O Que é a Candidíase e Como é Seu Tratamento?

Candidíase

Esse é um problema que levaria qualquer garota a citar a famosa frase: isso é coisa de mulher. E de fato, é coisa de mulher. Não podemos ignorar o quão delicado é este assunto por se tratar das partes íntimas de uma pessoa, mas a delicadeza do assunto praticamente termina por aí, pois a candidíase não é uma doença tão perigosa, nem tão agressiva como outras doenças e que pode ser facilmente tratada desde que o doente tenha o mínimo de comprometimento e constância com os tratamentos apresentados. Mas, afinal, o que é a candidíase e como é seu tratamento?

O que é Candidíase?

De forma bastante simplificada, a candidíase é causada por um fungo que existe naturalmente em nossos corpos e que normalmente não representa riscos, pois está em constante equilíbrio com nosso organismo, entretanto algumas causas podem causar um desequilíbrio entre esse fungo e nosso organismo. Um desequilíbrio pode permitir que este fungo se reproduza descontroladamente e, aí sim, comece a causar alguns sintomas negativos na saúde de uma pessoa.

Naturalmente um fungo prefere locais quentes e úmidos para se reproduzis, e é por isso que a vagina é um dos locais onde a candidíase mais se desenvolve. O que, diferentemente do que muitos especulam, nada tem a ver com falta de higiene e sim com um desequilíbrio da flora vaginal que acaba permitindo o problema, entretanto a candidíase não está restrita apenas ao sistema vulvo vaginal, podendo ser desenvolvida em outras partes do corpo, tanto de homens quanto de mulheres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Como Tratar a Candidíase?

Os tratamentos utilizados para administrar as infecções por Candida variam substancialmente e baseiam-se na localização anatômica da infecção, na doença subjacente e no estado imunológico dos pacientes, nos fatores de risco dos pacientes para infecção, às espécies específicas de Candida responsáveis ​​pela infecção e, em alguns casos, a susceptibilidade das espécies de Candida a medicamentos antifúngicos específicos.

Houve mudanças significativas na gestão da candidíase nos últimos anos, particularmente relacionadas ao uso adequado de equinocandinas e azoles de espectro expandido para candidemia, outras formas de candidíase invasiva e candidíase mucosa.

O fluconazol ainda é considerado um agente de primeira linha em pacientes não-neutropênicos com candidemia ou suspeita de candidíase invasiva. No entanto, uma análise pós-hoc de dados de ensaios clínicos comparando a anidulafungina com fluconazol para o tratamento da candidíase invasiva revelou que a anidulafungina foi mais efetiva no tratamento de pacientes gravemente doentes. Uma revisão dos resultados de dados sobre o tratamento da candidíase invasiva em ensaios clínicos parece favorecer o uso de equinocandinas em termos de aumento da taxa de sobrevivência. Este tipo de descoberta pode ter um impacto nas futuras recomendações de tratamento e estratégias de uso de drogas para candidíase invasiva em diferentes grupos de pacientes.

o que é candidiase

Candidíase Vulvo Vaginal

A candidíase Vulvovaginal (VVC) pode ser administrada com agentes antifúngicos tópicos ou uma única dose de fluconazol oral. Uma única dose de fluconazol oral (150 mg) em episódios agudos de VVC mostrou produzir eficácia clínica e microbiológica tão boa quanto melhor do que os agentes antimicóticos tópicos. Uma pequena porcentagem (<5%) das mulheres sofrem infecções crônicas por VCC recorrentes, que muitas vezes requerem terapia azole oral profilática ou profilática para controle. Em tais pacientes, o regime recomendado inclui 150 mg de fluconazol em dois dias para 3 doses, seguido de fluconazol semanal de 150-200 mg por 6 meses. Este regime previne uma maior recorrência em mais de 80% das mulheres.

Para a candidúria assintomática, a terapia geralmente depende da presença ou ausência de um cateter Foley residente. A candidíase freqüentemente se resolve simplesmente mudando o cateter Foley (20% -25% dos pacientes). Assim, a maioria dos especialistas concorda que a candidúria assintomática associada a um cateter Foley não requer tratamento na maioria dos casos. No entanto, a erradicação da candidúria antes de qualquer forma de instrumentação ou manipulação urológica é prudente.

A cistite de Candida em pacientes não cateterizados deve ser tratada com fluconazol a 200 mg / d por via oral durante pelo menos 10-14 dias.

Para Candidacistite em pacientes cateterizados, o primeiro passo é sempre remover o nidus de infecção. Assim, o cateter Foley deve ser removido ou substituído antes de iniciar a terapia antifúngica. Se a candidúria persistir após a mudança do cateter, os pacientes podem ser tratados com 200 mg / d de fluconazol por via oral durante 14 dias. A terapia alternativa inclui a irrigação da bexiga da anfotericina B. No entanto, o seu uso para o tratamento de funguria é significativamente limitado, principalmente devido à manutenção necessária de um cateter urinário; falta de estudos adequados para definir a dose, duração e método de administração; restrição do seu uso a infecções do trato urinário inferior não complicadas; e a disponibilidade de opções de tratamento mais convenientes (por exemplo, terapia oral com fluconazol). O uso da irrigação da bexiga da anfotericina B raramente é necessário.

causas da candidiase

Candidíase Gastrointestinal

Este tipo de candidíase pode ser tratado com agentes antifúngicos tópicos (por exemplo, nistatina, clotrimazol, suspensão oral de anfotericina B) ou azoles orais sistêmicos (fluconazol, itraconazol ou posaconazol).

Infecções em pacientes HIV positivos tendem a responder mais devagar e, em aproximadamente 60% dos pacientes, se repetem no prazo de 6 meses após o episódio inicial. Aproximadamente 3% -5% dos pacientes com infecção avançada pelo HIV (contagem de células CD4 <50 / μL) podem desenvolver OPC refractário. Nessas situações, além de tentar corrigir a disfunção imune com HAART, doses mais elevadas de fluconazol (até 800 mg / d) ou itraconazol (até 600 mg / d) podem ser tentadas. A suspensão de posaconazol a 400 mg por via oral duas vezes por dia também produziu excelentes resultados nesses pacientes. Além disso, a caspofungina 50 mg / d IV e anidulafungina 100 mg / d IV também produziram excelente eficácia em tais patentes. A anfotericina B raramente é necessária para tratar esses casos, mas, quando usado, podem ser utilizadas doses baixas de anfotericina B (0,3 a 0,7 mg / kg) e se mostraram eficazes.

Candidíase Renal

Independentemente de a infecção envolver a disseminação hematogênica para o rim ou infecção ascendente (pielonefrite), é necessária uma terapia antifúngica sistêmica. Os estudos comparativos mais recentes indicam que o fluconazol a 400 mg/d por via intravenosa ou oral durante um mínimo de 2 semanas é tão eficaz quanto a anfotericina B sem as toxicidades normalmente associadas à anfotericina B. Para a anfotericina B, a dose diária é de 0,5-0,7 mg / kg por via intravenosa para uma dose total de 1-2 g administrada durante um período de 4- a 6 semanas.

candidíase oral

Candidíase Mucocutânea Crônica

Esta condição é geralmente tratada com azoles orais, tais como fluconazol numa dose de 100-400 mg / d ou itraconazol a uma dose de 200-600 mg / d até o paciente melhorar. A terapia inicial para infecção aguda é sempre seguida por terapia de manutenção com o mesmo azole para a vida.

Candidíase Hepatoesplênica

A terapia de indução inicialmente foi iniciada com desoxicolato de anfotericina B durante pelo menos 2 semanas, seguido de terapia de consolidação com fluconazol a uma dose de 400 mg / d por 4-12 semanas adicionais, dependendo da resposta.

Este artigo foi útil?

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Sem votos ainda)
Loading...