A tabela chinesa de gravidez é uma técnica desenvolvida pela medicina tradicional chinesa, que supostamente teria a capacidade de prever o sexo do bebê, baseando-se no calendário lunar chinês.

A tabela chinesa ganhou muita popularidade com a Internet, existem centenas de sites que indicam esta técnica para mulheres grávidas curiosas sobre o sexo do seu bebê. 


Há também aqueles que indicam a tabela para casais que ainda não engravidaram, mas querem poder escolher o sexo do futuro filho. Apologistas chineses dizem que a técnica é mais de 90% efetiva. Alguns sites vão além e afirmam que a eficiência da tabela é de 99%.

Mas o que a ciência tem a dizer sobre a tabela chinesa? Existem estudos científicos sobre este método? Se o gráfico da gravidez chinesa é apenas um folclore, um mito, por que se tornou tão popular na Internet?

O que é a Tabela Chinesa?

Segundo a lenda, a tabela chinesa teria sido usada pelos imperadores como um guia para que eles pudessem escolher o sexo de seus futuros filhos, garantindo assim que eles tivessem filhos do sexo masculino, o que lhes asseguraria a continuidade de sua linhagem real.

Para usar a tabela chinesa é necessário o uso de algumas ferramentas, que servem para igualar o calendário chinês com o nosso calendário gregoriano a oeste. Essas ferramentas são facilmente encontradas na Internet. 

Dependendo da fonte que você está pesquisando, a história da tabela chinesa geralmente apresenta algumas diferenças importantes. Existem pelo menos 3 versões diferentes para a origem da tabela:

1- A versão mais elaborada da história diz que a tabela chinesa para saber o sexo do bebê seria um mapa originário da Dinastia Qing (1644-1912) que teria desaparecido no ano de 1900 no Palácio de Verão do imperador Guangxu após a dinastia perder a guerra com a aliança das oito nações no mesmo ano. No final do confronto, a tabela original teria sido enviada para a Inglaterra, onde a monarquia britânica a manteve escondida como um tesouro. Muitos anos depois, em 1972, sob circunstâncias pouco claras, ta bela apareceu na Áustria. Lá ele foi visto por um historiador chinês, que copiou o conteúdo e o publicou em um jornal taiwanês. Desde então, o gráfico foi publicado anualmente pelo Chinese Farmers ‘Almanac e está disponível em salas de parto de hospitais chineses.

2- Outra versão sobre a origem da tabela diz que o mapa foi encontrado nas proximidades de Pequim, em uma tumba da família real da dinastia Qing. O gráfico teria cerca de 700 anos e, portanto, antes da dinastia Qing.

3. Uma terceira versão diz que a tabela chinesa original foi encontrada em uma sala subterrânea da Cidade Proibida na Dinastia Qing. O gráfico teria sido concebido a partir da teoria do Yin Yang, dos 5 elementos (metal, água, madeira, fogo e terra) e Pa Kua.

Apesar das diferentes histórias sobre sua origem, todas as fontes concordam que a tabela é baseada na idade chinesa da mãe e no mês da concepção, sempre de acordo com o calendário lunar chinês, o que acarreta algumas diferenças relevantes quando comparado ao nosso calendário ocidental gregoriano, que é baseado apenas no sol.

Segundo algumas fontes, na China, o bebê nasce com 1 ano de idade e completa 2 anos no Ano Novo Chinês, que geralmente é entre janeiro e fevereiro, sem data fixa.

Portanto, para que a tabela chinesa seja usada, é preciso primeiro descobrir a idade da mãe de acordo com o calendário chinês. Em geral, com exceção das mulheres que nasceram em janeiro e fevereiro, a idade lunar chinesa está um ano acima da idade real. Por exemplo, se você nasceu em 30.08.1990 e ficou grávida em 20.09.2016, sua idade real será de 26 anos, mas sua idade chinesa será 27. Por outro lado, se você nasceu em 25.01.1990 e se tornou grávida em 20/09/2016, sua idade real e sua idade chinesa será de 26 anos.

Problemas com a Tabela Chinesa

À luz do conhecimento científico atual, existem numerosos problemas teóricos com a tabela chinesa; e nenhuma das fontes explica qual a relação ou lógica por trás do uso da idade da mãe e do mês de concepção na definição do gênero do bebê.

Qual seria a explicação racional para acreditar, por exemplo, que todas as mulheres de 30 anos que foram fertilizadas em junho sempre terão bebês do sexo masculino? E qual é a razão pela qual as crianças de 21 anos só têm uma chance de ter filhos do sexo masculino se a concepção ocorrer em janeiro?

Quando esse tipo de previsão, que escapa ao senso comum e às lutas com a lei da probabilidade, é feito, esperamos que uma boa explicação seja dada, caso contrário, o uso da tabela está muito mais próximo da superstição do que da racionalidade.

Mas os fundamentos da tabela chinesa não são mais do que uma simples falta de explicação lógica de como ela funciona. Existem problemas amplamente conhecidos que tornam a confiabilidade da tabela baixa. Vamos citar alguns deles:

1- O primeiro problema é saber exatamente o dia da concepção. Sabemos que a concepção na maioria dos casos não ocorre no dia da relação sexual. O esperma pode sobreviver por 5 ou 6 dias dentro do trato reprodutivo feminino. Portanto, uma mulher que teve relações sexuais em 29 de abril pode ter ovulado (e sido fertilizado) apenas em 4 de maio. Isto implica que todas as mulheres que tiveram relações sexuais durante a última semana do mês terão dificuldade em dizer quando foi realmente o mês da concepção.

E as mulheres que tiveram vários relacionamentos nos últimos meses? Como saber o dia correto da concepção?

2 – Sabemos que o “sexo” do bebê é o esperma masculino que pode carregar o cromossomo sexual X ou Y. Se o espermatozóide que fertiliza o óvulo tiver o cromossomo Y, o feto será masculino; se você tiver o cromossomo X, o feto será do sexo feminino. Ao definir o sexo do bebê, a genética da mulher tem pouca ou nenhuma influência, porque como seu par de cromossomos é necessariamente XX, eles só podem doar um cromossomo X para seu filho.

Portanto, é estranho que a tabela chinesa leve em conta apenas a idade da mãe e o mês da concepção. Como esses dados podem decidir que tipo de espermatozóide será responsável pela fertilização?

Não é impossível para o organismo da mulher ter qualquer influência na escolha do esperma, mas para isso ter alguma credibilidade, é necessária alguma explicação plausível, preferencialmente baseada em dados científicos.

É interessante lembrar que a tabela chinesa foi supostamente concebida há vários séculos, numa época em que o conhecimento científico era muito pobre. Faz sentido que os mais velhos imaginassem que era de alguma forma o organismo da mulher que decidia o sexo do bebê.

3- Como explicar os casos de mulheres que têm gêmeos, cada um de um sexo diferente?

4 – Se a tabela é realmente eficaz, como explicar que a linha de sucessão dos imperadores chineses não é composta exclusivamente de crianças do sexo masculino ao longo da história?

Ciência e Tabela Chinesa

Estudos mostram que a tabela não é confiável e tem baixa taxa de acerto. Portanto, o consenso científico existe e é que a tabela chinesa não é confiável.

O estudo mais famoso e importante sobre a tabela chinesa foi feito na Suécia em 2010. Neste estudo, os pesquisadores coletaram dados de cerca de 3,4 milhões de nascimentos entre 1973 e 2006. Desses, os pesquisadores conseguiram obter dados confiáveis ​​das mães em cerca de 2,8 milhões de casos. A taxa de acerto da tabela chinesa nesse grupo de 2,8 milhões de mulheres foi de aproximadamente 50%, ou seja, exatamente a taxa esperada de efetividade para qualquer teste que não funciona, como tentar adivinhar o sexo do bebê através do rosto ou coroa. E a taxa foi sempre em torno de 50%, independentemente da idade da mãe ou do mês da concepção.

Este estudo sueco é o maior, mas não é o único. Existem vários estudos publicados sobre o efeito do calendário lunar na gravidez, não apenas sobre o sexo do bebê, mas também sobre a data de nascimento, risco de complicações, evolução do bebê e aumento da fertilidade. Em todos eles não foi possível provar qualquer relação causal entre o calendário lunar e os resultados da gravidez.

A tabela chinesa tem uma taxa de acerto de 50%. Isso significa que em 3 milhões de mulheres grávidas, atingirá o sexo do bebê em 1,5 milhão. Assim, mesmo com uma alta taxa de erro, para 50% das pessoas que fazem o teste, ele parece ser eficaz. Já a chance do teste de atingir o sexo com 2 filhos é de 25%, ou 750.000 mulheres em um universo de 3 milhões de mulheres grávidas. Por isso, é tão comum encontrar relatos das mães que garantam que a tabela chinesa é realmente confiável.

De tudo o que foi explicado até agora, podemos concluir que a tabela chinesa para predizer o sexo do bebê não tem base teórica plausível e não foi testada cientificamente em um enorme grupo de mulheres. Na verdade, até agora, todos os estudos que tentam encontrar alguma relação entre as fases da lua e os resultados da gravidez não tiveram sucesso.

Se você está grávida e quer saber o sexo do seu bebê, as formas mais confiáveis ​​são o teste de sexagem fetal, que a partir da 8ª semana de gestação tem mais de 99% da taxa de acerto, ou através da ultrassonografia fetal, que na 14ª semana de gestação já pode identificar a genitália do bebê.

Tabela Chinesa Para Saber o Sexo do Bebê Funciona?
5 (100%) 1 voto

Comente