O que é Queloide?

O queloide trata-se de uma forma anormal e esteticamente desagradável de cicatrização que ocorre na pele, e suas principais características são a forma de uma cicatriz avermelhada e grossa, volumosa e com relevo. A palavra Queloide é originária do Grego, cujo significado pode ser traduzido como “aspecto de tumor”, um nome apropriado, já que o queloide é uma tumoração benigna.

Queloides-nas-costas


Os fatores mais comuns para o surgimento do queloide são lesões que acontecem na pele, geralmente feridas comuns, acne, cortes cirúrgicos, aplicação de piercings e tatuagens. Entretanto, nem toda cicatriz feia e grande trata-se de um queloide, e é comum que muitas pessoas procurem a orientação de um dermatologista com o intuito de tratar o queloide, quando na verdade são apenas cicatrizes hipertróficas.

Diferenças entre Cicatriz Hipertrófica e Queloide

O processo de cicatrização “normal” e esperado é aquele que forma uma cicatriz clara, plana, e que se limita ao local onde houve o ferimento. Tanto a a cicatriz hipertrófica quanto o queloide são formas anormais de cicatrização, pois ambas desencadeiam o aparecimento de grandes e incômodas cicatrizes.

O queloide apresenta alto-relevo, espessura, rigidez e coloração avermelhada. Em pessoas de pele negra, este tipo de cicatriz pode ser bem escuro. É comum haver dor ou coceira na região, especialmente nas primeiras semanas após a origem da ferida. Entretanto, a principal característica do queloide é que ele não se restringe à área que sofreu lesão. A cicatriz com queloide geralmente invade regiões saudáveis da pele ao redor da ferida, podendo continuar a se expandir ao longo dos anos de forma lenta.

A cicatriz não dá origem ao queloide imediatamente. Ele demora cerca de 3 a 4 semanas para aparecer, mas já casos de surgimento após 3 ou 4 meses. A cicatriz hipertrófica, por sua vez, costuma surgir depois de mais ou menos 2 semanas. Nos primeiros meses ela pode se tornar grande, adquirir uma coloração avermelhada e apresentar alto-relevo, mas se restringe à área onde está a ferida. Outra diferença entre o queloide e a cicatriz hipertrófica é que esta última regride com o tempo, passando a ficar mais fina e a adquirir coloração semelhante à da pele. Durante a fase em que regride, que pode levar de 1 a 2 anos, a cicatriz hipertrófica pode apresentar uma profundidade na pele. Caso a ferida seja grande e aconteça em áreas onde há o acúmulo de gordura, a profundidade também pode causar um incômodo estético.

Imagem de uma cicatriz
Imagem de uma cicatriz

Bem mais comum que o queloide, a cicatriz hipertrófica muitas vezes é confundida com um queloide. Portanto, caso a pessoa esteja em dúvida se é um queloide, ela deve observar se a cicatriz se torna mais discreta com o passar do tempo, significando assim que se trata de uma cicatriz hipertrófica. O queloide e a cicatriz hipertrófica podem ocorrer em qualquer indivíduo, porém o queloide é mais comum em pessoas negras, mestiças ou de origem asiática. Já a cicatriz hipertrófica ocorrer igualmente em indivíduos de quaisquer etnias.

Surgimento do Queloide

Apesar do surgimento do queloide ser algo desconhecido, é sabido que algumas pessoas, especialmente aquelas de etnia asiática e negra, apresentam maior propensão em produzir mediadores químicos que provocam estímulo à proliferação dos fibroblastos, que por sua vez são células que produzem e reparam o colágeno e que originam a cicatriz. Portanto, o queloide é um tumor benigno e surge por meio da proliferação de fibroblastos e de colágeno de forma excessiva. Deste modo, o queloide não tem relação algumas com o câncer, não apresentando risco de câncer de pele.

O surgimento do queloide pode acontecer a partir de qualquer lesão que precise cicatrizar. São casos comuns, por exemplo, as feridas cirúrgicas, mas em indivíduos que apresentam predisposição elevada, o queloide pode surgir a partir de piercings e tatuagens, principalmente o queloide no nariz e orelha. Lesões originárias da catapora, bem como lesões originárias da acne e de vacinações também podem causar queloide. Já as lesões e queimaduras que necessitam de mais tempo para cicatrizar apresentam potencial risco de formarem queloides.

queloide-na-orelha

Por ser imprevisível, a pessoa pode, por exemplo, aplicar um piercing em cada orelha e o queloide se desenvolver em apenas uma delas. As regiões do corpo que apresentam maiores chances de desenvolver queloide são aquelas onde há tração dos músculos e da pele, como as costas, os ombros, a região frontal do tórax e a parte superior dos braços. Apesar de ser esteticamente incômodo, o queloide não oferece maiores riscos à saúde, a não ser que apresente dor ou comichão no local. Áreas que são muito extensas ou que estão mais expostas podem causar grandes problemas emocionais à pessoa, principalmente no rosto, como é o caso do queloide no nariz e orelha.

Tratando o Queloide

Tratamentos para queloide simples e efetivos infelizmente não existe. Porém, há diversas opções que costumam apresentar bons resultados, amenizando o aspecto incômodo da cicatriz. As opções de tratamento mais populares apresentam maior eficiência. Confira os tratamentos mais utilizados no tratamento de cicatrizes e queloides:

Injeção de Corticoides

Tratamento mais utilizado na amenização do queloide, a injeção de corticoide, quando feito de forma precoce, impede que a cicatriz fique muito extensa, além de contribuir para que ela se torne plana. A injeção de corticoide pode ser feita entre 1 e 2 meses. Uma característica negativa deste tratamento é o fato da aplicação da injeção ser um pouco dolorosa. Entretanto, a aplicação de nitrogênio em forma líquida na cicatriz por cerca de 15 segundos anterior à aplicação da injeção ajuda a amenizar a dor, além de tornar a cicatriz mais mole, o que facilita a aplicação de corticoide.

Laser

Esta opção apresenta resultados controversos, já que a aplicação de laser é cara, além de diversos profissionais não terem experiência com este tipo de aplicação. Aparentemente ela é capaz de reduzir a vermelhidão e o relevo do queloide. Os melhores resultados com este tratamento foram obtidos através da associação da técnico com a injeção de fluoracil e corticoides.

Gel de Silicone

Quando aplicado na cicatriz, especialmente no início do seu surgimento, o gel de silicone contribui para uma melhor aparência à ferida. Placas ou lâminas de gel de silicone parecem apresentar resultados mais satisfatórios, e a aplicação é feita igual a de um adesivo. A utilização das lâminas deve ser diária, e deve compreender um período entre 2 e 3 meses.

Remoção Cirúrgica

No caso dos queloides antigos, bem como no caso da falha dos tratamentos conservadores, a cirurgia pode ser a melhor opção, já que o seu objetivo é remover o queloide e realizar um novo tratamento na forma precoce com o uso do gel de silicone e corticoides. Esta técnica costuma apresentar eficácia em mais de 80% dos tratamentos. A nova cicatriz costuma apresentar uma aparência esteticamente mais agradável do que a antiga.

Radioterapia

A radioterapia, ou betaterapia, deve ter sua aplicação iniciada logo no dia seguinte à cirurgia. Esta é uma opção muito eficaz, mas ainda há incertezas sobre a segurança dele a longo prazo. A quantidade de radiação aparentemente é bastante baixa, bem como o risco de tumores malignos se formarem. Esta é uma técnica que muitas pessoas recorrem, mas ainda são necessários estudos a longo prazo, com a finalidade de assegurar de maneira plena a aplicação da radioterapia em pessoas jovens.

Fluoracil

O fluoracil trata-se de uma droga quimioterápica utilizada nos tratamentos de certos tipos de câncer, e a sua aplicação é feita de maneira direta no queloide, o que apresenta resultados satisfatórios, especialmente quando associado com terapia a laser e aplicação de corticoides.

Prevenindo o Queloide

Indivíduos com histórico familiar ou pessoal de queloide devem evitar certas situações que podem dar origem às cicatrizes. Caso a pessoa tenha um ou mais queloides, o indicado é que ela evite a aplicação de piercings, especialmente nas regiões do nariz e orelha, já que estas áreas são expostas e bastante visíveis. Cirurgias eletivas ou estéticas devem ser realizadas com muita cautela, já que os resultados podem ser bastante graves.

piercing-queloide


Caso a cirurgia seja inevitável ou o paciente sofre algum acidente que ocasione um profundo trauma na pele, o indicado é que um dermatologista ou cirurgião plástico seja consultado, a fim de que as medidas possam ser precocemente iniciadas, impedindo assim o surgimento de cicatrizes com extensos queloides.

Queloide no Nariz e Orelha: O Que são e como Tratá-las?
4.8 (95%) 4 votos


Comente