renais também podem causar dor pélvica como cistos.
  • Contagem sanguínea total: revelará anemia devido a um cisto hemorrágico ou aumento da contagem de células brancas no caso de infecção por torsão ou ruptura de cisto.
  • Espadim endocervical: para descartar infecções sexualmente transmissíveis que causem dor pélvica.
  • Níveis hormonais:  LH, FSH, Estradiol e testosterona podem ser medidos à medida que determinados cistos são formados devido ao aumento hormonal.
  • Ca125:  Cancer Antigen 125 é uma proteína expressa na membrana celular do tecido normal do ovário, bem como nos cânceres do ovário. Pode crescer em condições não cancerosas, como endometriose, inflamação pélvica, menstruação, gravidez, fígado, doenças renais e pulmonares. Também pode ser aumentada em outros tipos de câncer, como fígado, estômago, pulmão, pâncreas, útero, mama e cólon.

Estudos de Imagem

  1. Ultrassonografia: esta é uma imagem não-invasiva usando ondas sonoras para visualizar o cisto do ovário. Um ultra-som ajudará o médico a visualizar as características morfológicas do cisto para diferenciar os cistos simples, cistos complexos e cistos cancerosos. Os cistos normais são geralmente de 2,5-5 cm de comprimento, 1,5-3 cm de largura e 0,6-1,5 cm de espessura. Durante a fase folicular, o ultra-som pode detectar cistos múltiplos no ovário.
  • Cistos simples são cistos não cancerígenos. No ultra-som, muitas vezes parecem ter uma parede redonda fina, aparência unilocular (compartimento único) e hipoecogênica ou anecóica. Estes cistos podem variar de 2,5 a 15 cm de diâmetro.
  • Cistos complexos são muitas vezes multiloculares (mais de 1 compartimento), projeções no lúmen, parede engrossada ou anormalidades com o conteúdo do cisto. Eles podem ser cistos não cancerosos ou cancerígenos e justificar novas investigações.
  • Outros cistos como teratomas, cistos hemorrágicos e endometriomas têm suas próprias características em ultra-som.
  • 2. Tomografia computadorizada:  não oferece mais informações em relação ao ultra-som. É melhor imaginar cistos sanguíneos ou rupturas de cisto e também para encenação de câncer de ovário. Não recomendado em mulheres grávidas devido ao risco de radiação.
  • 3.  Varredura de ressonância magnética: é seguro em mulheres grávidas. Em conjunto com o ultra-som, oferece imagens mais específicas. Possui melhor contraste de tecidos moles em comparação com a tomografia computadorizada, particularmente produtos de sangue ou gordura, permitindo que os médicos tenham uma melhor ideia da origem dos cistos.

Procedimentos Invasivos

  • Culdocentese: aspiração de agulha através da parede vaginal atrás do colo uterino para os cistos. O fluido é então enviado para estudos de citologia. Devido ao risco de complicações como perfuração de intestino, traumatismo na rotura renal e abscesso, geralmente não é recomendado. As descobertas de ultra-som são geralmente suficientes.
  • Cirurgia laparoscópica: o cirurgião fará pequenas incisões e passará a câmera no abdômen para visualização direta de cisto. O cisto pode ser biopsiado ou removido nas mesmas configurações. A cirurgia laparoscópica muitas vezes tem cicatrização anterior em comparação com a laparotomia.
Como Surgem os Cistos de Ovário
5 (100%) 2 votos

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

Comente