miocardiopatia restritiva, a forma mais rara de cardiomiopatia, é uma condição na qual as paredes das câmaras inferiores do coração (os ventrículos) são anormalmente rígidas e não têm flexibilidade para se expandir à medida que os ventrículos se enchem de sangue.

A cardiomiopatia é uma doença progressiva do miocárdio ou músculo cardíaco. Na maioria dos casos, o músculo cardíaco enfraquece e é incapaz de bombear o sangue para o resto do corpo, assim como deveria. Existem muitos tipos diferentes de cardiomiopatia causada por uma série de fatores, desde doença coronariana até certas drogas. Estes podem levar a um batimento cardíaco irregular, insuficiência cardíaca, um problema na válvula cardíaca ou outras complicações.

A função de bombeamento ou sistólica do ventrículo pode ser normal, mas a função diastólica (a capacidade do coração de se encher de sangue) é anormal. Portanto, é mais difícil para os ventrículos se encherem de sangue e, com o tempo, o coração perde a capacidade de bombear o sangue adequadamente, levando à insuficiência cardíaca.


Quais são os Tipos de Miocardiopatia Restritiva?

Geralmente há quatro tipos de miocardiopatia restritiva:

Cardiomiopatia dilatada

A forma mais comum, cardiomiopatia dilatada (DCM), ocorre quando o músculo cardíaco está muito fraco para bombear o sangue de forma eficiente. Os músculos se esticam e se tornam mais finos. Isso permite que as câmaras do seu coração se expandam.

Isso também é conhecido como coração aumentado. Você pode herdá-lo, ou pode ser devido a doença arterial coronariana.

Cardiomiopatia hipertrófica

Acredita-se que a cardiomiopatia hipertrófica seja genética. Ocorre quando as paredes do seu coração engrossam e impedem que o sangue flua através do seu coração. É um tipo bastante comum de cardiomiopatia. Também pode ser causada por hipertensão arterial a longo prazo ou envelhecimento. Diabetes ou doença da tireoide também podem causar cardiomiopatia hipertrófica. Existem outros casos em que a causa é desconhecida.

Displasia ventricular direita arritmogênica (DAVD)

Displasia arritmogênica do ventrículo direito (DAVD) é uma forma muito rara de cardiomiopatia, mas é a principal causa de morte súbita em atletas jovens. Nesse tipo de cardiomiopatia genética, a gordura e o tecido fibroso extra substituem o músculo do ventrículo direito. Isso causa ritmos cardíacos anormais.

Cardiomiopatia restritiva

A cardiomiopatia restritiva é a forma menos comum. Ocorre quando os ventrículos endurecem e não conseguem relaxar o suficiente para se encher de sangue. Cicatriz do coração, que freqüentemente ocorre após um transplante de coração, pode ser uma causa. Também pode ocorrer como resultado de doença cardíaca.

Outros tipos

A maioria dos seguintes tipos de cardiomiopatia pertence a uma das quatro classificações anteriores, mas cada uma tem causas ou complicações únicas.

Cardiomiopatia Periparto ocorre durante ou após a gravidez. Este tipo raro ocorre quando o coração enfraquece no prazo de cinco meses após o parto ou no último mês de gravidez. Quando ocorre após o parto, às vezes é chamado de cardiomiopatia pós-parto. Esta é uma forma de cardiomiopatia dilatada, e é uma condição com risco de vida. Não há causa.

A cardiomiopatia alcoólica deve-se ao consumo excessivo de álcool durante um longo período de tempo, o que pode enfraquecer o seu coração, por isso, já não pode bombear sangue com eficácia. Seu coração então se torna aumentado. Esta é uma forma de cardiomiopatia dilatada.

A cardiomiopatia isquêmica ocorre quando o coração não consegue mais bombear sangue para o resto do corpo devido a doença arterial coronariana. Vasos sanguíneos para o músculo cardíaco estreitam e ficam bloqueados. Isso priva o músculo cardíaco do oxigênio. A cardiomiopatia isquêmica é uma causa comum de insuficiência cardíaca. Alternativamente, a cardiomiopatia não isquêmica é qualquer forma que não esteja relacionada à doença arterial coronariana.

A miocardiopatia não compactada, também denominada cardiomiopatia espongiforme, é uma doença rara presente ao nascimento. Resulta do desenvolvimento anormal do músculo cardíaco no útero. O diagnóstico pode ocorrer em qualquer fase da vida.

Quando a cardiomiopatia afeta uma criança, ela é chamada de cardiomiopatia pediátrica.

Se você tem cardiomiopatia idiopática, significa que não há causa conhecida.

Quais são os Principais Sintomas da Miocardiopatia Restritiva?

Muitas pessoas com cardiomiopatia restritiva não apresentam sintomas ou apenas sintomas menores e vivem uma vida normal. Outras pessoas desenvolvem sintomas, que progridem e pioram à medida que a função cardíaca piora.

Os sintomas de cardiomiopatia restritiva podem ocorrer em qualquer idade e podem incluir:

  • Falta de ar (primeiro com o exercício; mas com o tempo ocorre em repouso)
  • Fadiga (sentir-se excessivamente cansado)
  • Incapacidade de exercitar
  • Inchaço das pernas e pés
  • Ganho de peso
  • Náusea, inchaço e falta de apetite (relacionado à retenção de líquidos)
  • Palpitações (flutuação no peito devido a ritmos cardíacos anormais )

Sintomas menos comuns de cardiomiopatia restritiva:

  • Desmaio (geralmente causado por ritmos cardíacos irregulares ou respostas anormais dos vasos sanguíneos durante o exercício)
  • Dor ou pressão torácica (ocorre geralmente com exercício ou atividade física, mas também pode ocorrer com repouso ou após as refeições)

Quais são as Causas da Miocardiopatia Restritiva?

A cardiomiopatia restritiva geralmente não é hereditária e sua causa é frequentemente desconhecida. Causas conhecidas de cardiomiopatia restritiva podem incluir:

  • Acúmulo de tecido cicatricial (geralmente sem motivo conhecido)
  • Acúmulo de proteínas anormais (amiloidose) no músculo cardíaco
  • Quimioterapia ou exposição torácica à radiação
  • Excesso de ferro (hemocromatose) no coração
  • Outras doenças sistêmicas (por exemplo, sarcoidose)
Sopro no coração

Como o Diagnóstico da Miocardiopatia Restritiva é Obtido?

O tamanho do coração pode permanecer normal com cardiomiopatia restritiva. Em alguns casos, a cardiomiopatia restritiva pode ser confundida com a pericardite constritiva, uma condição na qual as camadas do pericárdio (o saco que envolve o coração) tornam-se espessadas, calcificadas e rígidas.

A cardiomiopatia restritiva é diagnosticada com base na história médica (seus sintomas e histórico familiar), exame físico e exames: exames de sangue, eletrocardiograma, radiografia de tórax, ecocardiograma, teste ergométrico, cateterismo cardíaco, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Uma biópsia miocárdica, ou biópsia do músculo cardíaco, ocasionalmente é feita para determinar a causa da cardiomiopatia. Durante uma biópsia do miocárdio, uma pequena amostra de tecido é retirada do coração e examinada ao microscópio para examinar a causa dos sintomas.

Qual é o Tratamento para a Miocardiopatia Restritiva?

O tratamento da miocardiopatia restritiva é difícil. O tratamento geralmente é focado no tratamento da causa dessa condição. Os médicos recomendam mudanças no estilo de vida e medicamentos para o tratamento da insuficiência cardíaca.

Quais Mudanças no Estilo de Vida são Recomendadas para Miocardiopatia Restritiva?

Mudanças no estilo de vida podem ajudar na cardiomiopatia restritiva. Eles podem incluir:

Dieta. Depois de ter sintomas como falta de ar ou fadiga, você deve restringir a ingestão de sal (sódio) a 2.000 miligramas a 3.000 miligramas por dia. Siga esta dieta mesmo quando seus sintomas diminuírem.

Exercício. Seu médico lhe dirá se você pode se exercitar ou não. Enquanto o exercício geralmente é bom para o coração, as pessoas com essa forma de cardiomiopatia podem sentir fadiga e falta de ar, mesmo com esforço mínimo. Portanto, os especialistas recomendam que você faça pausas frequentes, faça exercícios em uma hora do dia em que você tenha mais energia e comece devagar, desenvolvendo gradualmente força e resistência. O levantamento de peso pesado não é recomendado.

Quais Medicamentos são Usados ​​no Tratamento da Miocardiopatia Restritiva? 

Muitas vezes, os medicamentos são usados ​​para tratar os sintomas da cardiomiopatia restritiva e prevenir outras complicações. Para administrar a insuficiência cardíaca, algumas pessoas podem melhorar tomando um inibidor da enzima conversora da angiotensina (ECA). Se ocorrerem sintomas, digoxina, diuréticos e inibidores da aldosterona podem ser adicionados. Se você tem arritmia, seu médico pode prescrever uma medicação para controlar sua freqüência cardíaca ou diminuir a ocorrência de arritmia. A terapia também pode ser administrada para tratar certas condições, como sarcoidose, amiloidose e hemocromatose. Seu médico irá discutir quais medicamentos são melhores para você.

Cirurgia pode Tratar Miocardiopatia Restritiva?

Em alguns casos, se a condição for grave, a cirurgia de transplante cardíaco pode ser considerada para cardiomiopatia restritiva.

Miocardiopatia Restritiva: Tratamento, Sintomas e Diagnósticos
5 (100%) 1 voto

Comente