Para evitar a gravidez, as pílulas anticoncepcionais empregam vários mecanismos. Primeiro, os hormônios sintéticos podem convencer o corpo de uma mulher que ela está grávida. Isso pode impedir os ovários de liberarem um óvulo. A pílula também dificulta que o espermatozoide alcance o óvulo, porque os hormônios engrossam o muco cervical, dificultando a vida e a movimentação do espermatozoide. A pílula também cria mudanças no útero e nas trompas de falópio que podem interferir no transporte dos espermatozoides. 


Apesar da capacidade dos hormônios de impedir a liberação de óvulos, às vezes ocorre uma “ovulação inovadora”. A frequência com que isso acontece depende de vários fatores, como o tipo de pílula que a mulher está tomando, a consistência com que ela toma as pílulas e até quanto ela pesa. Mesmo com o uso correto e consistente da pílula, algumas fórmulas permitem a ovulação em menos de 2% dos ciclos, enquanto outras permitem que uma mulher ovule durante 65% de seus ciclos. [2]

Quando uma mulher ovula, ela pode engravidar. No entanto, a pílula tem mecanismos que podem causar um aborto antes que uma mulher saiba que ela concebeu. Se um espermatozoide fertilizar o óvulo, o recém-concebido bebê (zigoto) pode ser transportado mais lentamente através das trompas de Falópio, por causa de como eles foram alterados pela pílula. Assim, a criança pode não alcançar o útero, onde precisa se implantar e receber nutrição pelos próximos nove meses. Como as trompas de falópio são trocadas, o bebê pode se implantar acidentalmente ali, causando uma gravidez ectópica ou “tubária”, que é fatal para o bebê, e também pode ser fatal para a mãe.

Se o bebê puder viajar com segurança até o útero, ele ou ela pode não ser bem recebido. Uma razão para isso é que os produtos químicos da pílula diluem o revestimento do útero da mulher (o endométrio). Como resultado, o bebê pode não conseguir se implantar. Em outras ocasiões, a criança se prende à parede, mas não conseguirá sobreviver porque a parede uterina, normalmente espessa e saudável, está murchando e, portanto, não consegue nutrir o bebê. A pílula também afeta o nível de progesterona da mulher. Isso faz com que o revestimento do útero se decomponha e, eventualmente, derrame, como ocorreria em um ciclo menstrual, negando ainda mais a tentativa do bebê de se implantar.

Período Fértil

Alguns médicos acreditam que pílulas anticoncepcionais não causam abortos, enquanto outros médicos acreditam no contrário e estão preocupados com o fato de que as mulheres muitas vezes não são informadas de que a pílula anticoncepcional pode causar um aborto, bem como prevenir a gravidez. Uma revista médica declarou: “Se qualquer mecanismo de qualquer contraceptivo oral viola a moral de qualquer mulher em particular, a falha do médico ou prestador de cuidados em divulgar essas informações eliminaria efetivamente a probabilidade de que o consentimento da mulher fosse realmente informado e comprometer seriamente sua autonomia. Além disso, há um potencial para impacto psicológico negativo em mulheres que acreditam que a vida humana começa na fertilização, que não receberam consentimento informado sobre contraceptivo oral, e que mais tarde aprenderam sobre o potencial de efeitos pós-fertilização dos contraceptivos orais. As respostas a isso podem incluir desapontamento, raiva, culpa, tristeza, raiva e depressão.

Teste de gravidez

Métodos de Controle de Nascimento que Podem Causar Aborto 

  • Dispositivo intrauterino (DIU) – Um pequeno dispositivo em forma de “T” que é colocado dentro do útero por um profissional de saúde. Ele trabalha para evitar a fertilização, impedindo a entrada do espermatozóide nas trompas de falópio e diluindo o revestimento do útero, o que pode impedir a implantação se a fertilização ocorrer. A taxa de falhas estimada é inferior a 1%.
  • Depo-Provera – Hormones entregues através de injeções, ou tiros, nas nádegas ou braço a cada três meses. Previne a ovulação, engrossa o revestimento do muco, de modo a impedir a fertilização, e dilui o revestimento do útero, o que pode impedir a implantação se a fertilização ocorrer. A taxa de falhas estimada é inferior a 1%.
  • Anticoncepcionais Orais – Fornece hormônios por via oral através de uma pílula diária que impede a ovulação, engrossa o revestimento do muco, de modo a impedir a fertilização, e dilui o revestimento do útero, o que pode impedir a implantação se a fertilização ocorrer. A taxa de falha estimada é de 5%.
  • O Patch (Ortho Evra) – Hormonas entregues através de um remendo de pele usado na parte inferior do abdômen, nádegas ou parte superior do corpo. Previne a ovulação, engrossa o revestimento do muco, de modo a impedir a fertilização, e dilui o revestimento do útero, o que pode impedir a implantação se a fertilização ocorrer. A taxa de falha estimada é de 5%.
  • O Anel Contraceptivo Vaginal Hormonal (NuvaRing ) – Hormonas entregues através de um anel que é inserido na vagina durante três semanas de cada vez. Previne a ovulação, engrossa o revestimento do muco, de modo a impedir a fertilização, e dilui o revestimento do útero, o que pode impedir a implantação se a fertilização ocorrer. A taxa de falha estimada é de 5%.
  • Contracepção de Emergência (Pílula do Dia Seguinte, Contracepção Pós-Coito, Plano B, etc.) – Fornece hormônios oralmente através de uma pílula de alta dosagem que previne a ovulação, engrossa o revestimento do muco, prevenindo a fertilização e diluindo o revestimento do útero. o que pode impedir a implantação se a fertilização ocorrer. A taxa de falha estimada é de 1%.

Métodos de Controle de Nascimento que Não Causam Aborto

  • Abstinência Contínua – O único método que é 100% eficaz na prevenção de gravidez e doença.
  • Esterilização cirúrgica (ligadura tubária ou vasectomia) – Métodos cirúrgicos permanentes de controle de natalidade. As laqueaduras tubárias impedem que os óvulos de uma mulher atinjam seu útero. As vasectomias impedem que o esperma entre em uma mulher durante a relação sexual. A taxa de falhas estimada é inferior a 1%.
  • O preservativo masculino – impede que o esperma atinja o óvulo. A taxa de falha estimada é de 11 a 16%.
  • Diafragma – Um copo raso de látex que impede o espermatozoide de atingir o óvulo, requer uma visita ao seu médico para um encaixe adequado. A taxa de falha estimada é de 15%.
  • O Preservativo Feminino – Usado pela mulher, impede que o espermatozoide alcance o óvulo. A taxa de falha estimada é de 20%.
  • Cap Cervical – Um copo de látex em forma de dedal que impede que o espermatozoide alcance o óvulo. A taxa de falha estimada é de 14 a 29%. 
  • Métodos de Conscientização Periódica ou de Fertilidade Periódica – Ser abstinente nos dias em que você pode estar fértil ou usar um método de “barreira” de controle de natalidade (preservativos, diafragmas ou capas cervicais) em dias férteis. Embora o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA indique uma taxa de insucesso relativamente alta (25%), outros órgãos científicos indicam que, quando usada corretamente, a taxa de insucesso pode ser inferior a 1%. Como o conhecimento sobre fertilidade requer mais tempo e engajamento do que outros métodos, o “uso perfeito” é mais difícil de ser alcançado.
Anticoncepcional Provoca Aborto?
5 (100%) 1 voto

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

Comente