Quando você pensa em mecanismos de defesa do ego, você provavelmente pensa no que aprendeu sobre Freud, e provavelmente você pode listar muitos deles no topo da sua cabeça. Termos como “repressão”, “negação” e até mesmo “formação de reação” são agora parte do vernáculo popular. A visão psicanalítica tradicional é que esses mecanismos de defesa brotam de seu ego adulto ao tentar protegê-lo do seu id infantil

O pressuposto básico da Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, desenvolvida pelo lendário psicólogo Albert Ellis, é que estados emocionais positivos surgem quando interpretamos nossas experiências de maneiras que nos permitem sentir-se bem conosco mesmos. Não estamos tentando nos proteger de desejos desobedientes, mas de baixa auto-estima e sentimentos de desapontamento em nós mesmos. As emoções negativas que experimentamos, como ansiedade e depressão, surgem das chamadas crenças irracionais de que devemos ser perfeitos, acima de qualquer reprovação e, acima de tudo, amados.


Por exemplo, você pode perceber corretamente que alguém não gosta de você. Isso fará com que você se sinta triste, de modo que a teoria continua, quando você também mantém a crença irracional de que deve ser amado por todos. Você raciocina que “X não me ama; Eu devo ser amado; e, portanto, não sou bom nem miserável”. O núcleo da Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional é que, se formos capazes de desenvolver interpretações mais racionais de nossas experiências, não iremos punir desnecessariamente as falhas ou perdas imaginadas.

Os mecanismos de defesa, argumenta Ziegler, também “distorcem, negam ou falsificam percepções da realidade” (p. 138). Em contraste com a psicanálise, a Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional argumenta que os mecanismos de defesa do ego não estão enterrados no inconsciente. Além disso, a teoria freudiana acredita que, mesmo sob as melhores circunstâncias, sempre precisaremos de nossos mecanismos de defesa, especialmente os “bons” ou psicologicamente saudáveis. A Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional propõe, em contraste, que seus mecanismos de defesa atrapalhem sua felicidade e deve ser descartado se você quiser viver sua vida ao máximo. Esta é a boa notícia: se eles não estão enterrados no inconsciente há muito tempo, então você deve ser capaz de se articular e se livrar dos mecanismos de defesa que o mantêm preso por emoções negativas e insegurança.

Psicólogo

É assim que a Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional trabalha com cada um desses mecanismos de defesa:

1. Repressão

Este é o mecanismo de defesa fundamental na teoria freudiana: o que você esquece não pode machucá-lo. Na Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, a repressão não envolve seus impulsos feios, mas as crenças irracionais (“todos devem me amar”) que operam abaixo da sua percepção consciente. A Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional tem como alvo os chamados “pensamentos automáticos” que fazem você se sentir infeliz por causa de crenças irracionais que você não consegue articular. Uma vez que essas crenças irracionais o tornem consciente, você (ou seu terapeuta) pode desafiar e mudar seus pensamentos.

2. Projeção

Na projeção, você pega o que acha que são impulsos inaceitáveis ​​e literalmente “projeta” (ou atribui) a outros. Na teoria freudiana, esses são desejos ilícitos e, na Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, são ideias sobre nós mesmos que não podemos aceitar. A razão pela qual eles são inaceitáveis ​​é que eles refletem negativamente como você se sente “deveria” ser. Talvez você esteja atormentado pela crença de que a sexualidade é ruim por causa de uma educação excessivamente severa. Se você tem pensamentos lascivos, isso significa que você é uma pessoa “terrível”. Por exemplo: “Nunca devo ter pensamentos ou sentimentos lascivos para com outra mulher que não seja minha esposa (crença irracional) e, se o fizer, é terrível, horrível, terrível e catastrófico!” (P. 140). Assim, você se protege da ansiedade de admitir que ocasionalmente você tem pensamentos lascivos ao transferi-los para os outros. São outras pessoas – não você – que são profanas. Na Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, você pode superar os resultados dessa projeção trocando sua crença irracional (toda a sexualidade é ruim) com uma crença racional (não há problema em ter sentimentos sexuais).

3. Deslocamento

Transferir seus sentimentos inaceitáveis ​​para alguém que você deveria amar (ou talvez temer) em um alvo mais seguro é a marca do deslocamento. O exemplo clássico é que você é maltratado pelo seu chefe, então você vai para casa e expressa sua raiva gritando com alguém da sua família. A análise da Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional dessa situação é que você usa o deslocamento porque acha que seu tratamento foi injusto. Ser tratado injustamente não está certo. Na verdade, é a pior coisa que pode acontecer com você. Porque é a pior coisa que pode acontecer e porque é injusto (mesmo que não seja), então, claro, o deslocamento ocorrerá. Essa reação só piora as coisas e não faz nada para mudar a situação no trabalho. A Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional diz que você pode superar a necessidade de deslocamento, desafiando a crença de que você deve sempre ser tratado de forma justa. Você também pode mudar sua reação definindo-a não como raiva, mas como frustração ou desapontamento. Se você puder fazer isso, você não ficará bravo com pessoas que não têm nada a ver com sua situação no trabalho.

4. Racionalização

Nesse mecanismo de defesa, você usa uma desculpa para justificar uma experiência que reflete negativamente em você. Embora você saiba que está usando uma desculpa, não percebe que está fazendo isso. De acordo com a Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional você pode superar a necessidade desse mecanismo de defesa ao não precisar de desculpas, ou ser capaz de “lidar com a verdade”. Você pode ter falhado em alguma coisa, esquecido de uma tarefa importante ou atrasado, mas sem inventar razões para se exonerar, aceite o fato de que, de vez em quando, até pessoas boas fazem algo ruim.

5. Formação de Reação

A ideia básica por trás desse mecanismo de defesa bastante tortuoso é que você transforma seus impulsos inaceitáveis ​​em seu oposto: o indivíduo obcecado pelo sexo se torna o puritano. Na Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, não são os impulsos sexuais negativos que o levam ao reverso, mas a crença irracional de que até mesmo seus sentimentos normais de raiva ou preocupação são completamente inaceitáveis. A formação de reações torna-se uma forma de proteger o seu auto-respeito e auto-estima, mas não é muito produtivo. Você não pode expressar raiva pelo seu filho, por exemplo, quando fica frustrado com algo que a criança faz – isso faria de você uma mãe terrível. Em vez disso, você se torna excessivamente indulgente e amoroso com uma falha. Uma vez que você deixa a formação de reação para trás você pode ter um relacionamento não conflituoso com seus filhos e outros entes queridos, que você ocasionalmente o irrita ou o deixa irritado.

6. Negação

Negação clássica significa que você nega ter impulsos negativos ou prejudiciais; se o fizesse, ficaria sobrecarregado de ansiedade. Na Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, não são impulsos sexuais ou agressivos, é a consciência de experiências ou eventos que desafiariam sua visão favorável de si mesmo ou do mundo. Ser protegido da realidade pode permitir que você se sinta melhor, mas a Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional afirma que é melhor aceitar a verdade. Você pode precisar de ajuda para fazer isso, e Ziegler acredita que a melhor maneira é levar a consciência de uma pessoa gradualmente de acordo com a realidade. Confrontar alguém com notícias que eles já classificaram como ameaçadoras não ajudará na situação. Facilitar a verdade em doses mensuráveis ​​é muito mais produtivo.

7. Regressão

A visão freudiana da regressão é que, quando se está estressado, você retorna a um estágio psicossexual anterior, quando se sentiu mais feliz e seguro (pense em uma criança em idade pré-escolar). Você começa a agir como uma criança, em contraste, de acordo com a Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, quando seu nível de frustração se acumula tanto que você realmente se sente criança: “Eu não suporto isso!” A saída desse mecanismo de defesa é entender que você está apenas se bloqueando mais quando se comporta de uma maneira infantil. Reconhecer que as situações podem ser frustrantes e, em seguida, dar-se permissão para se sentir frustrado permitirá que você gerencie esses sentimentos negativos sem ter que pegar o cobertor de segurança mais próximo.

8. Intelectualização

Como a racionalização, na intelectualização você apresenta uma razão para explicar os resultados negativos de um evento ou encontro. Considere esta situação: você quebra seu prato de manteiga favorito. No entanto, em vez de se permitir ficar temporariamente incomodado, você se distancia completamente e continua colocando a manteiga em outra coisa. A Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional propõe que sentir raiva, quando apropriado, é uma resposta saudável a essa situação.

9. Sublimação

Na visão freudiana, a sublimação é talvez o mais saudável de todos os mecanismos de defesa. Você recebe impulsos inaceitáveis ​​- o clássico sendo o desejo sexual dirigido a um alvo inadequado – e os transforma em comportamentos que não causam problemas, e podem até fazer algum bem. A Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional não considera a sublimação um mecanismo de defesa prejudicial porque nos permite ser contribuintes produtivos para a sociedade. Nós escrevemos poesia, tocamos música e seguimos nossa carreira explora porque estamos fazendo nossa energia sexual útil. Na minha opinião, a Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional perdeu a oportunidade de manter seu foco cognitivo, considerando a sublimação em termos similares, como faz a teoria freudiana clássica (sem sexo, não faríamos nada de útil em nossas vidas). Ziegler acredita que esse mecanismo de defesa caracterizou Ellis, o herói da própria Terapia de Comportamento Cognitivo Emotivo Racional, que escreveu sobre como ele transformou seu próprio desejo sexual e obsessão com a mulher com quem acabou se casando em saídas criativas. Eu argumento que a expressão criativa pode simplesmente emergir do desejo de criar, e não procriar, como Ziegler acredita. Deste ponto de vista, sentir que você não pode expressar sua sexualidade pode ser tão constrangedor quanto qualquer outro mecanismo de defesa.

Os Mecanismos de Defesa do Ego
Vote nesse artigo

Comente