Houve uma época em que quando nós ficávamos doente, podíamos dizer: ah, é só uma gripe. Bons tempos aquele, pois hoje existe uma forte chance de que uma gripe acabe não sendo apenas uma simples gripe!

Dentre vários tipos diferentes de gripe, existe a famosa e terrível gripe suína. Ela é uma doença respiratória causada por vírus (vírus da gripe) que infectam o trato respiratório de porcos, resultando em secreções nasais, uma tosse latente, diminuição do apetite e comportamento apático. A gripe suína produz quase todos os sintomas nos porcos que a gripe humana produz nas pessoas. A gripe suína pode durar cerca de uma a duas semanas em porcos que sobrevivem. O vírus da gripe suína foi isolado pela primeira vez a partir de porcos em 1930 nos EUA e tem sido reconhecido por produtores de carne suína e veterinários para causar infecções em porcos em todo o mundo.

Em vários casos, as pessoas desenvolveram a infecção da gripe suína quando estão intimamente associadas a porcos (por exemplo, agricultores, processadores de carne suína) e, da mesma forma, populações de porcos foram ocasionalmente infectadas com a infecção da gripe humana. Na maioria dos casos, as infecções entre espécies (vírus suíno para o homem; vírus da gripe humana para suínos) permaneceram em áreas locais e não causaram infecções nacionais ou mundiais em suínos ou humanos. Infelizmente, esta situação entre espécies com vírus influenza teve o potencial de mudar. Investigadores decidiram que a cepa de 2009 “gripe suína”, vista pela primeira vez no México, deveria ser chamada de nova gripe H1N1, uma vez que foi encontrada principalmente infectando pessoas e exibindo dois antígenos de superfície principais: H1 (hemaglutinina tipo 1) e N1 (neuraminidase tipo 1).

As oito cadeias de RNA da nova gripe H1N1 têm uma cadeia derivada de cepas de gripe humana, duas de cepas de aves (aviária) e cinco de cepas de suínos. Essa situação de espécies cruzadas com o vírus da gripe teve o potencial de mudar. Investigadores decidiram que a cepa de 2009 “gripe suína”, vista pela primeira vez no México, deveria ser chamada de nova gripe H1N1, uma vez que foi encontrada principalmente infectando pessoas e exibindo dois antígenos de superfície principais: H1 (hemaglutinina tipo 1) e N1 (neuraminidase tipo 1). As oito cadeias de RNA da nova gripe H1N1 têm uma cadeia derivada de cepas de gripe humana, duas de cepas de aves (aviária) e cinco de cepas de suínos.

Essa situação de espécies cruzadas com o vírus da gripe teve o potencial de mudar. Investigadores decidiram que a cepa de 2009 “gripe suína”, vista pela primeira vez no México, deveria ser chamada de nova gripe H1N1, uma vez que foi encontrada principalmente infectando pessoas e exibindo dois antígenos de superfície principais: H1 (hemaglutinina tipo 1) e N1 (neuraminidase tipo 1). . As oito cadeias de RNA da nova gripe H1N1 têm uma cadeia derivada de cepas de gripe humana, duas de cepas de aves (aviária) e cinco de cepas de suínos.

Como a gripe suína é transmitida? A gripe suína é contagiosa?

H1N1

A gripe suína é transmitida de pessoa para pessoa por inalação ou ingestão de gotículas contendo vírus das pessoas que espirram ou tossem; não é transmitido por comer produtos de porco cozidos. O mais novo vírus da gripe suína que causou a gripe suína é o influenza A H3N2v (comumente denominado H3N2v) que começou como um surto em 2011. O “v” no nome significa que o vírus é uma variante que normalmente infecta apenas porcos, mas começou a infectar humanos. Houve pequenos surtos de influenza H1N1 desde a pandemia; um recente é na Índia, onde pelo menos três pessoas morreram.

Qual o período de incubação da gripe suína?

O período de incubação da gripe suína é de um a quatro dias, sendo a média dois dias; em algumas pessoas, o período de incubação pode durar até sete dias em adultos e crianças.

Qual é o período contagioso da gripe suína?

O período contagioso para a gripe suína em adultos geralmente começa um dia antes dos sintomas se desenvolverem em um adulto e dura cerca de cinco a sete dias após a pessoa adoecer. No entanto, pessoas com sistema imunológico

enfraquecido e crianças podem ser contagiosas por um longo período de tempo (por exemplo, cerca de 10 a 14 dias).

Quanto tempo dura a gripe suína?

Em infecções não complicadas, a gripe suína começa a se resolver após três a sete dias, mas o mal-estar e a tosse podem persistir por duas semanas ou mais em alguns pacientes. A gripe suína grave pode requerer hospitalização que aumenta o tempo de infecção para cerca de nove a dez dias.

O que causa a gripe suína?

h1n1 Doença

A causa da gripe suína de 2009 foi um tipo de vírus influenza A designado como H1N1. Em 2011, um novo vírus da gripe suína foi detectado. A nova cepa foi denominada influenza A (H3N2) v. Apenas algumas pessoas (principalmente crianças) foram infectadas pela primeira vez, mas funcionários do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA relataram um aumento no número de pessoas infectadas na temporada de gripe 2012-2013. Atualmente, não há um grande número de pessoas infectadas com o H3N2v. Infelizmente, outro vírus denominado H3N2 (note que não há “v” em seu nome) foi detectado e causou gripe, mas esta cepa é diferente do H3N2v. Em geral, todos os vírus da gripe A têm uma estrutura semelhante ao vírus H1N1; cada tipo tem uma estrutura H e / ou N um pouco diferente.

Por que a gripe suína está infectando humanos?

H1N1 virus

Muitos pesquisadores agora consideram que duas séries principais de eventos podem levar a gripe suína (e também a gripe aviária ou a gripe aviária) a se tornar uma das principais causas de doenças causadas por influenza em humanos.

Primeiro, os vírus da gripe (tipos A, B, C) são vírus de RNA envelopados com um genoma segmentado; isso significa que o código genético do RNA viral não é uma fita única de RNA, mas existe como oito segmentos diferentes de RNA nos vírus da gripe. Um vírus da gripe humana (ou ave) pode infectar uma célula respiratória do porco ao mesmo tempo que um vírus da gripe suína; algumas das cadeias de RNA replicantes do vírus humano podem ser erroneamente envolvidas dentro do vírus da gripe suína. Por exemplo, uma célula pode conter oito gripes suína e oito segmentos de RNA da gripe humana. O número total de tipos de RNA em uma célula seria 16; quatro segmentos de RNA de gripe suína e quatro de gripe humana poderiam ser incorporados em uma partícula, formando um vírus de gripe segmentado por RNA de oito dos 16 tipos de segmento disponíveis. Várias combinações de segmentos de RNA podem resultar em um novo subtipo de vírus (esse processo é conhecido como mutação antigênica) que pode ter a capacidade de infectar humanos preferencialmente, mas ainda mostrar características exclusivas do vírus da gripe suína (ver Figura 1). É até possível incluir cadeias de RNA de aves, suínos e vírus da gripe humana em um único vírus se uma única célula for infectada com todos os três tipos de gripe (por exemplo, dois segmentos de gripe aviária, três de gripe suína e três de gripe humana para produzir um novo tipo viável de genoma viral de oito segmentos). A formação de um novo tipo viral é considerada como mudança antigênica; Pequenas mudanças dentro de um segmento individual de RNA nos vírus da gripe são denominadas deriva antigênica (ver figura 1) e resultam em pequenas alterações no vírus. Contudo,

Em segundo lugar, os suínos podem desempenhar um papel único como hospedeiro intermediário de novos tipos de gripe, porque as células respiratórias de suínos podem ser infectadas diretamente com vírus da gripe aviária, humana e de outros mamíferos. Consequentemente, as células respiratórias dos suínos podem ser infectadas com muitos tipos de gripe e podem funcionar como um “recipiente de mistura” para os segmentos de RNA da gripe (ver figura 1). Os vírus da gripe aviária, que geralmente infectam as células gastrointestinais de muitas espécies de aves, são expelidos nas fezes das aves. Os porcos podem pegar esses vírus do meio ambiente, e essa parece ser a principal maneira que os segmentos de RNA do vírus da gripe aviária entram na população de vírus da gripe de mamíferos. A Figura 1 mostra esse processo no H1N1, mas a figura representa o processo genético para todos os vírus da gripe, incluindo cepas humanas, suínas e aviárias.

O que é a Gripe H1N1, Sintomas, Prevenção e Transmissão
5 (100%) 1 voto


Comente