Estamos vivendo em pleno século XXI e o que muitos veem como coisa do passado, ainda está impregnado em nossa sociedade. Estou falando do preconceito e da discriminação.

Parece até meio clichê, meio retrô continuar falando sobre esse tema, afinal de contas vivemos em um mundo onde os preconceitos estão sendo superados. Verdade, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.

Um exemplo disso é a quantidade de extraordinárias mulheres que fizeram enormes contribuições para a ciência e são pouco conhecidas comparadas à nomes como Tomas Edson, Albert Einstein ou Nicola Tesla. Para ajudar a combater esta injustiça, estaremos citando abaixo alguns nomes de mulheres que devem ser não só reconhecidas, como também admiradas por seu talento e contribuição pelo mundo em que hoje vivemos.

1. Tiera Guinn

Esta cientista de 22 anos ainda não se formou na faculdade, mas Tiera Guinn já está fazendo ciência de foguete literal. O MIT senior está ajudando a construir um foguete para a NASA que poderia ser um dos maiores e mais poderosos já feitos, de acordo com a WBRC News. Ela é uma grandeza aeroespacial com um 5.0 GPA que também trabalha como Engenheiro de Design e Análise Estrutural Rocket para o Sistema de Lançamento de Espaço que a empresa aeroespacial Boeing está construindo para a NASA.

“Você tem que aguardar o seu sonho e não pode deixar alguém entrar no caminho”, disse ela. “Não importa o quão difícil possa ser, não importa quantas lágrimas você possa chorar, você deve continuar empurrando. E você tem que entender que nada é fácil. Mantendo seus olhos no prêmio, você pode ter sucesso”.

2. Marie Curie

Todos sabemos o nome dessa física e química, mas lembra-se das contribuições de Marie Curie para a ciência? A cientista polonesa estudou na Sorbonne, onde se tornou a chefe do laboratório de física no início dos anos 1900 – quando as mulheres realmente não ensinavam ciência nas universidades europeias – e foram pioneiras na pesquisa em radioatividade.

Ela e seu marido ganharam em conjunto o Prêmio Nobel em 1903.

3. Elizabeth Blackwell

Elizabeth Blackwell, que nasceu em 1821, foi a primeira mulher a se formar em uma faculdade de medicina nos Estados Unidos (Geneva Medical College no norte de Nova York), se tornou uma ativista da saúde das mulheres pobres e passou a fundar uma escola de medicina para mulheres na Inglaterra.

4. Jane Goodall

A cientista de primatas mais famoso da história, Jane Goodall foi conhecida por seu trabalho com chimpanzés e como defensora dos direitos dos animais. E Goodall não estava apenas trabalhando em um laboratório; ela subiu árvores e imitou o comportamento dos chimpanzés na Tanzânia para ganhar a confiança deles e estudá-los no seu habitat natural.

5. Mae C. Jemison

Mae C. Jemison é a primeira astronauta afro-americana. Em 1992, ela se tornou a primeira mulher negra no espaço quando, como membro da tripulação no navio espacial Endeavor.

Antes de entrar no programa espacial, ela era médica que serviu com o Peace Corps na Serra Leoa e na Libéria.

6. Jennifer Doudna

Jennifer Doudna é um dos cientistas mais culturalmente significativo que estuda hoje. Ela ajudou a desenvolver o CRISPR, o método de engenharia genética que poderia permitir “bebês designer”, mas também para a erradicação ou tratamento de anemia falciforme, fibrose cística, doença de Huntington e HIV. Ela é professora da UC Berkeley.

7. Katherine Freese

Freese é uma cientista moderna pioneira que estuda matéria escura, incluindo o estudo de “estrelas escuras” no universo, algo que nunca foi observado diretamente por um ser humano. Ela é diretora da Nordita, um instituto de física teórica em Estocolmo.

8. Rachel Carson

Na década de 1960, a voz de uma cientista ambiental aumentou acima do resto para se tornar central na política, cultura e política externa americana: Rachel Carson. Seu livro, “Silent Spring”, advertiu sobre os perigos de pesticidas e produtos químicos para humanos, plantas e animais, e foi um marco na história ambiental da nação.

9. Maria Goeppert Mayer

Uma imigrante alemã aos EUA que estudou em Johns Hopkins durante a Grande Depressão, Maria Goeppert Mayer, nascida em 1906, persistiu em seus estudos, mesmo quando nenhuma universidade a empregava e passou a se tornar um físico químico.

Seu contributo mais famoso para a física moderna é descobrir a concha nuclear do núcleo atômico, pelo qual ganhou o Prêmio Nobel em 1963.

10. Sara Seager

No momento em que as mulheres estavam sendo treinadas como cientistas universitários, o “sistema solar” havia sido bem mapeado.

Mas Sara Seager, nascida em 1971, descobriu 715 planetas no seu tempo trabalhando com o Kepler Space Telescope, um contribuinte notável para a compreensão moderna do espaço.

11. Jane Cooke Wright

Um dos primeiros médicos do sexo feminino afro-americano, Jane Cooke Wright, nascida em 1919, foi uma pesquisadora de câncer pioneiro que trabalhou em estreita colaboração com seu pai em Harvard, onde começou a testar tratamentos de quimioterapia individualizados para pacientes com câncer.

12. Vera Rubin

Vera Rubin, que nasceu em 1928, provou que a matéria sombria existia no universo ao concluir que fontes de gravidade invisíveis estavam puxando planetas e estrelas em determinadas direções. Ela recebeu a Medalha Nacional de Ciência em 1993 pelo presidente Clinton.

Em seu obituário para Rubin, que morreu em 25 de dezembro de 2016, o New York Times escreveu : “Dra. Rubin, alegre e de fala simples, teve um amor ao longo da vida das estrelas, defendeu as mulheres na ciência e estava contente com os limites do conhecimento voraz da natureza da humanidade “.

13. Sau Lan Wu

A cientista de Hong Kong, Sau Lan Wu, é uma física de partículas que esquentou sua carreira teatral descobrindo quarks e gluões de charme, e então mudou todo o curso da história científica, ajudando a descobrir a partícula do bóson de Higgs, que ainda é objeto de corte – ciência de ponta hoje.

14. Rosalind Franklin

Rosalind Franklin, nascida em 1920, foi uma biofísica britânica conhecida pelo trabalho revolucionário que descobriu o DNA, além de compreender os raios-X e a estrutura molecular.

15. Barbara McClintock

Barbara McClintock ganhou o Prêmio Nobel em 1983 por seus estudos sobre a composição genética do milho e, especificamente, sua descoberta de transposição genética ou a capacidade dos genes para mudar de posição no cromossomo.

Conheça 15 Mulheres que Influenciaram as Áreas da Saúde e Ciência
5 (100%) 1 voto


Comente