Amamentação

A ONU, Organização Mundial da Saúde, se refere ao leite materno como “alimento dourado”. A designação se dá devido à importância da amamentação nos primeiros meses de vida para a imunidade e desenvolvimento dos bebês.

A primeira fonte de alimentação, e que para muitos profissionais da saúde deve ser a única durante os primeiros seis meses, é rica em nutrientes como vitaminas, minerais, proteínas, gorduras e açúcares que são extremamentes necessários para a formação da criança no início de sua vida.

Além de cumprir seus valores nutricionais, o leite materno também será um dos fatores que garantem a imunização, oferecendo proteção contra infecções, diarreias e alergias.

Nos primeiros meses pós-parto, o leite materno possui uma coloração mais amarelada, isso ocorre devido às diversas substâncias que garantem proteção imunológica para a criança. O colostro, como é chamado esse primeiro leite com coloração diferente, é considerado por muitos a nossa primeira “vacina”.

Vantagens para os recém-nascidos

Bebê mamando

Além da nutrição e imunização, a amamentação traz uma série de vantagens para os recém-nascidos. É por isso que a Associação Brasileira de Pediatria, seguindo recomendações da OMS, incentiva o aleitamento exclusivo até os 6 meses de vida e, aliada a outros alimentos, até os 2 anos de idade.

Para o bebê, a amamentação apresenta as seguintes vantagens:

  • Ajuda na formação do sistema imunológico;
  • Diminui a ocorrência de cólicas;
  • Protege e repara o intestino graças à presença de uma molécula chamada PSTI;
  • Ajuda na prevenção da anemia;
  • Auxilia no desenvolvimento da arcada dentária devido aos movimentos de sucção;
  • Tem menor risco de desenvolver artrite reumatóide e asma;
  • Tem menos chances de ter sobrepeso ou desenvolver obesidade no futuro;
  • Alguns estudos apontam que crianças amamentadas com leite materno até os 6 meses possuem em média 3 pontos a mais nos testes de QI;
  • Segundo a Universidade de Medicina da Virgínia, a amamentação protege contra síndrome da morte súbita.

Vantagens para as mães

Mãe e seu filho recém-nascido

A amamentação não traz vantagens apenas para os bebês. Além do vínculo adquirido durante a prática, ajuda na redução dos sangramentos pós-parto, acelerando o processo de recuperação. Além disso, alguns estudos recentes apontam a relação entre o aleitamento materno e a redução de casos de câncer de mama.

A amamentação apresenta os seguintes benefícios:

  • Reduz o risco de desenvolver diabetes tipo II após o parto;
  • Diminui o risco de depressão pós-parto;
  • Auxilia na prevenção de câncer de mama e de ovário;
  • Segundo estudos da Universidade de Pittsburgh, previne a mãe de doenças cardiovasculares;
  • O leite está pronto para ser ingerido, transportado e não representa custos adicionais;
  • Auxilia no desprendimento da placenta e evita sangramentos em excesso.

Não consigo amamentar, e agora?

Não consigo amamentar

Contudo, nem sempre o aleitamento materno é possível e por uma série de motivos, muitas mulheres apresentam dificuldades. Os primeiros dias podem ser dolorosos devido à formação de fissuras nos seios.

Além disso, com a pega errada do bebê, os seios podem ficar excessivamente cheios e evoluir para um caso de mastite, uma inflamação que provoca dor, inchaços e vermelhidão nas mamas.

Em alguns casos, algumas mulheres podem ter produção de leite interrompida de maneira precoce, algo que pode ocorrer de maneira natural ou devido a realização de procedimentos como mastopexias ou cirurgias redutoras. Porém, não é preciso se desesperar, existem procedimentos e alternativas que garantem que seu filho também se desenvolva de uma maneira saudável.

Relactação ou lactação induzida

Lactação introduzida

Se o problema for a produção de leite, pode-se fazer o processo de relactação, que estimula a produção de leite materno. Primeiramente, existem duas nomenclaturas diferentes, dependendo do caso: a relactação é feita em mulheres que em algum momento já amamentarem e por algum motivo não conseguem mais produzir leite, para aquelas que nunca amamentaram o processo é o de lactação induzida.

O processo para resolver a questão consiste em mergulhar uma das extremidades de uma sonda nasogástrica em leite materno obtido em bancos de leite e a outra é fixada no mamilo da mãe, Enquanto o bebê suga o leite e se alimenta, também ocorre o estímulo da mama.

Fórmulas para bebês

Ainda assim, se não for possível, é recomendado recorrer a bancos de leite ou as fórmulas para bebês. É importante ressaltar que não se pode introduzir na alimentação do recém-nascido o leite que ingerimos no nosso dia a dia. As fórmulas, apesar de serem feitas à partir do leite de vaca, são modificadas para fornecer nutrientes específicos em cada fase da criança e facilitar a digestão.

Ao introduzir a fórmula, é preciso seguir atentamente as instruções de preparação e, segundo especialistas, é desnecessário usar engrossantes. É preciso também respeitar as fases especificadas nos rótulos, visto que cada uma é preparada para nutrir necessidades específicas. Sendo assim, não forneça uma fórmula fase 1 para um bebê prematuro.

O leite materno sempre será a melhor opção, mas não se martirize como mãe caso não consiga amamentar, existem boas opções que também irão garantir que seu bebê cresça forte e saudável.

5 dicas para amamentação

Dicas para amamentação

Um dos motivos de não conseguir amamentar pode ser o resultado da pega errada do bebê ou outros fatores mais simples. Para resolvê-los, existem uma série de técnicas que aos poucos vão tornar o hábito mais natural para o recém-nascido.

Caso tenha desenvolvido fissuras, converse com o seu médico sobre pomadas que podem ajudar e se as dores persistam, procure imediatamente por um profissional de saúde.

1 – Escolha um lugar tranquilo

Na hora de amamentar, se prepare e escolha um lugar calmo, tranquilo e sem muitas interrupções. Lembre-se de que é um momento de conexão, então esteja relaxada e sem pressa para também transmitir calma para o bebê e tornar este momento, além de necessário, agradável para ambos.

2 – Incentive a pega correta

Um dos maiores problemas relacionados à amamentação se deve ao fato do bebê não conseguir pegar o seio da mãe corretamente. O recomendado é posicioná-lo com a barriga virada para a mãe e a cabeça mais elevada que o bumbum. Os lábios devem estar bem para fora, o queixo próximo dos seios e a boca deve abocanhar o máximo da aréola que conseguir. Se a mãe sentir dores, é uma indicação de que a pega pode estar errada.

3 – Fique atenta aos sons

Os únicos sons ouvidos durante a amamentação devem ser os de sucção e deglutição. Estalos de língua ou qualquer outro som podem indicar que o bebê não conseguiu pegar o seio corretamente, sendo assim, tente mudar de posição. A pega incorreta não alimenta bem o bebê, tornando necessário repetir o processo mais vezes. Além disso pode causar dores nos seios devido a fissuras ou acúmulo de leite.

4 – Cuidado com a quantidade excessiva de leite

Ter uma grande produção de leite é uma alegria para as mães, porém fique atenta se a quantidade for em excesso. O acúmulo de leite pode ocasionar mastite, uma inflamação nas glândulas mamárias, ou empedramento dos seios. Em caso de grande volume, faça a ordenha manual e estoque o leite, a validade é de até 15 dias se for armazenado corretamente no congelador.

5 – Cuide-se

Cuidar da sua saúde também é primordial para garantir o sucesso da amamentação. É comum sentir muita sede, visto que o corpo tem a necessidade de repor todo líquido, por isso não se esqueça de ingerir bastante água. Uma boa alimentação também é essencial, além disso, evite substâncias como álcool e drogas, bem como medicamentos que não foram previamente prescritos pelo seu médico.

Realização: Plano de Saúde da Amil

Amamentação: uma prática saudável para os bebês e para as mães
5 (100%) 3 votos

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES
Cuide da sua saúde.
Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado!

1 COMENTÁRIO

Comente